Resenha: “O Mundo de Aisha” de Ugo Bertotti

Saudações Leitores!
Nessa minha vibe de ler HQs eu tenho percebido que esse tipo de leitura não é nada simplória e tampouco isenta de sentimentalismo e profundidade, pelo contrário, as HQs que tenho lido tem abordado temas profundos de maneira singular e com personagens absolutamente reais, portanto, ler O Mundo de Aisha me trouxe esse sentimento e essa reflexão sobre o feminino, o papel da mulher em sociedades ainda tradicionalistas e absurdamente falocêntricas. Quero compartilhar um pouco da minha opinião sobre essa HQ com vocês.


O Mundo de Aisha: A Revolução Silenciosa das Mulheres do Iêmen, Ugo Bertotti, São Paulo: Nemo, 2015, 144 pág.
Traduzido por Fernando Scheibe
Fotografias de Agnes Montanari

Il Mondo di Aisha ou na tradução brasileira O Mundo de Aisha, do quadrinista italiano Ugo Bertotti traz a história de várias mulheres combatentes em uma revolução silenciosa no Iêmen, um pais localizado na Península da Arábia. Essa HQ foi inspirada a partir de entrevistas e fotografias feitas pela fotojornalista, também italiana, Agnes Montanari.


Com extrema sutileza e delicadeza, o quadrinista vai delineando as principais características e mazelas vividas pelas mulheres do Iêmen, o quanto são subjugadas, obrigadas a se casarem ainda crianças, são escravizadas, violentadas e em muitos casos assassinadas. 


As mulheres do Iêmen eram obrigadas a se cobrir com o véu negro - chamado niqab - e agirem como sombras e sempre passarem despercebidas. Vale salientar que, no decorrer, da HQ as mulheres vão se tornando mais independentes, mesmo diante do preconceito e da tradição rígida no Iêmen, mas estas mulheres sombras, fazem uma revolução silenciosa e sutil, conquistam paulatinamente seu espaço como se não quisessem nada.


O traço dos desenhos de Ugo Bertotti são bem pesados e densos, mostrando - provavelmente - todas as angústias, medos e inseguranças de suas personagens. O interessante é que nesse quadrinho acompanhamos a história de várias mulheres. É uma história real, que comove e ao mesmo tempo abre a mente do leitor para novas culturas e o peso histórico de toda uma tradição que marginaliza o sexo feminino.


Não me atrevo a dizer que O Mundo de Aisha foi uma das melhores HQs que já li porque, sinceramente, eu esperava outra coisa, mas foi adorável ler e mesmo não sendo o que eu esperava o livro me ganhou incondicionalmente. Vale muito a pena se debruçar sobre essa HQ.

6 comentários:

  1. Oi! Conheci seu blog agora e já adorei! Eu tenho uma relação de amor e ódio com HQs porque, embora eu ache a leitura muito agradável, também costuma acabar muito rápido (não sei lidar haha). O mundo de Aisha parece bem interessante, trata de um tema que precisa ser discutido, de fato.
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gislaine,

      devo concordar, HQ's por mais volumosas que sejam sempre acabam rápido! Que leituras deliciosas...

      Se tiver oportunidade leia O Mundo de Aisha, trata de um tema muito bom e a abordagem foi excepcional.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. O traço é tão grosso, tão forte... acho que os traçados das ilustrações dizem muito sobre a atmosfera do quadrinhos.

    Aprovei. quero conhecer.

    abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ju,

      com certeza as ilustrações e seus traçados dizem muito sobre a história e sobre o artista... então é fantástico quando se percebe isso... mesmo quando não lemos, porque podemos ter uma noção do que esperar da história.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  3. O Mundo de Aisha

    "O mundo de Aisha" foi um dos livros que eu mais gostei de ler, pois fala sobre fatos reais e sobre o desejo pela liberdade feminina de seu próprio estilo e jeito natural .
    O texto fala de uma difícil realidade que muitas mulheres vivem em um mundo em que há machismo e existe regras:um certo e errado sobre como devemos nos comportar,nos vestir e até com quem falar.
    Eu recomendo esse livro para todos os jovens_adultos,pois a história é contada em formato de uma reportagem , que liga a história de Aisha às histórias de outras mulheres que de uma certa forma estava relacionada a ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma Graphic Novel baseada em fatos reais, é triste, emocionante e o melhor, por mais dura que esta cultura seja para as mulheres também percebemos sutis evoluções.
      Achei bem diferente a forma de contar essa história, bem jornalística, talvez por isso eu não tenha elegido como uma das melhores GN que li, mas tem um valor imenso e um tenho um carinho enorme.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!