SOCIAL MEDIA

Mostrando postagens com marcador Julia Quinn. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Julia Quinn. Mostrar todas as postagens
Para Sir Phillip, com Amor. Julia Quinn. São Paulo: Editora Arqueiro 2015, 288 págs. 
Tradução: Viviane Diniz
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!

Para Sir Phillip, com Amor (To Sir Phillip, with Love, 2003), de Julia Quinn, é o 5º livro da série Os Bridgertons, precedido por O Duque e Eu, O Visconde que Me Aamava, Um Perfeito Cavalheiro e Os Segredos de Collin Bridgerton. Nesse volume, vamos acompanhar de pertinho a história de Eloise Bridgerton que, diga-se de passagem, é minha Bridgerton feminina favorita até agora.

A história de Eloise traz as características marcantes da personagens como o fato de querer resolver suas coisas sozinhas, embarcar numa jornada para conhecer alguém com quem poderá casar, o enfrentamento dos desafios que vão surgindo, contudo, no meio da narrativa algumas coisas vão se perdendo, como a própria habilidade de falar o que pensa: Eloise parece que fica travada na presença de seu par romântico: Sir Phillip Crane e acabava não sendo tão comunicativa e animada quanto foi nos livros anteriores da série.

"Será que isso era pedir muito em uma esposa? Um sorriso, pelo menos uma vez por dia? Talvez até mesmo uma gargalhada? Ela precisava amar os filhos dele. Ou pelo menos fingir tão bem que os dois nunca soubessem a diferença. Não era pedir muito, era?"

Estou me antecipando muito, deixem-me situá-los a cerca do enredo de  Para Sir Phillip, com Amor, pois aqui a narrativa começa - tal como nos livros anteriores - com um prólogo destinado a nos "apresentar" o par romântico do Bridgerton, no caso: Sir Phillip. É nesse prólogo que sabemos que ele é viúvo, sua falecida esposa, Marina, era uma mulher muito melancólica e com sua morte Phillip ficou com dois filhos (Oliver e Amanda) para criar sozinho. 

Os filhos representam uma grande preocupação para o pai que não sabe como se aproximar deles e ao mesmo tempo reconhece que os dois são mal-educados e duas "pestinhas" travessas, tanto é que não há uma babá que aguente ficar muito tempo cuidando delas sem se demitir.

Então, Phillip acaba decidindo que precisa se casar novamente para dar uma mãe para seus filhos e eles poderem ter uma referência de família, de modo que, quando ele começa a se comunicar por cartas com Eloise (e já sabemos que Eloise está trocando cartas com alguém desde o livro passado), ele vê uma oportunidade de contrair matrimônio e dar uma mãe para os filhos, sendo que ele acaba apenas desejando uma mulher que seja uma boa mãe (essa era a prioridade dele) e cumpra com as obrigações matrimoniais, sem a necessidade de haver um grande amor envolvido.

"Os sonhos dela não passavam disso: sonhos. Ilusões, coisas que criara. se ele não era quem esperava, a culpa era só dela. Vinha ansiando por algo que nem mesmo existia."

Já Eloise, vai ao encontro de Sir Phillip em busca de um amor e fica óbvio o quanto se frustra por perceber que o homem tão atencioso das cartas, não é o mesmo que encontra na vida real, ainda mais quando descobre que ele tem dois filhos e nunca os mencionou nas cartas trocadas.

É evidente que, mesmo sendo a Bridgerton menos passional, ao ver sua melhor amiga Penélope casando-se com seu irmão e ter outras várias referências de amor em sua vida ela busca por esse sentimento tão belo e altruísta, mas fica difícil quando ela percebe que decorou todas as cartas de Phillip e ele não lembra de nada do que escreveu; para intensificar a frustração, Eloise percebe que Phillip não lhe dá atenção, ficando trancado o dia todo trabalhando na estufa, ignorando também seus filhos e suas travessuras.

"Mas gratificante, também. Ela fizera uma coisa maluca ao fugir de casa no meio da noite esperando encontrar a felicidade com um homem que nunca vira. Era um alívio pensar que talvez tudo aquilo não tivesse sido um engano completo, que talvez ela tivesse vencido a aposta que fizera com o destino."

Portanto, conquistar o coração desse homem não será uma tarefa fácil para Eloise, tão pouco será fácil cativar Oliver e Amanda, mas ela vai se esforçar ao máximo. Porém, é claro que vamos ter uma pequena confusão nesse volume.

Ao perceberem a fuga da irmã, os homens do clã Bridgerton saem em sua caçada e para proteger a honra e o nome da família agora exigem que Phillip se case com Eloise, isso vai deixar a atmosfera mais carregada, os sentimentos abalados e decisões deverão ser tomadas.

Ao passo que Eloise e Phillip vão se conhecendo, também surge um sentimento muito bonito entre os dois, ambos vão começar a se abrir um para o outro - mesmo com as relutâncias iniciais -, além do mais, teremos uma química muito grande entre Eloise e Phillip que irá render cenas de sensualidade ao livro.

