SOCIAL MEDIA

Mostrando postagens com marcador Editora Arqueiro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Editora Arqueiro. Mostrar todas as postagens

Saudações Leitores!

Vem conhecer alguns dos lançamentos de Março da Editora Arqueiro comigo e depois me digam se tem como não aumentar a wishlist com essas belezuras?


CORTESÃ POR UMA NOITE
Autor: Lisa Kleypas
Ficção | 272 págs. | Brochura | Arqueiro
COMPRAR: AMAZON

Primeiro volume da série Os mistérios de Bow Street.

Certa noite, o belo e misterioso policial Grant Morgan é chamado para investigar uma vítima de afogamento no rio Tâmisa. Quando chega lá, fica surpreso ao reconhecer Vivien Rose Duvall, um de seus grandes desafetos, a mais famosa e exclusiva cortesã dos salões londrinos. 

Grant fica mais surpreso ainda ao perceber que a moça está viva. Sem saber o que fazer, ele decide levá-la para casa, apesar de seu desprezo por ela. Quando Vivien acorda, porém, os dois percebem que ela não se lembra de nada. 

Durante a investigação, logo fica claro que a moça sofreu uma tentativa de assassinato e que sua vida ainda está correndo perigo. Enquanto tenta protegê-la, Grant se sente cada vez mais atraído por ela. E Vivien, incapaz de recuperar a memória, se entrega de corpo e alma a seu salvador. Nesse mistério envolvente cheio de pinceladas de romantismo, duas vidas se cruzam de maneira inesperada e uma paixão avassaladora coloca em dúvida tudo que eles achavam que sabiam.


LIÇÕES INESPERADAS SOBRE O AMOR
Autor: Ludy Dillon
Ficção | 336 págs. | Brochura | Arqueiro
COMPRAR: AMAZON

Jeannie sempre sonhou com uma grande paixão, e agora finalmente está vivendo um romance avassalador com Dan, um jovem veterinário. Depois de menos de um ano de namoro, ele a pede em casamento durante um fim de semana romântico em Nova York. 

Os meses de noivado voam e de repente ela se vê no carro a caminho do casamento. Tudo parece perfeito e mágico demais para ser verdade. Mas ela não consegue afastar do peito a sensação sufocante de que está tomando a decisão errada. 

Jeannie tem uma última chance de voltar atrás. Porém, quando decide agarrá-la, um golpe do destino joga tudo o que ela conhece pelos ares. 

Com o futuro parecendo incerto e sombrio, Jeannie mergulha uma jornada de autodescoberta e constata que, para amar totalmente outra pessoa, primeiro precisamos aprender a ouvir nossos próprios desejos e necessidades.


AMIGAS PARA SEMPRE 
Autor: Kristin Hannah
Ficção /Romance | 576 págs. | Brochura | Pop Chic
COMPRAR: AMAZON

Aos 14 anos, Tully Hart era linda, alegre e popular. O que ninguém imaginava era o sofrimento que ela vivia: nunca conhecera o pai, e a mãe, viciada em drogas, costumava desaparecer por longos períodos. 

Mas sua vida se transformou quando ela se mudou para a alameda dos Vaga-lumes e conheceu Kate Mularkey. A garota era inteligente, compreensiva e tão amorosa que logo fez Tully se sentr parte de sua família. 

Ao longo de mais de trinta anos, Tully ajudou Kate a descobrir a própria beleza e a encorajou a enfrentar seus medos, enquanto Kate ensinou Tully a enxergar além das aparências e a fez entender que certos riscos não valem a pena. 

Será possível perdoar uma traição da melhor amiga? Neste livro, Kristn Hannah nos conta uma linda história sobre duas pessoas que sabem tudo a respeito uma da outra – e que por isso mesmo podem tanto ferir quanto curar. 

Lançamento: Cortesã por uma noite [e outros]

sexta-feira, 26 de março de 2021

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Cheio de sensualidade e muita aventura A Honra das Terras Altas é um livro eletrizante!

Saudações Leitores!

A HONRA DAS TERRAS ALTAS (Highland Honor, 1999) escrito pela americana Hannah Howell, trata-se do segundo volume da trilogia Os Murrays, cujo primeiro livro é O Destino das Terras Altas.

Aqui iremos acompanhar a história de Nigel Murray que depois de se apaixonar pela esposa de seu irmão mais velho, fugiu da Escócia e foi para a França viver lutando para quem lhe paga e levando uma vida devassa com bebidas e mulheres, porém, com sete anos morando na França Nigel decide que chegou a hora de voltar para casa.

Porém, quando Nigel toma essa decisão ele acaba se deparando com uma moça vestida de homem - algo muito incomum - e ao escutar a conversa dela com o primo descobre que ela está em fuga e que tem uma poderosa família caçando a jovem e oferecendo uma fortuna para quem encontrá-la.

"[...] acredito de verdade que cada um de nós possui um medo assim, um medo que não dá ouvidos à razão ou aos fatos."

É a partir do momento que Nigel conhece Gisele que uma atração muito forte é despertada nele e, de modo impulsivo ele se propõe em ajudar Gisele escapar de seus perseguidores, principalmente após conhecer a história por trás da fuga dela.

