Séries Assistidas em Setembro 2020

terça-feira, outubro 06, 2020

Saudações Leitores!
Mês de Setembro dei uma super variadas nas séries que assisti e acompanhei, mas o que mais me empolguei é que consegui finalizar duas séries que estava acompanhando mais que ainda faltava assistir a última temporada, então, estou super empolgada com esse post e espero que vocês confiram e apreciem as dicas.

Was It Love? (1ª Temporada)

Título Original: 우리 사랑했을까 ou Did We Love?
Gênero: Drama. Romance.
Duração: 960 min. (16 episódios)
Ano: 2020
País de Origem: Coreia do Sul
Minha Avaliação:
Sinopse: No Ae Jung é uma produtora de filmes, mãe solteira que está sozinha há 14 anos. Ela tem azar desde criança e de repente encontra quatro homens que abalam sua vida: um homem mau, mas tentador; um homem patético, mas rico; um homem assustador, mas sexy; e um homem jovem, mas atraente.
O QUE ACHEI
Fui assistindo esse k-drama na medida que a Netflix ia liberando os episódios e, para ser honesta, ele me deixou dividida entre amor e ódio em vários episódios.

O drama tem pitadas super engraçadas, mas trazem personagens que tomam decisões erradas o tempo todo e que ao invés de conversarem para sanar os mal-entendidos, acabam complicando ainda mais as coisas.

Dai, para completar, vamos ter um boy lixo, ter mocinha trouxa e vários perrengues que são muito mais interessantes, mas não são aproveitados como deveriam.

Temos várias premissas de romance, mas desde o começo fica bem claro quem a mocinha vai escolher e, embora nem sempre concorde com as decisões dela, é impossível não se envolver com o que ela faz ou passa.

A tristeza é que o final é solucionado muito, muito facilmente, sendo que para mim, as escolhas do final não foram tão boas, não depois de tantos mal-entendidos, acho que perdoar e entender tudo bem, mais o passo seguinte deveria ter sido seguir em frente, superar o passado. Portanto, não posso dizer que é um dos meus doramas favoritos, mas foi bem legal acompanhar.


Elite (3ª Temporada)


Título Original: Élite
Gênero:  Drama. Mistério.
Duração: 400 min. (8 episódios)
Ano: 2020
País de Origem: Espanha
Minha Avaliação:
Sinopse: Um novo ano está começando no colégio Las Encinas. Os alunos gostariam apenas que tudo voltasse ao normal. Mas um acontecimento inesperado os levará a tomar decisões que mudarão a vida de todos para sempre.
O QUE ACHEI
Uau, essa temporada foi bem eletrizante, apesar de que acho que não tinha necessidade de 2ª temporada e, consequentemente, não precisava dessa 3ª, mas a verdade é que após apertar o play, é impossível parar de assistir.

Essa série é tão viciante que, a gente acaba se importando até com os personagens mais detestáveis. Não sei se curti o final da temporada, porque todo mundo ali ficou meio culpado e a justiça não cumpriu seu papel, o que é totalmente desesperançoso, mas ao mesmo tempo muito real.

De qualquer maneira, amei ter conferido a última temporada da série, após assistir as duas primeiras era imperdoável não conferir como a série terminaria, certo?


Baby (1ª Temporada)


Título Original: Baby (Season 1)
Gênero: Drama.
Duração: 266 min (6 episódios)
Ano: 2018
País de Origem: Itália
Minha Avaliação:
Sinopse: Em Roma, Itália, um grupo de adolescentes desafia a sociedade em busca de independência e da própria identidade de modo radical, como duas meninas de 14 e 15 anos que se prostituem em troca de roupas de grife e celulares caros.
O QUE ACHEI
O que dizer dessa série? Viciante? Controversa? Clichê? Tudo isso e mais um pouco. Sem dúvida, Baby é uma série totalmente maratonável, com poucos e curtos episódios , após apertarmos o play fica impossível resistir a mais um episódio.

Por trazer um tema muito difícil, como a prostituição de menores, e menores de uma classe social média-alta, fiquei realmente angustiada e preocupada com os acontecimentos, porém o que eu não sabia é que a série foi inspirada em fatos reais. Inspirada em um escândalo de prostituição de menores que aconteceu em 2014 na Itália, caso que ficou conhecido como "baby squillo" (prostituta bebê).

Ter conhecimento disso, fez eu ver a série com outros olhos e fiquei ainda mais angustiada, porque aquelas adolescentes sabiam o que estavam fazendo e pensavam ter controle sobre a situação, quando na verdade não tinha e estava sendo usadas. Aterrorizante.


Baby (2ª Temporada)


Título Original: Baby (Season 2)
Gênero: Drama.
Duração: 300 min. (6 episódios)
Ano: 2019
País de Origem: Itália
Minha Avaliação:
Sinopse: Em Roma, Itália, um grupo de adolescentes desafia a sociedade em busca de independência e da própria identidade de modo radical, como duas meninas de 14 e 15 anos que se prostituem em troca de roupas de grife e celulares caros.
O QUE ACHEI
Obviamente, depois de maratonar a primeira temporada segui com a segunda temporada que me deixou em conflito porque não é fácil ver tantos lados ruins da humanidade.