"Ele a amava. Não tinha procurado o amor, nem se preocupara com isso, mas ali estava ele, e era a coisa mais preciosa que Phillip podia imaginar."

Para Sir Phillip, com Amor é um dos primeiros livros de Julia Quinn que não vejo ser tão problemático como os anteriores, apesar de ter uma coisa aqui e acolá que pode deixar o leitor com o pé atrás, sobretudo com as atitudes dos irmãos Bridgertons, mas eram costumes da época então temos que contextualizar esse recorte de época que é muito diferente de nossa contemporaneidade.

Realmente, amei a leitura de Para Sir Phillip, com Amor, de modo que é um livro bem leve, fofo e deixa várias reflexões sobre família, maternidade, amor, etc.. Porém, devo ser honesta e admitir que esperei um pouco mais de romance, drama, sensualidade, irreverência, audácia e humor no livro de Eloise, já que essas eram características da personagem que não foram exploradas aqui. Uma pena.

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Para Sir Phillip, com Amor (Os Bridgertons - vol. 5) - Julia Quinn (resenha)

segunda-feira, 8 de março de 2021

Os Segredos de Colin Bridgerton (Os Bridgertons - vol. 4),  Julia Quinn. São Paulo: Editora Arqueiro, 2014, 336 págs.
Tradução: Cláudia Guimarães
COMPRAR: AmazonOutras Lojas

Saudações Leitores!
Os Segredos de Colin Bridgerton (Romancing Mister Bridgerton, 2002), de Julia Quinn, trata-se do 4º volume da série Os Bridgertons e, este volume, é considerado por muitos leitores como o melhor de toda a série. Não sei se o considerarei O MELHOR quando finalizar a série, mas posso afirmar, categoricamente, que ele é um dos mais fundamentais e definitivos volumes porque traz vários esclarecimentos.

Aliás, de você ainda não conferiu resenha dos volumes anteriores confira: O Duque e Eu, O Visconde que Me Amava, Um Perfeito Cavalheiro.

Resenha: Os Segredos de Colin Bridgerton (Os Bridgertons - vol. 4) - Julia Quinn

sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Um Perfeito Cavalheiro (Os Bridgertons - vol. 3), Julia Quinn. São Paulo: Arqueiro, 2014, 304 págs.
Tradução: Cássia Zanon
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
Um Perfeito Cavalheiro (An Offer from a Gentleman, 2001) é o terceiro volume da famosa série da escritora bestseller norte americana Julia Quinn: Os Bridgertons (composta por 9 livros) que este ano resolvi desbravar como um projeto pessoal de "ler mais romances de época" e MEU.DEUS.DO.CÉU! Estou encontrando nesta série uma leitura fluida, agradável e que me deixa com um sorriso bobo no rosto, tem coisa melhor?

Se você ainda não viu, aqui no blog já tem veredito de O Duque e Eu e de O Visconde que Me Amava, os dois primeiros volumes da séries, respectivamente e creio que vale a pena conferir.

Resenha: Um Perfeito Cavalheiro (Os Bridgertons - vol. 3) - Julia Quinn

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

O Visconde que Me Amava (Os Bridgertons, vol. 2), Julia Quinn. São Paulo: Arqueiro, 2013, 304 págs.
Tradução: Ana Resende
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
O Visconde que Me Amava  (The Viscount who Loved me, 2000) da escritora best-seller norte-americana, Julia Quinn, é o segundo volume da série (com 9 livros) Os Bridgertons, precedido por O Duque e Eu.

No livro anterior acompanhamos a história de Daphne Bridgerton, já em O Visconde que Me Amava, o Bridgerton que vamos conhecer é o mais velho e chefe da família: Anthony. Como já me apaixonei por todos os irmãos e inclusive pela mãe (lady Violet Bridgerton) estava bem curiosa e empolgada para ler este volume.

Resenha: O Visconde que Me Amava (Os Bridgertons - vol. 2) - Julia Quinn

segunda-feira, 6 de julho de 2020

O Duque e Eu (Os Bridgertons, vol. 1), Julia Quinn. São Paulo: Arqueiro, 2013. 288 págs.
Tradução: Cássia Zanom
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
O Duque e Eu (The Duke and I, 2000) é o primeiro livro da série Os Bridgertons, da escritora norte-americana e best-seller: Julia Quinn (que na verdade é o pseudônimo de Julie Pottinger). A série conta com 9 livros, sendo que, como a família Bridgerton é grande, cada livro vai trazer a história de um membro diferente. A Netflix comprou os direitos para a adaptação da série.

Antes de começar a falar desse livro é de suma importância dizer que a família Bridgerton é grande e conta com a viúva Lady Violet e seus oito filhos todos batizados em ordem alfabética de acordo com seu nascimento, assim temos: Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth.