A verdade é que A HONRA DAS TERRAS ALTAS traz a história de dois personagens com o coração partido e que estão em fugindo de uma forma ou de outras, Nigel dos seus sentimentos e Gisele de uma grande família vingativa, no entanto, mesmo nesse cenário nada propício para o amor, este sentimento infiltra-se entre os dois e é nos braços um do outro que a ferida de ambos irá cicatrizar.

Para quem gosta de romance com fugas e lutas, definitivamente A HONRA DAS TERRAS ALTAS  pode ser uma boa pedida, mas mesmo sendo um livro bem eletrizante e muiiiiito sensual, ainda assim em vários momentos fiquei cansada do que estava lendo, porque era como se as páginas passassem e nada muito significativo acontecesse, afinal boa parte do volume estavam apenas Nigel e Gisele fugindo, mas em compensação por esse detalhe, o livro brinda com cenas de muita sensualidade e química entre o casal.

"Gisele queria descobrir como era a paixão, como era sentir um desejo intenso e audacioso, e a intuição lhe dizia que sir Nigel seria capaz de lhe mostrar. O que temia era querer mais. Queria ser não apenas sua amante, mas seu amor. Se estivesse certa sobre os motivos que o levaram a deixar seu lar, o amor dele não estava disponível. Seu coração pertencia a outra mulher. Se ela lhe entregasse o coração junto com seu corpo, talvez seus sentimentos não tivessem utilidade e ele nem fosse capaz de retribuí-los. Poderia ser maravilhoso descobrir a alegria da paixão, mas Gisele não tinha certeza de que queria conhecer a tristeza de um coração partido."

Apesar de ter gostado muito do casal Nigel e Gisele, devo dizer que esperei algo mais da história de Nigel, afinal eu já tinha gostado do personagem quando li O Destino das Terras Altas mas acompanhar um livro todo trazendo uma história com Nigel não chegou nem perto do que esperei que fosse, até porque esperei que a história dele fosse acontecer na Escócia e não na França.

A HONRA DAS TERRAS ALTAS foi um livro bom, uma leitura agradável e me deixou contente por tê-lo lido, então acho que só esse fato já é um ponto bem positivo, então fica aqui minha recomendação, no entanto, quero aconselhar aos leitores que tem interesse em ler o volume não irem com muita sede ao pote, ok?

"Gisele tinha oferecido seu coração a alguém que não tina nada para lhe dar em retribuição além de momentos de paixão. Dissera a si mesma que não pedia mais do que isso, e ele não demonstrara nenhum sinal de querer mudar as regras estabelecidas."

FICHA TÉCNICA

A Honra das Terras Altas
Autor: Hanna Howell
Tradução: Lívia de Almeida
São Paulo: Arqueiro, 2020, 272 págs.

 COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

A Honra das Terras Altas (Os Murrays, vol.2) - Hannah Howell (resenha)

sexta-feira, 12 de março de 2021

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Narrativa cativante, romance cão e gato e muita sensualidade é o que temos em Segredos de uma Noite de Verão

Saudações Leitores!

SEGREDOS DE UMA NOITE DE VERÃO (Secrets of a summer night, 2004), é o primeiro volume da série As Quatro Estações do Amor, da escritora bestseller - e premiada - Lisa Kleypas. Na minha vida só tinha lido um livro da Lisa Kleypas que foi Uma Chance para Recomeçar, mas praticamente, hoje, esqueci tudo dessa leitura, então, após muita gente me indicar a série As Quatro Estações do Amor da escritora e eu estar numa vibe de romances de época decidi me jogar nessas páginas com essa edição maravilhosa do selo Pop Chic da Editora Arqueiro.

E de cara já digo logo que me apaixonei por SEGREDOS DE UMA NOITE DE VERÃO e não foi só o enredo e as personagens que me encantaram, mas também a narrativa e até o humor da Lisa Kleypas, fiquei impressionada porque durante o livro todo só me desagradou uns acontecimentos mais exagerados e dramáticos bem no final do livro, mas relevei isso.

"Eu nunca pensei em uma caça a marido como um esporte de equipe."

Em SEGREDOS DE UMA NOITE DE VERÃO vamos acompanhar Anabelle vivendo um romance do tipo cão e gato com Simon Hunt, principalmente porque ela é uma mulher que está na época de casar, porém, como seu pai morreu e sua família está passando por sérios problemas financeiros, casar com um nobre tem se tornado algo cada vez mais difícil, pois quem irá casar com uma jovem sem dote?

No entanto, desde o dia que conheceu Simon, tanto ela quanto ele tiveram uma conexão, mas ao mesmo tempo um afastamento, pois era difícil Anabelle se imaginar tento um relacionamento com alguém que não fosse nobre, afinal Simon é filho de um açougueiro e por mais que atualmente seja muito rico por conta de trabalhar com investimentos financeiros, suas origens não-nobres geram um certo preconceito na sociedade classicista.

A situação precária de Anabelle não é nenhum mistério na sociedade e por isso ela já é considerada uma solteirona e até cogita que seu destino pode acabar sendo se tornar amante de um nobre rico para poder sobreviver, porém isso vai contra os princípios da moça.

