Resenha: "Aos Perdidos, com Amor" de Brigid Kemmerer

Aos Perdidos, com Amor, Brigid Kemmerer, São Paulo: Plataforma21, 2017, 450 pág.
Tradução: Fabrício Waltrick
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
Aos Perdidos, com Amor (Letters to the Lost 2017) escrito pela norte americana Brigid Kemmerer, foi uma grata surpresa para mim. Na verdade, nem sequer conhecia o livro, só que o volume foi o escolhido para a leitura do Clube do Livro Cookies e Borrões, do qual sou integrante. Então, embarquei na leitura.

A premissa do livro em si já parecia boa, daqueles de deixar o coração bem apertadinho, pois, aqui, iremos acompanhar a história nada parecida de Juliet e Declan, que vivem suas vidas, suas dores e seus problemas da maneira que acham corretas, mas sem conseguir, realmente, se livrarem de seus fantasmas.
"Minha mãe costumava dizer que as palavras carregam sempre um pouco do espírito de quem as escreveu, quase consigo senti-lo escorrendo da página."
No meio tempo em que ambos tentam superar suas perdas e ao mesmo tempo compreender quem são e o que almejam para o futuro, eles começam a conversar por meio de cartas e e-mails, sem saberem quem é um ao outro. Calma, deixem-me explicar melhor como se deu esse "encontro".
"Não sei qual o sentido dessa história, só talvez o de dizer que às vezes você chega a um ponto em que dói demais, tanto que você quer fazer qualquer coisa para se livrar da dor. Mesmo que essa coisa venha a machucar outra pessoa."
Juliet perdeu sua mãe em um trágico acidente enquanto voltava do trabalho, a garota, que tanto admirava a mãe e a achava uma verdadeira "mulher maravilha", não está sabendo lidar com o luto e com a sessação de culpa, afinal foi ela quem pediu para a mãe voltar mais cedo para casa; numa tentativa meio bizarra de lidar a perda, Juliet, faz visitas constantes ao túmulo da mãe no cemitério e deixa cartas para ela.
Por outro lado, temos Declan que está cumprindo pena com serviço social no cemitério após um acidente de carro onde ele estava bêbado. Isso aconteceu porque o garoto tinha sentimento de culpa em relação ao acidente que matou a irmã há algum tempo atrás, pois ele se recusou a dirigir o carro do pai alcoólatra que foi o autor do acidente que matou a menina. Desde então, a culpa e a raiva o consome. É no serviço social que ele se depara com a carta de Juliet (ele não sabe que é ela) e resolve respondê-la.
"Eu nem te conheço, mas sinto que te entendo. Sinto que você me entende. E é disso que eu mais gosto nessa história."
Começam as trocas de cartas, confidências, desabafos e relatos de suas vidas, ambos percebem que apesar de viverem situações particulares, suas dores são pungentes e de alguma forma Juliet e Declan conseguem se entender muito bem e acaba surgindo o sentimento muito forte entre eles.
Aos Perdidos, com Amor é uma verdadeira montanha-russa de emoções e grandes revelações que são capazes de chocar o leitor, à medida que conhecemos os personagens e nos submergimos em suas vidas percebemos todos os problemas familiares, pessoais, sociais e estudantis desses jovens e vemos que ambos são jovens que estão feridos, machucados e se despedaçando, só que os problemas não são apenas o luto ou a culpa, mas surgem muitos outros e o leitor fica se questionando "Quando mais Juliet e Declan serão capazes de suportar antes de estilhaçarem?".

Passei o livro inteiro torcendo para que, de alguma forma, alguma espécie de ajuda aparecesse na vida desses dois jovens, e, de certa forma, aconteceu, só que antes foram muitas descobertas a respeito da mãe e do pai de Juliet, além de revelações a respeito do pai, mãe e padastro de Declan, de forma que a cada página e capítulo eu ficava mais e mais chocada e falando alguns palavrões necessários para expressar minhas emoções.
"É incrível o número de pessoas que vira o rosto para o outro lado quando acha que uma coisa não é nada demais."
Definitivamente, Aos Perdidos, com Amor, foi uma verdadeira surpresa e mais: foi meu primeiro contato com a escrita de Brigid Kemmerer e fiquei com uma ótima impressão e curiosidade para ler algo mais da autora. Para vocês terem uma ideia das sensações que tive ao ler o volume, uma amiga do clube do livro expressou muito bem os sentimentos dizendo: "Esse livro poderia, muito bem, ter sido escrito pela Colleen Hoover", traduz-se como: destruidora de corações e rainha das verdades não ditas pela sociedade. Sim, Aos Perdidos, com Amor poderia ter sido escrito, além de temas fortes abordados na obra, temos todo um arsenal de drama e revelações impactantes.
"Você não vai conseguir fazer seu próprio caminho de olhos fechados." 
Para mim, Brigid Kemmerer já ganhou um destaque especial como escritora para ficar de olho nos próximos livros, a propósito, já temos uma "continuação" de Aos Perdidos, com Amor, entre aspas porque se trata de uma história relativamente independente de um personagem muito presente nesse livro e que roubou, sim, meu coração: o Rev. O livro já está disponível nas terras tupiniquins com o título: Mais do que palavras podem dizer. 

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ola, estou lendo esse livro em ebook, e estou com duvida que quantos capítulos o livro possui, você poderia me ajudar?

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!