O amor por aquela mulher inundou seu peito, fez os dedos de suas mãos formigarem e o deixou sem fôlego.


Nesse primeiro volume, O Duque e Eu, vamos acompanhar de perto Daphne Bridgerton, que é a quarta filha e está na idade de casar, então sua mãe - como tem muitos filhos para casar - está sempre em busca de um esposo para a filha, não é à toa que sempre a está levando para os eventos sociais para que surjam pretendentes.

Essa situação é absolutamente constrangedora para Daphne, que pode querer casar, mas anseia para que isso aconteça de forma natural. É nesse meio tempo que ela vai esbarrar com o duque de Hastings, mais conhecido como Simon Basset, e um dos melhores amigos de seu irmão Anthony, que está de volta ao país.

Eu quero um marido. Uma família. Não é tão bobo quando se pensa nisso. Sou a quarta de oito filhos. Só conheço famílias grandes. Não sei se saberia existir fora de uma.


Esse encontro parece que veio em um momento bastante oportuno, pois enquanto Daphne quer fugir da situação constrangedora da mãe estar correndo atrás de um marido para ela; o duque quer fugir dar mães que querem que ele case com suas filhas, o que também é embaraçante, até porque ele tem como máxima de vida não se casar.

Pronto. O clichê está formado: os dois vão unir forças e inventar para a sociedade que estão interessados um no outro, porém com o passar do tempo a linha entre o fingimento e a realidade (de ambos estarem se apaixonando um pelo outro) vai ficando cada vez mais tênue.

Só que é exatamente quando o amor surge realmente que a relação dos dois fica tensa, pois Daphne quer casar e ter filhos com Simon, e ele por conta de seu passado, não aceita seguir esses "passos tão naturais". Porém, o duque não pode negar que desde o momento que pôs os olhos em Daphne ele a desejou loucamente.

Simon olhou para ela com intensidade. Um sinal de alerta soou em sua mente. Ele a queria. Queria com tanto desespero que estava completamente tenso, mas jamais poderia sequer chegar a tocá-la. Porque fazer isso seria destruir todos os sonhos dela, e, libertino ou não, ele não saberia ao certo se conseguiria olhar-se no espelho de novo se fizesse isso.


O Duque e Eu vai nos colocar diante de inúmeras cenas clichês, mas também vai explorar cada detalhe do psicológico e emocional dos personagens, bem como o retrato da sociedade da época.

Se de um lado Daphne vai ter que lidar com os sentimentos e problemas de Simon, também terá que lidar com seus irmãos e toda a sociedade que não perde a oportunidade de "fofocar", principalmente por conta das notícias que a "anônima" Lady Whistledown divulga em seu folhetim (Crônicas da Sociedade de Lady Whistledown). Um detalhe importante acerca desses folhetins é que é a partir da data de publicação deles que ficamos a par do ano em que a narrativa acontece, que é 1813, e a duração de meses em que os fatos se desenrolam.

Por outro lado, Simon, também, não terá um caminho de flores, pois seus conflitos pessoais, os desejos, a família Bridgertons são muitas coisas para assimilar, sobretudo quando ele teve uma vida tão solitária e agora ter que lidar com uma família tão unida.

Simon percebeu que ambos estavam presos. Presos pelas convenções e expectativas da sociedade.

Nunca pensei que fosse me envolver tanto com O Duque e Eu, até porque não tenho tanto hábito de ler romances de época, mas esse livro foi escrito com tanta emoção, trouxe personagens tão perfeitos, um enredo tão reflexivo e foi construído com uma narrativa tão fluida  e engraçada que não tem como não se envolver, se importar e se encantar com a história.

Porém, claro que o volume não é perfeito, ocorreram coisas, principalmente uma cena com a Daphne, que me incomodou e achei que não precisava daquilo, porém avaliando como a situação era naquele tempo acho que por Julia Quinn ter invertido os papéis isso chega a incomodar, creio que é por isso que a cena tem tantas críticas dos leitores, porém, também fico refletindo que se fosse o Simon "protagonizando", muita gente teria passado o pano, né?

Outro detalhe super "calorzinho no coração" é o Epílogo que se passa em 1817, ou seja, 4 anos depois dos acontecimentos dessa história e podemos ter um "vislumbre" de como anda a vida de Daphne com Simon e dos próprios Bridgertons.

Já me sinto vibrante para ler o segundo volume da série!

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas


Livros da Série OS BRIDGERTONS:
1. O Duque e Eu
2. O Visconde que me Amava
3. Um Perfeito Cavalheiro
4. Os Segredos de Colin Bridgerton
5. Para Sir Phillip, com Amor
6. O Conde Enfeitiçado
7. Um Beijo Inesquecível
8. A Caminho do Altar
9. E Viveram Felizes Para Sempre

Resenha: O Duque e Eu (Os Bridgertons - vol.1) - Julia Quinn

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Instagram