Resenha: “Linhagens” de Eleonor Hertzog

Saudações Leitores!
Já faz algum tempo que estou com Linhagens* em mãos, a própria Eleonor me enviou para resenhá-lo, estou me sentindo péssima por ter demorado a ler, mas eu tinha um esqueminha de leitura e depois fiquei bastante ocupada com trabalho, entre outras coisas e um ponto crucial: Linhagens não é um livro transportável, a não ser que sua coluna seja de ferro e sua bolsa aguente o peso, ele é bastante volumoso [não é ruim, acho livros volumosos um encanto e amo mesmo, mas em questão de carregá-lo para onde formos, não é viável] e, portanto, só podia ler quando estava em casa, desse modo, a leitura dele foi entremeada e outras leituras [de livros transportáveis], mas agora que li, vocês podem conferir o que achei conferindo a resenha.

Linhagens, Eleonor Hertzog, Santo André: Letra Impressa, 2013, 700 pág.

Linhagens escrito pela gaúcha Eleonor Hertzog é o segundo livro da série Uma Geração, Todas as Decisões cujo primeiro livro é Cisne.
A continuação da série continuou surpreendendo muito os leitores, esta distopia bem original criada pela mente de Eleonor vai arrebanhar os leitores de qualquer forma. Novamente nos vemos diante de outros planetas, terra, e linhagens que são extremamente importantes para a compreensão dos Senhores e suas Casas.
Em Linhagens nos deparamos ainda com a fabulosa família Melborne que terá um papel importantíssimo para salvar uma das maiores Casas e a Linhagem Tariliana. No primeiro livro vemos que Terra e outros planetas mantem uma relação fria e calculista, além de várias políticas que objetivam um melhor relacionamento entre os planetas. A história continua exatamente de onde parou Cisne, o que foi fantástico, porque o final de Cisne foi de tirar o fôlego.
Em contraste com Cisne o segundo livro, Linhagens, não se passa em sua maior totalidade a bordo do barco Cisne, mas em Tarilian, claro que ele começa a bordo e há acontecimentos completamente assustadores que envolvem fantasmas e Senira, mas Peggy e Giles acabam que se tornam peças fundamentais nesse caso.
Não obstante, o elo entre Peg e Pete (herdeiro de Tarilian) pode prejudicá-lo e até matá-lo e é por isso que entra Henry e sua esposa Doris, especialistas em Elos mentais e Gêmeos na tentativa de ajudar. É em Linhagens que muitos segredos e muitos fios soltos se conectaram e proporcionam uma melhor visualização desses mundos criados por Eleonor. Os segredos de várias Linhagens são imprescindíveis para o amadurecimento de cada planeta e situação, compreender as Linhagens é compreender a essência de cada casa e as possíveis consequências de cada ação.
Vários personagens que não tiveram tanto destaque em Cisne aparecem com um potencial incrível em Linhagens e muitas revelações são surpreendentes, ademais no meio de todo o caos para tentar salvar a vida de Peg, Pete e Loon muitos desentendimentos e brigas são de partir o coração.
Toda a história de Linhagens se passa em relativamente curto tempo, pois acontece antes de começarem as aulas da Escola Avançada de Champ-Bleux, entretanto, a data se aproxima!
Acredito que esta resenha tenha ficado um pouco confusa, mas eu simplesmente não consigo resenhar perfeitamente 700 páginas de uma história surreal com tanta perfeição assim. Acredito que a resenha tenha ficado um pouco vaga e superficial, afinal tentei colocar de forma bem resumida meu ponto de vista e acontecimentos marcantes do livro. Acredito que quem leu Cisne poderá entender melhor esta resenha e compreenderá a situação da complexidade deste livro: é muita informação.
Mesmo tendo amado Cisne eu confesso que gostei bem mais de Linhagens porque me esclareceu muita coisa e muitos segredos foram revelados, além do mais, pontos que tinham me desagradado no primeiro livro: como os muitos diálogos e os capítulos enormes, não me incomodaram tanto neste segundo volume (sim, os diálogos são a essência do livro e os capítulos continuam enormes), acredito que me acostumei com a forma de Eleonor escrever e tenho que confessar que os diálogos tornam a leitura mais rápida, por ser um livro volumoso, essa tática funciona bem, apesar de achar que alguns diálogos eram desnecessários. Já os capítulos grandes ainda me incomodaram um pouco: sou metódica e não gosto de começar um capítulo e ter que parar no meio dele por ele ser grande demais.
No geral Linhagens é surpreendente e indico demais a série Uma Geração, Todas as Decisões, pois nenhuma resenha será capaz de explicar ou traduzir esses livros, só lendo mesmo e mergulhando de cabeça nessas aventuras – espero que vocês saibam nadar tão bem quanto Tom, Tim, Ted, Teo, Bobby, Lis, Pam e Peggy.

Camila Márcia


* Livro me enviado pela própria escritora Eleonor Hertzog: muitooooo obrigada e desculpe-me por demorar resenhá-lo.

3 comentários:

  1. Olá Mila!
    Gostei da resenha e até gosto dessa viagem que aparenta ser um livro, mas putz um livro que não dá para transportar é complicado porque costumo ler em pedaços de tempo, ou seja, na hora que dá certo, por isso sempre tenho um livro na bolsa... minha vida está uma correria e fica complicado carregar 700 páginas e embora exista kobo e kindle eu simplesmente não consegui me interessar por esses aparelhos que facilitariam na praticidade de 'andar' com um livro volumoso. hihihi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Ju!
      Ok, certinho... Linhagens é um bom livro e nada do que eu disse nas resenhas de Cisne e Linhagens parece fazer muito sentido, porque esse livro é LER pra saber, sabe? Sobre a questão do seu tempo e levar livro mais portáteis... foi a mesma situação que a minha - como relatei - então sugiro a mesma solução: quando estiver lendo um livro muito volumoso deixe-o em casa e intercale a leitura com livros portáteis... Sei que assim demora pra ler, porque em casa há sempre tanta coisa para fazer, mas dá certo. Acredite!
      Sobre esses leitores de e-book, eu os acho fantásticos principalmente pelo fato de você poder colocar milhares de páginas dentro dele e ele continuar com o mesmo peso, mas também confesso que não me rendi a esta tecnologia embora já esteja nos meus planos a compra de um kobo.... mas prefiro os livros físicos também... espero nunca deixar de comprá-los .
      Obrigada pelo comentário.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. Camila, tanto Cisne quanto Linhagens transportei para todos os lugares, não é tão grande assim. Talvez porque quando era estudante de direito estava acostumada a transportar livros com o triplo de tamanho. Creio que estudantes de vários cursos já andaram para cima e para baixo com ditos "Tijolos". Desculpa te dizer mas não vi isso de forma alguma, e já li livros literários muito mais grossos e carreguei.
    São livros excepcionais, não são bons livros. Uma escrita maravilhosa, rápida de se ler, com cenários e personagens em abundância que se interligam com perfeição na história desenvolvida com maestria. Eleonor dá um show de criatividade sem deixar pontas soltas, deixando o leitor faminto por cada vez mais de sua história. Para mim ela é um destaque da e na literatura brasileira.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!