Resenha: “Mulherzinhas” de Louise May Alcott

Saudações Leitores!
Trago-lhes hoje a resenha de um livro que me encantou de uma maneira muito singular pela ingenuidade tão exaltada no livro, achei-o muito delicado. Devo salientar, no entanto, que o principio da leitura achei enfadonha, mas depois se desenvolveu bem. Encantei-me com cada uma das "Mulherzinhas", mas já elegi minha preferida: Jo. 
Antes de expor a resenha quero agradecer a Editora parceira Martin Claret pelo envio do livro: Obrigada! Quero aproveitar também para pedir para todos os visitantes e seguidores do DLL Ficarem atentos porque vou fazer uma promoção desse livro, só não sei exatamente quando irei disponibilizar, pois minha vida está uma loucura devido as provas da faculdade...


Mulherzinhas, Louise May Alcott, São Paulo: Martin Claret, 2011, 256 pág. (traduzido por Alex Marins)

Escrito por Louise May Alcott que nasceu em 1832 na Pensilvânia, Mulherzinhas, ou Little Women foi publicado em 1868 e tem um caráter autobiográfico, pois Louise escreveu um “livro para moças” como dizia na época, inspirado em sua própria experiência da infância e adolescência.
A história se passa durante a Guerra Civil Norte-Americana e o enredo gira em torna de quatro irmãs: Meg (17 anos), Jo (16 anos), Beth (14 anos) e Amy (13 anos), cada uma das irmãs tem uma característica própria e bem peculiar tornando-as totalmente diferente umas das outras. Meg, tem inclinação a vaidade e ao luxo; Jo, gostaria de ser menino, é uma devoradora de livros e amante das letras (Jo é a minha personagem favorita no livro, até porque me identifiquei muitíssimo com ela); Beth, é considerada um anjinho por ser a mais bondosa e caridosa das irmã, tem paixão por música; e Amy, a mais nova é também a mais egoísta e tem inclinação para o desenho, pintura, enfim para a arte.
Inicialmente sabemos que as personagens viviam no seio de uma família com posses, mas que depois começa a passar por necessidades e para completar o Sr. March (pai das mulherzinhas) vai combater na guerra e a casa fica aos cuidados da Sra. March que tenta ensinar e cuidar das filhas. Assim, durante a obra vamos nos deparando, constantemente, com a evolução e o aprendizado das quatro irmãs.
De inicio o livro não me despertou tanto interesse, mas após o aparecimento do Sr. Laurence e de seu neto Laurie, a história fica melhor, apesar ainda de ser muito ingênua para o nosso tempo é perfeitamente compreensível que à época de sua publicação ela tenha obtido um sucesso de vendas muito grande devido aos conceitos morais e éticos vigentes. Foi tanto o sucesso da obra que Louise escreveu uma continuação para ela em 1969 intitulada "Good Wives", mas não sei se foi ou não traduzido e editado aqui no Brasil (acredito que não, pois não achei nada da internet que aludisse a esse fato).
É impossível dizer que Mulherzinhas, não é um livro cativante, pois de fato, é. E aborda questões de suma importância referentes ao âmbito social e familiar, demonstrando tais conhecimentos no cotidiano de cada uma das irmãs. O romance é de uma delicadeza singular, mas como disse anteriormente é deverás muito ingênuo para a atualidade, contudo acredito que a leitura dos clássicos servem de retrato da sociedade e como exemplos.
Em suma, a linguagem utilizada por Louise é maravilhosa, a história é simples, mas é um manual maravilhoso de bom comportamento e boas maneiras para as moças. Apesar de achar que nem todos apreciam esse tido de história de cunho moral, cívico, religioso e filosófico, acredito que quem tiver interesse essa é uma leitura mais do que indicada!

Camila Márcia

16 comentários:

  1. Oie, acabei de conhecer seu blog e o achei lindo demais... já estou seguindo.
    Adorei essa resenha. Fiquei com vontade de ler!