"Se não pudesse encontrar alguém para se casar, poderia tornar-se amante de alguém. Embora ninguém a quisesse como esposa, parecia haver um número infinito de cavalheiros dispostos a mantê-la em pecado. Se fosse inteligente, poderia fazer fortuna. Mas estremeceu com a ideia de nunca mais poder frequentar os círculos sociais - de ser desprezada e condenada ao ostracismo, sendo valorizada apenas por suas habilidades na cama."

A beleza de Anabelle chama atenção de todos e Simon Hunt fica realmente encantado pela jovem ansiando que seus planos de fisgar um nobre vá de água a abaixo e ele possa ter pelo menos uma chance de se tornar seu amante.

Como todo bom livro de romance de época teremos vários conflitos e momentos de muita tensão, desastres, humor, sensualidade e descobertas, sem dívida alguma SEGREDOS DE UMA NOITE DE VERÃO é um romance de época que ultrapassa o romance e traz um ambiente de época que está em transformação, a nobreza precisa se adaptar aos empresários em ascensão, mostra preconceitos sociais, costumes e cenas e reflexões importante sobre a vida de uma viúva, a vida das jovens em idade de casar, etc.

"_Todas as mulheres fazem isso nessa fase de cortejo... e os homens também, se querem saber - disse Lillian de um jeito prosaico. _ Tentamos ocultar nossos defeitos e dizer coisas que achamos que o outro queira ouvir. Fingimos ser encantadores e bem-humorados e fazemos de conta que os hábitos desagradáveis do outro não nos incomodam. Depois do casamento, a coisa muda de figura."

SEGREDOS DE UMA NOITE DE VERÃO também fala de vencer preconceitos, medos e quebrar barreiras para poder ser feliz e perceber que a felicidade não está em uma posição social ou em poder financeiro, mas nas pessoas que nos cercam. Esse é um livro que eu poderia falar dele por muitos outros parágrafos, mas vou parar por aqui porque acho que já consegui deixar você, caro leitor, curioso.

Dê uma chance para SEGREDOS DE UMA NOITE DE VERÃO se ainda não leu e gosta de romance de época. Por aqui já estou vibrando para ler o segundo volume da série! Boas Leituras!

"Desejos são coisas perigosas, não sabe?"

FICHA TÉCNICA:
Segredos de uma Noite de Verão
Autor: Lisa Kleypas
São Paulo: Arqueiro, 2020, 384 págs.
Tradução: Janaína Senna

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Segredos de uma Noite de Verão (As Quatro Estações do Amor, vol. 1) - Lisa Kleypas (resenha)

quinta-feira, 11 de março de 2021

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Vox é uma distopia bestseller que se passa em um "futuro próximo" nos EUA e que gerou um frisson por ser comparado a O Conto da Aia, de Margaret Atwood

Saudações Leitores!

Vox (Vox, 2018), trata-se do livro de estreia da escritora e linguista norte-americana Cristina Dalcher, porém a autora já escreveu e publicou diversos contos. 

O livro teve um forte marketing, na época de sua publicação, por ser muito comparado ao aclamadíssimo O Conto da Aia, de Margaret Atwood, afinal além de se tratar de uma distopia que se passa em um futuro próximo nos Estados Unidos, o romance, aborda a opressão das mulheres e um governo de extrema-direita ultraconservador.

Devo ter esperado muito do livro, pois como já li O Conto da Aia e gostei, fiquei com muita vontade de ler Vox, mas a experiência não foi tão maravilhosa quanto imaginei que seria. Foi uma leitura apenas OK e com um final muito conveniente e que de certa forma boicota uma experiência ainda melhor.

Vamos por parte, deixe-me explicar o que encontraremos em Vox, pois a escritora nos coloca diante de um plano mirabolante para que nas eleições presidenciais nos EUA, um governo de extrema-direita ultraconservadora ganhasse e após esse marco histórico a vida de todos os cidadãos mudariam para sempre, principalmente para as mulheres.

As mulheres, sejam elas bebes, crianças, jovens ou adultas receberam uma pulseira contadora de palavras e cada mulher só pode falar no máximo 100 palavras por dia, caso contrário são torturadas pelo aparelhos e punidas pelos policiais e políticas "atuais". Além disso, as mulheres são proibidas de trabalharem fora de casa, tem seus estudos limitados apenas para o gerenciamento doméstico, são ensinadas a obedecerem os homens e se dedicarem total e exclusivamente a sua família.

Esse cenário completamente opressor nos é apresentado pelos olhos da neurolinguista Dra. Jean McClellan que vai apresentando tanto o cenário atual dos EUA com essa política absurdamente assustadora, como vai mostrando através de fashbacks fatos que se passaram antes e que acabaram levando a situação política atual e como muitas pessoas - inclusive ela - negligenciaram e acharam que todas as movimentações e manifestações não passavam de bobagem. Todos que não acreditaram tiveram que pagar as consequências de não terem sido oposição e se manifestado contra.

Contudo, mesmo com o governo opressor, algo "imprevisto" acontece e a Dra. Jean tem a oportunidade, por conta de seus estudos e autoridade em neolinguística, de trabalhar - mesmo que sob pressão - para o governo, porém com esse trabalho ela vê a oportunidade de lutar pela sua voz e por todas as outras pessoas que foram silenciadas ao longos dos anos.