Além do mais percebemos, nessa temporada que o esquema de prostituição está sendo investigado, que todos os envolvidos começam a temer e até mesmo querer sair, mas quando se está no fundo de um poço é absurdamente mais difícil superar isso.

Um detalhe que não mencionei anteriormente é a atuação: caramba achei geniais, foram bem marcantes para mim e isso dá uma perspectiva ainda mais diferente à série.


Baby (3ª Temporada)

Título Original: Baby (Season 3)
Gênero: Drama.
Duração: 300 min. (6 episódios)
Ano: 2020
País de Origem: Itália
Minha Avaliação:
Sinopse: Em Roma, Itália, um grupo de adolescentes desafia a sociedade em busca de independência e da própria identidade de modo radical, como duas meninas de 14 e 15 anos que se prostituem em troca de roupas de grife e celulares caros.
O QUE ACHEI
Lançada bem na época que estava finalizando a 2ª temporada, quando finalizei já comecei a assistir essa temporada - que também é a última -  logicamente, a série segue viciante, empolgante e assustadora.

Aqui temos o esquema de prostituição descoberto, temos as consequências dos atos e um final que mesmo sendo fechado ainda assim fica aberto, o que de fato pode não agradar a todo mundo que assistiu a série até aqui.

Particularmente, meu problema maior não foi com o final, mas com a velocidade como as coisas aconteceram nessa temporada. Foi tudo tão rápido que, de fato, pouca coisa foi explorada realmente e isso foi o mais frustrante, para mim.

Pra finalizar, deixe eu dizer que a trilha sonora de todas as temporadas dessa série são perfeitas!

A Duquesa (1ª Temporada)

Título Original: The Duchess (Season 1)
Gênero: Comédia. Drama.
Duração: 137 min. (6 episódios)
Ano: 2020
País de Origem: Reino Unido e Irlanda do Norte
Minha Avaliação:
Sinopse: Uma mãe solteira (Katherine Ryan) discute com seu maior inimigo: o pai de sua filha Olive. O motivo da discussão é o desejo dela de ser mãe pela segunda vez.
O QUE ACHEI
Que série mais doida! É bem cômica, tem poucos episódios, e são bem curtos, ou seja, dá para maratonar de boa. E foi o que eu fiz!

A série me lembrou um pouco Gilmore Girl, porque temos uma mãe e uma filha super amigas e engraçadas, mas claro que não trata apenas sobre a relação das duas, mas sobre a vida e decisões dessa mãe solteira.

A série traz várias camadas que poderiam ter sido melhor exploradas, mas acho que a intenção era fazer uma série inteligente e propor reflexões para os telespectadores tirarem as próprias conclusões.

Aliás, essa série é inspirada na própria vida da atriz protagonista, a Katherine Ryan, mas é claro que tem várias coisas ficcionais.

Achei-a divertidíssima e espero que tenha uma próxima temporada!

Valéria (1ª Temporada)

Título Original: Valeria (Season 1)
Gênero: Drama. Suspense.
Duração: 332 min. (8 episódios)
Ano: 2020
País de Origem: Espanha
Minha Avaliação:
Sinopse: Valéria é uma escritora em crise tanto com seus romances quanto com seu marido e com a distância emocional que os separa. Ela se refugia em suas três melhores amigas: Carmen, Lola e Nerea, todas imersas em um turbilhão de emoções sobre amor, amizade, ciúme, infidelidade, dúvidas, desgostos, segredos, trabalhos, alegrias e sonhos sobre o futuro.
O QUE ACHEI
Outra série facilmente maratonável, tem uma história fluída, personagens intrigantes e faz a gente se apaixonar tanto por Madrid que me vejo lá, sabe?

Claro que a série não é perfeita, aliás tem seus altos e baixos, sobretudo porque trata de temas como carreira, sonhos, realização pessoal, profissional, amorosa, relação de amizade e, tem algo que é bem conflituoso: traição amorosa.

É a traição mostrada aqui que me deixou um pouco triste com a série, porque faz parecer algo legal, quando não é, sabe? Não sei... talvez o fato de EU já ter sido traída e ter sofrido muito com isso, não me deixe confortável para aceitar algo do tipo, então, do meu ponto de vista, essa foi a falha dessa série, pra mim teria sido melhor o fim do relacionamento ou a combinação de um relacionamento aberto para que ambos pudessem se relacionar com outras pessoas. Trair não é legal e aqui pareceu bem romantizado, sabe?

Tirando esse aspecto consegui gostar demais da série, que inclusive é a adaptação de um livro (que já quero ler para ver como termina) e também estou torcendo para que haja uma próxima temporada. Cruzando os dedos.

As Telefonistas (6ª Temporada)

Título Original: Las Chicas del Cable (6ª Temporada)
Gênero: Drama
Duração: 200 min. (5 episódios)
Ano: 2020
País de Origem: Espanha
Minha Avaliação:
Sinopse: Na Madri dos anos 20, quatro amigas vivem a revolução dos costumes ao entrar na força de trabalho e lidar com namoros e amizades longe de casa.
O QUE ACHEI
Que frustrante! Será que só eu acho que essa série deveria ter terminado da 3ª ou 4ª temporada no máximo? Não nego que a série é boa, tem atuações perfeitas, mas ficou tão ensossa na 5ª e nessa 6ª temporada ficou chata.