    Beijinhux

    ResponderExcluir
  2. Olá, Mila.
    Apesar de ser um clássico, não conhecia o livro - eu acho. De fato não me interessou, mas é um clássico e merece destaque né?
    Ótima resenha, Mila.

    Beijos
    Ricardo - www.overshock.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Aii já amei de cara. Questões de relacionadas com o social, cívico e ainda filosófico...adoroo! Gostei muito da sua resenha, mas uma para minha lista de favoritos!^^
    Beijocas!
    http://palomaviricio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Amei a resenh, já fiquei com vontade de ler....Eu queroooo.

    ResponderExcluir
  5. A resenha está impecável Mila. Conheço o livro e é, deverá maravilhoso. De fato, o livro também é um tanto quanto ingênuo para a nossa contemporaneidade, mas na época em que ele foi escrito era completamente atual e, creio, ainda hoje é, pois os valores pregados na obra continuam os mesmos, pena quem nem todos o seguem.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Fiquei interessada pelo livro e ainda da Martin Claret, adoooro o formato bolso que a gente pode levar pra todo lugar eeeeee... sei que a diagramação é muito boa. Um clássico, ora, deve ser bom...

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Posso contar nos dedos os 'clássicos' que gosto. Esse livro, por exemplo, tenho certeza que não iria gostar. De qualquer forma, sua resenha ficou maravilhosa, estou encantado. Estou seguindo seu blog.

    Beijos sua linda!

    ResponderExcluir
  8. Clássicos não costumam me agradar. Para ser franca, eu nunca li um clássico. Desde pequena nunca gostei. Ignorância de minha parte, claro; devemos abrir a mente para novas experiências. Mas até hoje não li nenhum. Acho que sempre fui muito objetiva - amo ou odeio. Porém estou lendo muitas resenhas ótimas de vários tipos de clássicos. Pretendo ingressar em leituras diferenciadas, isso é bom. É a segunda resenha que leio de 'Mulherzinhas'. Achei bem interessante. Talvez eu tenha a oportunidade de lê-lo.. e surpreender-me é claro!

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Nossa Milla,amei,que legal esse livro!!!! Parece ser bacana demais pra ler em uma tarde fria com uma caneca de chá!!!!

    ResponderExcluir
  10. Parece ser muito bom! Preciso ler, tipo JÁ! :)

    Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  11. Nossa, adorei a sua resenha e fiquei interessada em ler esse livro.
    Parece ser muito bom mesmo.

    Beijos,
    Rafa

    ResponderExcluir
  12. Ótima resenha e ótimo clássico, parece ser das éras vitorianas, adorei =D

    ResponderExcluir
  13. Ainda não tive a oportunidade de ler este clássico.
    Achei interessante a sua resenha, Camila. Parabéns! :)
    Gostei dos temas que o livro aborda (mesmo não sendo o gênero que mais curto), mas creio que vale a pena ler, com certeza!

    Beeijo

    ResponderExcluir
  14. Os clássicos da Martin Claret são sempre um show, adoro pelo simples fato de poder comparar as diferenças entre a sociedade no passado e atual, as diferenças são gritantes. Livros de época, pelo que percebi exercem isso na gente: a princípio não é tão convidativo, mas se insistimos na leitura, vamos descobrir maravilhas ali.

    http://leiturasdepaty.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Sabe... estou começando a amar os "clássicos" :x
    Já li uns incríveis, outros nem tanto, mas nunca ouvi fala desse.

    Gostei de sua empolgação ao nos contar um pouco sobre ele e espero estar do mesmo jeito depois de lê-lo xD

    Abraços...

    Isabele Alves
    @L_Recomendados
    http://livros-recomendados.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. OLÁ...ADOREI EU LI ESTE LIVRO QUANDO AINDA ADOLESCENTE...TOMEI EMPRESTADO NA BIBLIOTECA DA MINHA ESCOLA...HOJE SENHORA MÃE AVÓ...QUERO LER E TE-LO PARA MIN...COMPARTILHAR COM MINHA FILHAS...SOBRINHAS E NETAS...<3...:)

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!