É em decorrência desse trabalho que Dra. Jean acaba se reconectando com outros amigos do passado e também descobrindo que existe um grupo de resistência contra o governo, no entanto, ela precisa ser cautelosa e não pode confiar nem mesmo em sua família, pois todos os homens e crianças são ensinados a denunciarem os "não puros".

Como já mencionei, Vox, tem uma proposta bem sinistra e interessante, mas algo não saiu como eu imaginei e creio que isso se deve a dois motivos que tem um peso muito grande em qualquer narrativa: não me conectei e nem simpatizei a personagem principal, que mesmo inteligente e sensata, não me convenceu de que foi capaz de ignorar todas as manifestações e só perceber o caos que seu país ficaria depois de tudo ter ocorrido, sem contar que detestei a família dela.

Outro ponto que me incomodou foi Christina Dalcher ter colocado um suposto triângulo amoroso desnecessário com cenas quentes e sensuais sem motivação alguma e de repente fazer com que o romance se tornasse um grande amor capaz de fazer o triângulo se colocar em risco e até ser consensual com a situação.

Desse modo, quando chegamos ao clímax da história e tem várias partes de ação, tiros, mortes e fugas, ficamos até eletrizados pelos acontecimentos tantos prévios (punições, traições, etc.) quanto as ações de fato, porém, quando chegamos ao final do romance o desfecho é aquele típico desfecho "quase feliz" para ser conveniente para todos os personagens. 

Finais assim me incomodam muito mais do que finais abertos. Acreditem. Por conta disso, foi difícil encarar esse livro como "UAU que mara!", como muita gente classificou o volume, para mim, FOI TUDO BEM OK. Apenas 3 estrelas (o que não é ruim).

FICHA TÉCNICA
Vox
Autor: Christina Dalcher
Tradução: Alvez Calado
São Paulo: Arqueiro, 2018, 320 págs

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Vox - Christina Dalcher (resenha)

Para Sir Phillip, com Amor. Julia Quinn. São Paulo: Editora Arqueiro 2015, 288 págs. 
Tradução: Viviane Diniz
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!

Para Sir Phillip, com Amor (To Sir Phillip, with Love, 2003), de Julia Quinn, é o 5º livro da série Os Bridgertons, precedido por O Duque e Eu, O Visconde que Me Aamava, Um Perfeito Cavalheiro e Os Segredos de Collin Bridgerton. Nesse volume, vamos acompanhar de pertinho a história de Eloise Bridgerton que, diga-se de passagem, é minha Bridgerton feminina favorita até agora.

A história de Eloise traz as características marcantes da personagens como o fato de querer resolver suas coisas sozinhas, embarcar numa jornada para conhecer alguém com quem poderá casar, o enfrentamento dos desafios que vão surgindo, contudo, no meio da narrativa algumas coisas vão se perdendo, como a própria habilidade de falar o que pensa: Eloise parece que fica travada na presença de seu par romântico: Sir Phillip Crane e acabava não sendo tão comunicativa e animada quanto foi nos livros anteriores da série.

"Será que isso era pedir muito em uma esposa? Um sorriso, pelo menos uma vez por dia? Talvez até mesmo uma gargalhada? Ela precisava amar os filhos dele. Ou pelo menos fingir tão bem que os dois nunca soubessem a diferença. Não era pedir muito, era?"

Estou me antecipando muito, deixem-me situá-los a cerca do enredo de  Para Sir Phillip, com Amor, pois aqui a narrativa começa - tal como nos livros anteriores - com um prólogo destinado a nos "apresentar" o par romântico do Bridgerton, no caso: Sir Phillip. É nesse prólogo que sabemos que ele é viúvo, sua falecida esposa, Marina, era uma mulher muito melancólica e com sua morte Phillip ficou com dois filhos (Oliver e Amanda) para criar sozinho. 

Os filhos representam uma grande preocupação para o pai que não sabe como se aproximar deles e ao mesmo tempo reconhece que os dois são mal-educados e duas "pestinhas" travessas, tanto é que não há uma babá que aguente ficar muito tempo cuidando delas sem se demitir.

Então, Phillip acaba decidindo que precisa se casar novamente para dar uma mãe para seus filhos e eles poderem ter uma referência de família, de modo que, quando ele começa a se comunicar por cartas com Eloise (e já sabemos que Eloise está trocando cartas com alguém desde o livro passado), ele vê uma oportunidade de contrair matrimônio e dar uma mãe para os filhos, sendo que ele acaba apenas desejando uma mulher que seja uma boa mãe (essa era a prioridade dele) e cumpra com as obrigações matrimoniais, sem a necessidade de haver um grande amor envolvido.

"Os sonhos dela não passavam disso: sonhos. Ilusões, coisas que criara. se ele não era quem esperava, a culpa era só dela. Vinha ansiando por algo que nem mesmo existia."

Já Eloise, vai ao encontro de Sir Phillip em busca de um amor e fica óbvio o quanto se frustra por perceber que o homem tão atencioso das cartas, não é o mesmo que encontra na vida real, ainda mais quando descobre que ele tem dois filhos e nunca os mencionou nas cartas trocadas.

