Indicações 12#

Saudações Leitores!
Mais um mês começando e isso é maravilhoso!!! Resolvi aparecer com essa coluna novamente para sugerir leituras, sei que muita gente já sabe o que vai ler, mas tem aqueles que ainda não sabem e tem aqueles que podem olhar essas sugestões e arquivarem para as futuras leituras então espero que gostem e que leiam muito este mês de Dezembro.
Vou sugerir 3 livros que entraram para a minha lista de favoritos, ainda não consegui postar a resenha deles aqui no blog, mas deixo o link do skoob onde já postei resenha, então vocês podem dar aquela conferida, certo?!

Para quem gosta de romances e livros líricos, com a delicadeza e o sentimentalismo a transbordar as páginas Nosso Último Verão (Resenha AQUI), de Ann Brashares, é mais do que indicado. Um livro que não pode ser devorado, mas degustado. Adorei a forma como ele me fez sentir o que os personagens sentiam e é incrivel como eu quase podia visualizar o cenário em que a história se passa. Simplemente lindo!


Na vila de Waterby em Fire Island, os ritmos e rituais são sacrossantos: as cerimoniosas chegadas e partidas de barca, os jantares no iate clube com sua comida terrível, e as vistas de tirar o fôlego; o decreto tácito contra sapatos; e o desfile de gerações de crianças bronzeadas e cheias de areia, correndo, nadando, gritando e crescendo na praia.
Nosso Último Verão é a encantadora e emocionante história do triângulo de amizade praiana entre jovens adultos para quem o verão na vila de Waterby significavam tudo. Ao longo de toda sua vida, as irmãs Riley e Alice, agora em seus vinte anos, retornavam à modesta casa de praia de seus pais a cada verão.



Como pude demorar tanto para conhecer os livros de John Boyne? Sim, O Garoto no Convés (Resenha AQUI) é o segundo livro que li do autor [se não me engano, indiquei na coluna passada o best-seller dele: O Menino do Pijama Listrado] e me desarmou completamente, me rendi: sou fã de John. Esse livro tinha tudo para ser ruim: boa parte da história se passa em alto mar [que graça tem nisso?], isto é, fala de navegações, o que não é um assunto de meu interesse, mas... John conseguiu me cativar logo na primeira página e zazzzzz eu devorei o livro [que por sinal é grandão] com um prazer imenso. Por isso tenho que indicar esse fantástico livro: imperdível!

Neste livro, a história da expedição é narrada do ponto de vista de John Jacob Turnstile, um garoto de Porstmouth, sul da Inglaterra, que sofre abusos de toda sorte, inclusive sexuais, no orfanato e pratica pequenos furtos nas ruas da cidade. Detido pela polícia após roubar um relógio, é salvo pela própria vítima do roubo quando esta lhe faz uma proposta: em vez de ficar encarcerado, embarcaria no HMS Bounty para passar pelo menos dezoito meses como criado particular do respeitado capitão Bligh. Turnstile aceita a barganha, planejando fugir na primeira oportunidade. Mas a rígida disciplina da vida no mar e uma relação cada vez mais leal com o capitão transformarão sua vida para sempre. É pela voz desse adolescente insolente e sagaz, mas ao mesmo tempo frágil e ingênuo, que o leitor acompanhará uma viagem repleta de intrigas, tempestades instransponíveis, cenários exóticos e lições de lealdade, paixão e sobrevivência. 

Como já me apaixonei por John Boyne, soltei um livro dele e já me atraquei com Noah Foge de Casa (Resenha AQUI) e tal foi minha surpresa ao me deparar com uma história com as características dos contos de fadas e uma mensagem impressionante como as que encontramos nas fábulas. Envolvente, fabuloso: seres inanimados tem vida, animais falam e Noah, um garoto normal descobre dentro de si mesmo que deve aprender a enfrentar seus medos e não fugir deles. Lindo!

Noah tem oito anos e acha que a maneira mais fácil de lidar com seus problemas é não pensar neles. Quando se vê cara a cara com uma situação muito maior do que ele próprio, o menino simplesmente foge de casa, aventurando-se sozinho pela floresta desconhecida. Logo, Noah chega a uma loja mágica de brinquedos, com um dono bastante peculiar. Ele tem uma história para contar, uma história cheia de aventuras que termina com uma promessa quebrada, uma história que vai levar o fabricante de brinquedos a pensar sobre o seu passado e Noah a pensar sobre aquilo que deixou para trás. Em seu primeiro livro juvenil desde o best-seller O menino do pijama listrado, o escritor irlandês John Boyne cria um mundo que mistura contos de fadas com os problemas mais cotidianos de um garoto comum. Esta fábula leve e inteligente prende os leitores presos até o final com dois grandes mistérios: por que Noah fugiu de casa e quem é o fabricante de brinquedos?

Espero que aproveitem as dicas e, contem-me: O que estão lendo? O que pretentem ler nesse mês de Dezembro?

Camila Márcia

4 comentários:

  1. Quem não se apaixona pelo John Boyne, Mila? Sério, eu só li um livro dele (O Palácio de Inverno) e ele acabou se tornando um dos meus livros favoritos.
    O Garoto no Convés é um livro que eu ainda vou ler (inclusive sei quem tem, vou pedir emprestado ASAHUSHAU) e eu tenho certeza que também vai me surpreender. :)

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  2. Nosso Último Verão eu já li 2 vezes e é maravilhoso *--*
    tbm indico a todos! e concordo com vc, não deve ser lido as pressas.
    tenho muita vontade de ler O Garoto no Convés, pq tbm li O Menino do Pijama listrado e amei! (L)

    ResponderExcluir
  3. Vou ler O Garoto no Convés, com certeza.

    ResponderExcluir
  4. Leiam o Belo Desastre é bem envolvente

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!