Resenha: “O Pequeno Príncipe” de Antoine de Saint-Exupéry

Saudações Leitores!
Um livro que definitivamente só vejo críticas positivas é O Pequeno Príncipe, claro que fiquei louca para lê-lo, enfim li e, me torno mais uma a fazer elogios ao livro. Acredito ser um livro que todos devam ler, de crianças a adultos, pois são pequenas lições que na trajetória das nossas vidas vamos nos esquecendo, ou melhor, crescemos e perdemos a sensibilidade infantil de ver não com os olhos mas com o coração. Portanto também considero O Pequeno Príncipe, um daqueles livros que não se deve ler uma vez, mas várias, pois a cada leitura mais detalhes são aprendidos... Um ensinamento constante...


O Pequeno Príncipe, Antoine de Saint-Exupéry, Rio de Janeiro: Agir, 2008, 96 pág.
Tradução de Dom Marcos Barbosa

       “Le Petit Prince” conhecido no Brasil como O Pequeno Príncipe foi publicado em 1943 é um clássico da Literatura Infanto-juvenil e obra do escritor, ilustrador e aviador francês Antoine de Saint-Exupéry nascido em 29 de junho de 1900 (Lyons) e falecido em 31 de julho de 1944 (Mar Mediterrâneo). Saint-Exupéry também publicou outras obras bastante renomeadas, entre elas “O Aviador” (1926) e “Terra dos Homens” (1939).
       Esta obra, entremeada de teor poético e filosófico, é de uma riqueza fabulosa, pois apresenta ao leitor uma nova forma de ver o mundo sob o olhar peculiar que uma criança desenvolve a respeito da vida e como as crianças são capazes de enxergar coisas sumamente importantes as quais as “pessoas grandes” não conseguem mais ver. Apesar de ser um livro considerado infantil, O Pequeno Príncipe traz uma mensagem riquíssima para todos os adultos, assim sendo, trata-se de uma leitura que pode (e deve) ser apreciada por crianças, jovens e adultos.
        O livro inicia-se com a pane de um avião que cai no meio do deserto do Saara, assim o piloto começa a tentar consertar seu avião para que possa ir embora. Nos dias em que passou no deserto ele conheceu o Pequeno Príncipe que com a inocência inerente das crianças começa a apresentar vários questionamentos a respeito da vida, do mundo e das pessoas.
       Um livro aparentemente ingênuo apresenta personagens dotados de simbolismo: o rei, o contador, o geógrafo, o bêbado, o vaidoso, a raposa, a rosa, a serpente, entre outros. Cada um dos personagens representa um tipo de pessoa que facilmente podemos encontrar em nossas vidas. Esta obra vem a fazer com que cada leitor mergulhe em diversos tipos de reflexões e, uma das principais talvez seja a de que quando adultos nos esquecemos de olhar o mundo com os olhos de crianças, porque as crianças não têm o crivo da aparência, mas sim, o da essência, afinal “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos” (p.70).
       Saint-Exupéry proporciona através desta obra os questionamentos de uma criança, muitas vezes esquecidos e ignorados pelos adultos, nos apresenta valores que esquecemos e nos ensina que “É bem mais difícil julgar a si mesmo que julgar os outros. Se consegues fazer um bom julgamento de ti, és um verdadeiro sábio” (p.39). Através dessa obra vamos reaprendendo velhas lições esquecidas.
       O Pequeno Príncipe é indicado à todas as pessoas que um dia foram crianças. Ser adulto em si, mas permanecer com o coração de criança é o maior desafio do ser humano!
 Camila Márcia

2 comentários:

  1. Faz tempo que quero ler, mas ainda não o li. Bela resenha.

    abç.

    ResponderExcluir
  2. Tenho esse livro a muito tempo, mas não leio..
    Adorei a resenha!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!