É evidente que, mesmo sendo a Bridgerton menos passional, ao ver sua melhor amiga Penélope casando-se com seu irmão e ter outras várias referências de amor em sua vida ela busca por esse sentimento tão belo e altruísta, mas fica difícil quando ela percebe que decorou todas as cartas de Phillip e ele não lembra de nada do que escreveu; para intensificar a frustração, Eloise percebe que Phillip não lhe dá atenção, ficando trancado o dia todo trabalhando na estufa, ignorando também seus filhos e suas travessuras.

"Mas gratificante, também. Ela fizera uma coisa maluca ao fugir de casa no meio da noite esperando encontrar a felicidade com um homem que nunca vira. Era um alívio pensar que talvez tudo aquilo não tivesse sido um engano completo, que talvez ela tivesse vencido a aposta que fizera com o destino."

Portanto, conquistar o coração desse homem não será uma tarefa fácil para Eloise, tão pouco será fácil cativar Oliver e Amanda, mas ela vai se esforçar ao máximo. Porém, é claro que vamos ter uma pequena confusão nesse volume.

Ao perceberem a fuga da irmã, os homens do clã Bridgerton saem em sua caçada e para proteger a honra e o nome da família agora exigem que Phillip se case com Eloise, isso vai deixar a atmosfera mais carregada, os sentimentos abalados e decisões deverão ser tomadas.

Ao passo que Eloise e Phillip vão se conhecendo, também surge um sentimento muito bonito entre os dois, ambos vão começar a se abrir um para o outro - mesmo com as relutâncias iniciais -, além do mais, teremos uma química muito grande entre Eloise e Phillip que irá render cenas de sensualidade ao livro.

"Ele a amava. Não tinha procurado o amor, nem se preocupara com isso, mas ali estava ele, e era a coisa mais preciosa que Phillip podia imaginar."

Para Sir Phillip, com Amor é um dos primeiros livros de Julia Quinn que não vejo ser tão problemático como os anteriores, apesar de ter uma coisa aqui e acolá que pode deixar o leitor com o pé atrás, sobretudo com as atitudes dos irmãos Bridgertons, mas eram costumes da época então temos que contextualizar esse recorte de época que é muito diferente de nossa contemporaneidade.

Realmente, amei a leitura de Para Sir Phillip, com Amor, de modo que é um livro bem leve, fofo e deixa várias reflexões sobre família, maternidade, amor, etc.. Porém, devo ser honesta e admitir que esperei um pouco mais de romance, drama, sensualidade, irreverência, audácia e humor no livro de Eloise, já que essas eram características da personagem que não foram exploradas aqui. Uma pena.

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Para Sir Phillip, com Amor (Os Bridgertons - vol. 5) - Julia Quinn (resenha)

segunda-feira, 8 de março de 2021

A Sala das Borboletas. Lucinda Riley. São Paulo: Arqueiro. 2019. 496 págs.
Tradução: Alves Calado
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

A Sala das Borboletas é uma verdadeira lição de vida e amor em forma de livro!

Saudações Leitores!

A Sala das Borboletas (The Butterfly Room, 2019) é mais um livro da escritora irlandesa Lucinda Riley, umas das minhas escritoras favoritas, diga-se de passagem, então, sempre que tiver oportunidade de ler a autora irei abraçá-la.

É impressionante como os livros de Lucinda Riley sempre me tocam de uma maneira diferente e trazem uma experiência completamente nova, mesmo estando "acostumada" com o estilo de narrativa da escritora, por exemplo, quando peguei A Sala das Borboletas não consegui parar até terminar a leitura de quase 500 páginas!

Nesse volume vamos acompanhar a história de Posy que já é uma senhora de quase 70 anos e vive numa mansão chamada Admiral House, no entanto, manter a mansão exige muito dinheiro e Posy terá que tomar a difícil decisão de vendê-la, já que não tem dinheiro para reformar, porém, sofre ao pensar nessa possibilidade pois a propriedade está há mais de 100 anos em sua família.

Com essa difícil decisão para ser tomada por Posy, ainda neste volume vamos acompanhar as histórias dos filhos dela: Sam e Nick que tem seus problemas e frustrações. Sam é casado com Amy, mas vive uma vida difícil porque seus negócios nunca vão para frente o que acaba fazendo com que Amy (esposa) sustente a casa. Já Nick está envolto em dúvidas sobre voltar para Inglaterra após mais de 10 anos morando na Austrália e sendo um homem bem sucedido por lá.

O mais incrível e também algo que já faz parte das narrativas de Lucinda Riley é que em A Sala das Borboletas vamos acompanhar dois tempos de narrativa: uma que se situa no passado - contando a infância, amadurecimento e formação de Posy -, e outra no "presente" falando sobre os dilemas de Posy com seus quase 70 anos além dos problemas de seus filhos, ao passo que também traz um amor do passado de Posy que irá colocar em cheque grandes revelações e segredos virão à tona.

Como estava com saudades de ler Lucind Riley e poder A Sala das Borboletas foi um verdadeiro presente, amo como a escritora consegue alternar entre passado e presente, nos fazer ficar envolvidos com todos os acontecimentos e personagens de cada tempo em que a narrativa está.

Além desse aspecto, em A Sala das Borboletas levantou várias outras questões bastante contemporâneas e que desde de sempre são temas recorrentes, mas que antes eram considerados mais tabus ou eram tratados com mais discrição dentro das famílias.