Não nego que toda a série é um show de sororidade feminina, que mostra mulheres cheias de garra e com coragem para enfrentarem seus destinos - sejam com desdobramentos bons ou ruins -, fiquei realmente com essa mensagem incrível dessa série.

No entanto, o final me deixou absolutamente triste, arrasada e, confesso que só assisti para dar um ponto final nessa série, porque desde a 5ª temporada meu interesse decaiu bastante.

Coisa Mais Linda (2ª Temporada)

Título Original: Coisa mais Linda (2ª Temporada)
Gênero: Drama.
Duração: 285 min. (6 episódios)
Ano: 2020
País de Origem: Brasil
Minha Avaliação:
Sinopse: A nova temporada continua acompanhando as mulheres fortes Malu (Maria Casadevall), agora com uma nova força alimentada por um trauma, enquanto Thereza (Mel Lisboa) sente falta de seu trabalho na rádio após dedicar-se à família. Adélia (Pathy DeJesus) vai viver momentos de nostalgia ao relembrar de seu pai, Duque e Ivone (Larissa Nunes) terá que enfrentar a indústria da arte, dominada por homens.
O QUE ACHEI
Uma das melhores séries brasileiras! Pra eu dizer isso é algo realmente assustador, porque sempre que conferia produções nacionais ficava bem frustrada, mas nos último tempos tenho me surpreendido bastante. Finalmente!

Além de uma série que mostra a força feminina, uma série que retrata uma época onde as mulheres dependiam dos homens, mas que também tentavam conquistar seu espaço, temos aqui um show de trilha sonora, fotografia e drama.

A série pega o drama e faz a gente fica com o coração dar grandes saltos. É impressionante e impossível não se apegar aos personagens.

Para completar essa segunda temporada finalizou com um plot nem surpreendente, tanto quanto o plot da primeira temporada... temos um grande mistério para a próxima temporada e eu já estou ansiosa para conferir.

Pra finalizar deixem-me enaltecer todos esses atores. INCRÍVEIS!

Parenthood (1ª Temporada)

Título Original: Parenthood (Season 1)
Gênero: Drama.
Duração: 567 min. (13 episódios)
Ano: 2010
País de Origem: Estados Unidos
Minha Avaliação:
Sinopse: A série conta a história dos Braverman, uma família que, como qualquer outra, enfrenta diversos problemas, mas sempre pode contar com o apoio de cada membro para superar os desafios.
Sarah é uma mãe solteira com dois filhos adolescentes que decide voltar para sua cidade natal e ficar mais próxima de sua grande família. De volta a seu verdadeiro lar, Sara é recebida por seus pais, Zeek e Camille, que, por sua vez, estão enfrentando seus próprios problemas matrimoniais.
Sarah ainda tem uma irmã mais nova, uma mulher batalhadora que luta para manter seu emprego como advogada, suas atividades como mãe e o apoio ao marido, que trabalha em casa, cuidando da filha. O caçula da família é Crosby, um jovem que precisa enfrentar seus medos de compromissos amorosos, quando uma antiga paixão reentra em sua vida.
A família também conta com o irmão mais velho, Adam que, agora mais do que nunca, precisa se unir aos filhos e esposa, pois acaba de descobrir que seu filho mais novo Max tem Síndrome de Asperger.
Apesar das dificuldades que cada núcleo da família precisa enfrentar, a reunião de todos é o que os ajuda a superar os desafios, enquanto criam seus filhos e recomeçam suas vidas.
O QUE ACHEI
Comecei a assistir por indicação de uma amiga que conhece muito bem o meu gosto para séries e, simplesmente, maratonei a primeira temporada.

Alguns dos atores dessa série eu já conhecia e amava, principalmente a Lauren Graham que interpreta a Sarah, pois ela é a mesma atriz que protagoniza Gilmore Girls (minha série favorita) e aqui, ela está incrível.

Não tem como não se emocionar com essa série e achei-a muito boa mesmo porque acompanhamos com muito sentimentalismo e profundidade os membros da grande família Braverman, claro que uns se destacam mais que os outros nessa season, mas fiquei impressionada e não teve um episódio sequer que não tenha me feito rir ou chorar, porque esse é o tipo de série que Parenthoow é.

A série é composta por 6 temporadas, que não tenho dúvida de que vou devorar avidamente.

ROLOU MUITA COISA EM SETEMBRO, NÃO É MESMO?
AGORA QUERO SABER DE VOCÊS, QUAIS SÉRIES ASSISTIRAM OU ESTÃO ASSISTINDO? APROVEITEM E FAÇAM INDICAÇÕES TAMBÉM... SEMPRE GOSTO DE CONHECER SÉRIES NOVAS.
ATÉ O PRÓXIMO POST!

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários

Muito obrigada pelo Comentário!!!!