Resenha: “O Menino do Pijama Listrado” de John Boyne

Saudações Leitores!
Hoje posto a resenha de um livro que se tornou bastante especial para mim, não só no quesito enredo, mas a narrativa é cativante e envolve fatos históricos (gosto de livros assim), os personagens são tão reais que poderiam realmente ter existido e outro ponto é a diagramação do livro que é ótima e tem uma capa simples, mas demasiadamente linda. Quero agradecer a Companhia das Letras pelo envio deste livro para resenha. Sem mais delongas vamos conferir:


O Menino do Pijama Listrado, John Boyne, São Paulo: Companhia das Letras, 2007, 186 pág.
Traduzido por Augusto Pacheco Calil

Com o título original The Boy in the Striped Pyjamas foi publicado em 2006 e tornou-se um best-seller mundial, livro escrito pelo romancista irlandês John Boyne em dois dias e meio (como o próprio autor declarou), já foi adaptado aos cinemas sob o mesmo título da obra.
O livro traz com delicadeza a história de um menino de nove anos chamado Bruno que viveu em uma época da história da humanidade muito difícil, viveu nessa época sem ao menos saber o que se passava, pois sua pouca idade e sua inocência não o alertaram as tristes coisas que ocorriam e nem que seu pai era o comandante de um campo de concentração de judeus.
Bruno, sua irmã Gretel (de doze anos), sua mãe e seu pai viviam em Berlim, mas por causa do trabalho do pai eles vão morar na Polônia, num lugar chamado Haja-Vista, na verdade Auschwitz, um campo de concentração nazista.

"Quando fechava os olhos, tudo ao seu redor parecia simplesmente vazio e frio, como se ele estivesse no lugar mais solitário do mundo. No meio de lugar nenhum." (p.19)

Lá, como nunca tinha o que fazer e nem amigos com quem brincar Bruno fica entediado e decide explorar a redondeza e é assim que conhece Shmuel, um menino da mesma idade dele e que por ironia, ou coincidência, nasceram no mesmo dia e mês. Os dois se tornam amigos apesar de não poderem brincar, pois uma grande cerca separa os dois, o que Bruno não sabia era que do lado em que Shmuel ficava se tratava do campo de concentração comandado por seu pai, ficavam os judeus.

"Os olhos eram bem grandes, da cor de balas de caramelo; os brancos eram muito brancos, e, quando o menino olhou para Bruno, tudo o que este viu foi um par de enormes olhos tristes a encará-lo." (p.96)

John Boyne utiliza uma linguagem simples, com alguns recursos repetitivos agradáveis e engraçados para frisar a mensagem que quer repassar. Traz uma história fascinante que é capaz de tocar até os corações mais endurecidos e, sobretudo, O Menino do Pijama Listrado, nos faz refletir sobre o período histórico e sobre todos aqueles que morreram e sofreram naquela época.

“Você é meu melhor amigo Shmuel, disse ele. Meu melhor amigo para a vida toda.” (p.184)

Este livro também nos faz refletir sobre aquela velha frase clichê: não faça com os outros aquilo que você não quer que façam com você ou com quem você ama. Trágico, mas nem sempre seguimos esse preceito, por isso que nos deparamos com pessoas tão cruéis.
O Menino do Pijama Listrado me emocionou bastante, entretanto, por eu ter assistido ao filme primeiro já sabia o que aconteceria, a única surpresa para mim foi o final, pois são diferentes e, na realidade, gostei mais do final do filme do que do livro. Acredito que esperei algo mais do livro e, contudo, ele não me surpreendeu, mas me deixou encantada e maravilhada com a delicadeza com que o autor narrou uma história tão triste.
Há pessoas que não gostam de ler livros que falem de momentos históricos tão tristes, então para essas pessoas O Menino do Pijama Listrado não iria agradar, pois é triste saber que uma criança (que aqui representa milhares) sofreu tanto sem nem ao menos poder compreender o porquê. Mas para aquelas pessoas que gostam desse tipo de livro: real, dolorido e com final que a própria história da humanidade escreveu, não deixem de ler, pois iram amar. Boa Leitura!

Camila Márcia

7 comentários:

  1. Oi Mila. :)
    Eu tenho uma curiosidade imensa sobre esse livro. Além de já ter visto o filme e achado belíssimo apesar de triste, é de um autor maravilhoso que é o John Boyne. Já li O Palácio de Inverno dele e nossa, é extraordinária a capacidade que ele tem de colocar fatos históricos no meio da ficção e tornar personagens históricos tão reais, tão humanos.
    Entendo que o livro deve ter se tornado mesmo especial pra ti, não poderia esperar nada além de um livro do Boyne.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha.
    Tenho vontade de ler este livro...
    Beijos

    http://cocacolaecupcake.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu amo esse livro, é tão delicado e tão intenso. Dá uma tristeza, mas é pelo fato de saber que uma história como essa pode ter realmente acontecido, quem sabe...
    Sua resenha tá muito boa Mila. Sempre gosto.

    bjs.

    ResponderExcluir
  4. Este parece ser o tipo de livro pelo qual você chora até secar, né? Hehehe
    Eu fujo desses, porque odeio ficar todo sentimental!!!
    Mas fico interessado por essa sinopse, principalmente porque tenho um fascínio pela Segunda Guerra Mundial e adoro obras passadas neste período histórico!
    Beijos...
    Vinícius - Livros e Rabiscos

    ResponderExcluir
  5. Oi Camila!
    Eu escolhi seu blog para responder a um meme. Confere aqui:
    http://palavrainvertida.blogspot.com.br/2012/09/perguntas-literarias.html

    Se você já respondeu a essa tag, ignore!
    Até mais...

    ResponderExcluir
  6. eu gostei mais do livro pq ele conta mais detalhes

    ResponderExcluir
  7. Gostei da forma como o autor trata um tema tão forte como o holocausto, ele é bem sutil. Essa narrativa bastante repetitiva não me agradou em alguns momentos. Mas ainda sim é um livro muito bom com um final no mínino surpreendente e emocionante.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!