E para fechar com chave de ouro Lucinda Riley sempre fala de amor em seus livros e de como devemos seguir o coração porque são nossos sonhos e anseios que nos levam para o caminho da felicidade. Sem dúvida, durante toda a leitura de A Sala das Borboletas me vi diante de grandes lições de vida e amor que merecem ser compartilhadas, por conta disso, claramente, super indico o volume. Boas Leituras!

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas


A Sala das Borboletas - Lucinda Riley (resenha)

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Marionete. Daniel Cole. São Paulo: Arqueiro. 2019. 352 págs
Tradução: Ana Rodrigues
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Um Thriller Arrebatador!

Saudações Leitores!

Finalmente consegui mergulhar em um dos livros de Daniel Cole: Marionete (Hangman, 2018), que é o segundo livro do autor publicado no Brasil, antecedido por Boneco de Pano que não li (ainda) e pelo que andei pesquisando faz parte de uma série/trilogia (?) chamada de Fawkes e Baxter, o mais legal é que os livros apensar de terem elementos que se conectam (mesmos detetives e menções a casos anteriores) ainda assim funcionam bem como livros independentes, embora muitos recomendem a leitura em sequência.

Em Marionete logo de princípio acabamos situando que a história ocorre vários meses depois dos acontecimentos de Boneco de Pano (18 meses), mas na realidade somos jogados em várias cenas de crimes sem muita explicação do que aconteceu, mas cada sequências de crimes temos marcas semelhantes que intrigam a detetive Emily Baxter.

É nesse meio tempo que o FBI e a CIA a convoca para uma reunião a fim de mandá-la contribuir com o caso, desse modo, mesmo que Baxter ainda tenha alguns traumas e feridas do seu caso anterior (que ocorreu em Boneco de Pano), principalmente após o desaparecimento de seu companheiro Eilliam Fawker (Wolf) e seus dramas emocionais ela terá que enfrentar mais este desafio e investigação.

Sem dúvida, em Marionete, Cole, nos entrega um thriller arrebatador principalmente quando vamos recebendo informações sobre o assassino, a forma como ele deixa o corpo de suas vítimas de forma retorcida e com palavras entalhadas como "Isca", "Marionete", vão trazendo um aspecto sombrio para a narrativa.

Além disso, os assassinatos aumentam se espalhando em Nova York e Londres o que deixa detetives e nós leitores intrigados e até sem fôlego durante a leitura, o mais angustiante é observar que Emily Baxter não tem em quem confiar suas suspeitas e pistas, ela tem que atuar sozinha nesse caso já que fica óbvio que qualquer pessoa pode estar manipulando as cordas do marionete e a detetive não quer correr riscos.

De fato a narrativa é angustiante, frenética e viciante, já fazia algum tempo que não lia um bom thriller e estava com muita saudade de ler o gênero, inclusive, fiquei me perguntando o motivo de não já ter lido  volume, porém, após essa leitura fiquei com gostinho de quero mais e percebo que quero investir mais em leituras de thriller.

Contem-me se vocês já leram o volume ou se conhecem a escrita de Daniel Cole? Fiquei super curiosa para ler mais livros do autor e espero que fazer isso em breve.

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Marionete - Daniel Cole (resenha)

terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

Os Segredos de Colin Bridgerton (Os Bridgertons - vol. 4),  Julia Quinn. São Paulo: Editora Arqueiro, 2014, 336 págs.
Tradução: Cláudia Guimarães
COMPRAR: AmazonOutras Lojas

Saudações Leitores!
Os Segredos de Colin Bridgerton (Romancing Mister Bridgerton, 2002), de Julia Quinn, trata-se do 4º volume da série Os Bridgertons e, este volume, é considerado por muitos leitores como o melhor de toda a série. Não sei se o considerarei O MELHOR quando finalizar a série, mas posso afirmar, categoricamente, que ele é um dos mais fundamentais e definitivos volumes porque traz vários esclarecimentos.

Aliás, de você ainda não conferiu resenha dos volumes anteriores confira: O Duque e Eu, O Visconde que Me Amava, Um Perfeito Cavalheiro.

Resenha: Os Segredos de Colin Bridgerton (Os Bridgertons - vol. 4) - Julia Quinn

sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Um Perfeito Cavalheiro (Os Bridgertons - vol. 3), Julia Quinn. São Paulo: Arqueiro, 2014, 304 págs.
Tradução: Cássia Zanon
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
Um Perfeito Cavalheiro (An Offer from a Gentleman, 2001) é o terceiro volume da famosa série da escritora bestseller norte americana Julia Quinn: Os Bridgertons (composta por 9 livros) que este ano resolvi desbravar como um projeto pessoal de "ler mais romances de época" e MEU.DEUS.DO.CÉU! Estou encontrando nesta série uma leitura fluida, agradável e que me deixa com um sorriso bobo no rosto, tem coisa melhor?

Se você ainda não viu, aqui no blog já tem veredito de O Duque e Eu e de O Visconde que Me Amava, os dois primeiros volumes da séries, respectivamente e creio que vale a pena conferir.

