Resenha: “Fábulas Perversas” de Dimas Carvalho

Saudações Leitores!
Li outro livro do mesmo autor de Insônias, Delirios, Pesadelos, Dimas Carvalho (inclusive quero agradecê-lo pelo exemplar de seu livro). Livro em que pude comprovar mais uma vez o grande talento do autor. Já faz algum tempo que o li, mas só agora estou disponibilizando a resenha, espero que gostem. Confiram!


Fábulas Perversas, Dimas Carvalho, Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2011, 100 pág.

Fábulas Perversas”, do escritor cearense Dimas Carvalho, trata-se de uma coletânea de contos. Dimas nasceu em Acaraú, tem alguns livros publicados, leciona na Universidade Estadual Vale do Acaraú em Sobral e faz parte da Academia Sobralense de Estudo e Letras.
Essa coletânea apresenta 54 contos curtíssimos cujas temáticas são bastante variadas, mas em geral são sempre enigmáticos e quase como se fossem realidades oníricas, fazendo o leitor ficar, além de curioso, cheio de dúvidas. Os contos apresentam uma linguagem fluida capaz de prender o leitor do princípio ao fim.
Como são 54 contos e alguns sendo tão curtos (que não ultrapassam três linhas) é impossível falar de todos, mas alguns que eu me chamaram bastante atenção na leitura foram: “Desaniversário”, “O Manuscrito”, “Finnegans Wake”, “O Senhor Antônio”, “É sempre Assim”, “Nada, sempre”, “Os doze trabalhos de Gabriel”, “Chamado”, “Entrevista à meia-noite”, “Ordem e progresso”, “As pérolas e os porcos”, “A lição”, “De um diário de bordo”, “O Castelo”, “Branca de Neve e os sete gigantes”, “Quarentena”, “O prisioneiro”.
A forma como Dimas Carvalho conduz a narrativa é muito prazerosa que em poucas horas o leitor ‘devora’ seu livro sem ao menos se dar conta!
Definitivamente, acredito que quem tiver a oportunidade de ler “Fábulas Perversas” não pode deixar passa-la. Com certeza irão apreciar – de tal forma que é quase impossível se eleger um conto como favorito, pois todos são ótimos!

Segue aqui abaixo alguns dos contos mais curtos do livro:

Ordem e progresso
_ Seja breve – ordenou o Rei.
_ Sim, Majestade_ retrucou o General. Enquanto o liquidava com um único tiro na testa. (p.42)

As pérolas e os porcos
_ A repetição do óbvio alegra os imbecis_ bradou o Profeta.
_Ó Mestre, _uivaram os energúmenos_ repeti vossas sábias palavras. (p.43)

A lição
Trovejou o Profeta:
_ Amai as dúvidas!
_ E o silêncio... _murmurou o discípulo. (p.44)


Camila Márcia

4 comentários:

  1. Nada como férias para poder voltar a ler sinopse, livros e tantos textos. kk

    ResponderExcluir
  2. não li nenhum livro deste autor ainda!
    parece ser um livro muito bom vendo pela sinopse, mas a capa podia ser mais legalzinha né? rsrs

    ResponderExcluir
  3. Olá, Mila.
    Quando você comentou sobre o outro livro do Dimas eu achei bem bacana, mas dessa vez chamou ainda mais a atenção. De um tempo pra cá, passei a me interesser por esses contos curtos (como o Cem Toques Cravados), que é uma ideia muito bacana. Aliás, gostei desses três que você colocou.

    Beijos e parabéns pela resenha.
    Ricardo - www.overshock.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. não li nenhum livro deste autor ainda!, mas gosto de contos e principalmente os mais curtinhos, pois deixam um gostinho de quero. espero conhecer o trabalho desse autor brasileiro

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!