Indicações 11#

Saudações Leitores!
Apesar de eu ter colocado essa coluna como mensal, faz alguns meses que ela não dá o "ar da graça", mas quem me segue pelas redes sociais (twitter, face, skoob, etc) estão a par da correria da minha vida: final de faculdade: monografia - provas etc. Outros compromissos que não posso faltar, estou meio dividida entre duas cidades, passo a semana toda peregrinando de uma para outra, enfim... isso não vem ao caso.
Hoje vou fazer alguns indicações literárias de minhas ultimas leituras. Fiz uma seleção e disponibilizo abaixo, espero auxiliar ou tirar as dúvidas de vocês na escolha dos livros que irão ler:

O primeiro livro que vou indicar é A Casa das Orquídeas (resenha AQUI), o livro é um pouco volumoso, mas a história é tão boa que você vai virando as páginas e quando percebe já chegou ao fim. Eu gostei bastante desse livro, porque além de trazer personagens bem estruturados apresenta uma história dentro de outra história e eu sou fascinada por narrativas assim e para completar a autora, Lucinda Riley, escreve muito bem.


Quando criança, a pianista Júlia Forrester passava seu tempo na estufa da propriedade de Wharton Park, onde flores exóticas cultivadas pelo seu avô nasciam e morriam com as estações.
Agora, recuperando-se de uma tragédia na família, ela busca mais uma vez o conforto de Wharton Park, recém-herdada por Kit Crawford, um homem carismático que também tem uma história triste. No entanto, quando um antigo diário é encontrado durante uma reforma, os dois procuram a avó de Júlia para descobrirem a verdade sobre o romance que destruiu o futuro de Wharton Park…
E, assim, Júlia é levada de volta no tempo, para o mundo de Olívia e Harry Crawford, um jovem casal separado cruelmente pela Segunda Guerra Mundial, cujo frágil casamento estava destinado a afetar a felicidade de muitas gerações, inclusive da de Júlia.



Outro livro que não poderia deixar de indicar é O Melhor de Mim (resenha AQUI), escrito por Nicholas Sparks, acredito que todo leitor já tenha ouvido falar deste autor que é um consagrado best-seller, eu não poderia deixar de indicá-lo, pois a história é bastante envolvente e a narrativa cativante, ademais tem o estilo 'sparkiano', quem já leu algum romance do autor deve saber do que estou falando. É impossível não correr algumas lágrimas!

Na primavera de 1984, os estudantes Amanda Collier e Dawson Cole se apaixonaram perdidamente. Embora vivessem em mundos muito diferentes, o amor que sentiam um pelo outro parecia forte o bastante para desafiar todas as convenções de Oriental, a pequena cidade em que moravam. Nascido em uma família de criminosos, o solitário Dawson acreditava que seu sentimento por Amanda lhe daria a força necessária para fugir do destino sombrio que parecia traçado para ele. Ela, uma garota bonita e de família tradicional, que sonhava entrar para uma universidade de renome, via no namorado um porto seguro para toda a sua paixão e seu espírito livre. Infelizmente, quando o verão do último ano de escola chegou ao fim, a realidade os separou de maneira cruel e implacável. Vinte e cinco anos depois, eles estão de volta a Oriental para o velório de Tuck Hostetler, o homem que um dia abrigou Dawson, acobertou o namoro do casal e acabou se tornando o melhor amigo dos dois. Seguindo as instruções de cartas deixadas por Tuck, o casal redescobrirá sentimentos sufocados há décadas. Após tanto tempo afastados, Amanda e Dawson irão perceber que não tiveram a vida que esperavam e que nunca conseguiram esquecer o primeiro amor. Um único fim de semana juntos e talvez seus destinos mudem para sempre. Num romance envolvente, Nicholas Sparks mostra toda a sua habilidade de contador de histórias e reafirma que o amor é a força mais poderosa do Universo - e que, quando duas pessoas se amam, nem a distância nem o tempo podem separá-las.

Vocês gostam de romances que trazem lindas cartas de amor? Se você é como eu (que gosta) então indico A Última Carta de Amor (resenha AQUI), da Jojo Moyes. Este livro além de trazer cartas apaixonadas, conta uma história de amor linda e também (como em A Casa das Orquídeas) ficamos a par de duas histórias que serão contadas no decorrer dos capítulos. Quero frisar novamente que eu aprecio bastante livros assim. 

Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente de carro, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. Novamente em casa, com o marido, ela tenta sem sucesso recuperar a memória de sua antiga vida. Por mais que todos à sua volta pareçam atenciosos e amáveis, Jennifer sente que alguma coisa está faltando. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por “B”, e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante. Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalha. Obcecada pela ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido — em parte por estar ela mesma envolvida com um homem casado —, Ellie começa a procurar por “B”, e nem desconfia que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas de seu próprio relacionamento. Com personagens realísticos complexos e uma trama bem-elaborada, A última carta de amor entrelaça as histórias de paixão, adultério e perda de Ellie e Jennifer. Um livro comovente e irremediavelmente romântico.

Como também sou fã de livros que apesar de serem ficção retraram um momento histórico e acredito que alguns dos leitores do DLL também são, venho indicar o livro O Menino do Pijama Listrado (resenha AQUI), de John Boyne. O livro retrata com maestria os campos de concentração nazistas e todo o sofrimento peculiar da época. O autor tem uma forma tão delicada de contar a história que encanta, entretanto a delicadeza na narrativa não ameniza as atrocidades que ocorriam na época e que ficam sutilmente impressas nas entrelinhas da obra. Não só de finais felizes vivem os bons livros...

Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os Judeus. Também não faz idéia de que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos de que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e, para além dela, centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com um frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. "O Menino do Pijama Listrado" é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.


Sei que li muita coisa bacana e gostaria de indicar muitos outros livros, mas não vou fazer isso pra postagem não ficar muito grande e enfadonha. Espero que essas indicações ajudem vocês e vou tentar fazer de tudo para postar mais indicações no próximo mês, afinal eu adoro essa coluna.
Então é isso, pessoal: até a próxima!

Camila Márcia

1 comentários:

  1. tirando O Menino do Pijama Listrado que eu já li, os outros estão na minha lista já ;~~

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!