Resenha: Um Perfeito Cavalheiro (Os Bridgertons - vol. 3) - Julia Quinn

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

O Visconde que Me Amava (Os Bridgertons, vol. 2), Julia Quinn. São Paulo: Arqueiro, 2013, 304 págs.
Tradução: Ana Resende
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
O Visconde que Me Amava  (The Viscount who Loved me, 2000) da escritora best-seller norte-americana, Julia Quinn, é o segundo volume da série (com 9 livros) Os Bridgertons, precedido por O Duque e Eu.

No livro anterior acompanhamos a história de Daphne Bridgerton, já em O Visconde que Me Amava, o Bridgerton que vamos conhecer é o mais velho e chefe da família: Anthony. Como já me apaixonei por todos os irmãos e inclusive pela mãe (lady Violet Bridgerton) estava bem curiosa e empolgada para ler este volume.

Resenha: O Visconde que Me Amava (Os Bridgertons - vol. 2) - Julia Quinn

segunda-feira, 6 de julho de 2020

O Duque e Eu (Os Bridgertons, vol. 1), Julia Quinn. São Paulo: Arqueiro, 2013. 288 págs.
Tradução: Cássia Zanom
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
O Duque e Eu (The Duke and I, 2000) é o primeiro livro da série Os Bridgertons, da escritora norte-americana e best-seller: Julia Quinn (que na verdade é o pseudônimo de Julie Pottinger). A série conta com 9 livros, sendo que, como a família Bridgerton é grande, cada livro vai trazer a história de um membro diferente. A Netflix comprou os direitos para a adaptação da série.

Antes de começar a falar desse livro é de suma importância dizer que a família Bridgerton é grande e conta com a viúva Lady Violet e seus oito filhos todos batizados em ordem alfabética de acordo com seu nascimento, assim temos: Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth.

O amor por aquela mulher inundou seu peito, fez os dedos de suas mãos formigarem e o deixou sem fôlego.


Nesse primeiro volume, O Duque e Eu, vamos acompanhar de perto Daphne Bridgerton, que é a quarta filha e está na idade de casar, então sua mãe - como tem muitos filhos para casar - está sempre em busca de um esposo para a filha, não é à toa que sempre a está levando para os eventos sociais para que surjam pretendentes.

Essa situação é absolutamente constrangedora para Daphne, que pode querer casar, mas anseia para que isso aconteça de forma natural. É nesse meio tempo que ela vai esbarrar com o duque de Hastings, mais conhecido como Simon Basset, e um dos melhores amigos de seu irmão Anthony, que está de volta ao país.

Eu quero um marido. Uma família. Não é tão bobo quando se pensa nisso. Sou a quarta de oito filhos. Só conheço famílias grandes. Não sei se saberia existir fora de uma.


Esse encontro parece que veio em um momento bastante oportuno, pois enquanto Daphne quer fugir da situação constrangedora da mãe estar correndo atrás de um marido para ela; o duque quer fugir dar mães que querem que ele case com suas filhas, o que também é embaraçante, até porque ele tem como máxima de vida não se casar.

Pronto. O clichê está formado: os dois vão unir forças e inventar para a sociedade que estão interessados um no outro, porém com o passar do tempo a linha entre o fingimento e a realidade (de ambos estarem se apaixonando um pelo outro) vai ficando cada vez mais tênue.

Só que é exatamente quando o amor surge realmente que a relação dos dois fica tensa, pois Daphne quer casar e ter filhos com Simon, e ele por conta de seu passado, não aceita seguir esses "passos tão naturais". Porém, o duque não pode negar que desde o momento que pôs os olhos em Daphne ele a desejou loucamente.

Simon olhou para ela com intensidade. Um sinal de alerta soou em sua mente. Ele a queria. Queria com tanto desespero que estava completamente tenso, mas jamais poderia sequer chegar a tocá-la. Porque fazer isso seria destruir todos os sonhos dela, e, libertino ou não, ele não saberia ao certo se conseguiria olhar-se no espelho de novo se fizesse isso.


O Duque e Eu vai nos colocar diante de inúmeras cenas clichês, mas também vai explorar cada detalhe do psicológico e emocional dos personagens, bem como o retrato da sociedade da época.

Se de um lado Daphne vai ter que lidar com os sentimentos e problemas de Simon, também terá que lidar com seus irmãos e toda a sociedade que não perde a oportunidade de "fofocar", principalmente por conta das notícias que a "anônima" Lady Whistledown divulga em seu folhetim (Crônicas da Sociedade de Lady Whistledown). Um detalhe importante acerca desses folhetins é que é a partir da data de publicação deles que ficamos a par do ano em que a narrativa acontece, que é 1813, e a duração de meses em que os fatos se desenrolam.

Por outro lado, Simon, também, não terá um caminho de flores, pois seus conflitos pessoais, os desejos, a família Bridgertons são muitas coisas para assimilar, sobretudo quando ele teve uma vida tão solitária e agora ter que lidar com uma família tão unida.

Simon percebeu que ambos estavam presos. Presos pelas convenções e expectativas da sociedade.

Nunca pensei que fosse me envolver tanto com O Duque e Eu, até porque não tenho tanto hábito de ler romances de época, mas esse livro foi escrito com tanta emoção, trouxe personagens tão perfeitos, um enredo tão reflexivo e foi construído com uma narrativa tão fluida  e engraçada que não tem como não se envolver, se importar e se encantar com a história.

Porém, claro que o volume não é perfeito, ocorreram coisas, principalmente uma cena com a Daphne, que me incomodou e achei que não precisava daquilo, porém avaliando como a situação era naquele tempo acho que por Julia Quinn ter invertido os papéis isso chega a incomodar, creio que é por isso que a cena tem tantas críticas dos leitores, porém, também fico refletindo que se fosse o Simon "protagonizando", muita gente teria passado o pano, né?

Outro detalhe super "calorzinho no coração" é o Epílogo que se passa em 1817, ou seja, 4 anos depois dos acontecimentos dessa história e podemos ter um "vislumbre" de como anda a vida de Daphne com Simon e dos próprios Bridgertons.

Já me sinto vibrante para ler o segundo volume da série!

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas


Livros da Série OS BRIDGERTONS:
1. O Duque e Eu
2. O Visconde que me Amava
3. Um Perfeito Cavalheiro
4. Os Segredos de Colin Bridgerton
5. Para Sir Phillip, com Amor
6. O Conde Enfeitiçado
7. Um Beijo Inesquecível
8. A Caminho do Altar
9. E Viveram Felizes Para Sempre

Resenha: O Duque e Eu (Os Bridgertons - vol.1) - Julia Quinn

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Notre-Dame Ken Follett

Notre-Dame: A História de Uma Catedral, Ken Follett. São Paulo: Arqueiro, 2020, 112 págs.
Tradução: Bruno Fiuza e Roberta Clapp
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Notre-Dame (2019) é um livro de não-ficção escrito pelo famoso escritor britânico Ken Follett. O autor é mundialmente famoso por escrever livros de ficção histórica e uma de suas obras mais famosas é Os Pilares da Terra, que, inclusive, sofreu uma adaptação para série.

Apesar de há muito tempo ter vontade de ler Ken Follett nunca me aventurei por nenhum de seus escritos, então, quando surgiu a oportunidade de ler Notre-Dame, não pensei duas vezes em me jogar na leitura, mesmo sabendo que era um livro de não-ficção.

Resenha: Notre-Dame: A História de Uma Catedral - Ken Follett

segunda-feira, 11 de maio de 2020



O Segredo de Helena, Lucinda Riley, São Paulo: Arqueiro, 2018, 480 págs.
Tradução: Vera Ribeiro
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
O Segredo de Helena (The Olive Tree, 2016) é mais um livro da escritora irlandesa Lucinda Riley, que já conta com vários livros publicados no Brasil, inclusive há duas resenhas de livros dela aqui no blog: A Casa das Orquídeas e A Carta Secreta.

Lucinda Riley é mundialmente conhecida por escrever livros de ficção histórica, ou seja, livros em que uma boa parte da narrativa se passa no passado em algum evento histórico e outra parte se passa no presente/contemporaneidade, como uma "consequência" do que aconteceu no passado.

Resenha: O Segredo de Helena - Lucinda Riley

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Saudações Leitores!
O Mês de Março começou e já vem trazendo várias novidades, portanto, vim trazer para vocês os lançamentos da Editora Arqueiro, com certeza vocês vão babar... por aqui, minha wishlist já aumentou.

O que acontece em Londres
Julia Quinn
ISBN: 978-85-306-0136-2
Gênero: Ficção – Romance de época
Formato: 16 x 23 cm | Páginas: 288
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Quando Olivia Bevelstoke ouve o boato de que Harry Valentine, seu novo vizinho, matou a própria noiva, não acredita nisso nem por um segundo.
Ainda assim, só por via das dúvidas, decide espioná-lo. Arruma um lugar perto da janela do quarto, se esconde atrás da cortina e passa a observá-lo. Logo descobre um homem muito intrigante, que definitivamente está tramando algo.
Sir Harry Valentine trabalha para o gabinete mais sem graça do Departamento de Guerra inglês, traduzindo documentos vitais para a segurança nacional. Apesar de não atuar como espião, passou por todo o treinamento para ser um. Por isso, percebe imediatamente que sua linda vizinha está seguindo seus passos pela janela.
Assim que chega à conclusão de que ela é apenas uma debutante bisbilhoteira, Harry descobre que a jovem está sendo cortejada por um príncipe estrangeiro suspeito de conspirar contra a Inglaterra.
Agora ele precisa espioná-la oficialmente, e logo fica claro que a maior risco que Olivia representa é fazê-lo se apaixonar...

Lançamento: O que acontece em Londres... e outros livros

terça-feira, 3 de março de 2020


Tempo de Regresso, Kristin Hannah, São Paulo: Editora Arqueiro, 2019, 336 págs.
Tradução: Mariana Serpa
COMPRAR: AmazonOutras Lojas

Saudações Leitores!
Tempo de Regresso (Between Sisters, 2003), escrito pela autora norte-americana best-seller Kristin Hannah é um livro impossível de terminar a leitura de forma indiferente. Absolutamente sensitivo, emocionante e comovedor, veio a somar a outros dois livros que li da escritora Amigas para Sempre e As Cores da Vida.

Aqui e acolá acabo me deparando com livros que me emocionam e comovem, mas somente alguns me levam às lágrimas e Tempo de Regresso  conseguiu me fazer chorar em suas páginas.

Resenha: Tempo de Regresso - Kristin Hannah

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Instagram