Resenha: “O Começo do Adeus” de Anne Tyler

Saudações Leitores!
Sinceramente até pensei na possibilidade de não resenhar esse livro, pois simplesmente não saberia o que falar, mas aí percebi que deveria resenhar, resenha literária é isso: dar a opinião sobre um determinado livro, seja ela boa ou ruim. Então minha opinião está expressa na resenha e embora saiba que alguns irão discordar devo me manter fiel a minha concepção, aos meus sentimentos. Aviso: pode haver spoiller na resenha abaixo.

O Começo do Adeus. Anne Tyler, Ribeirão Preto, SP: Novo Conceito, 2012, 208 pág.
Tradução de Ana Paula Corradini.

Quem costuma ler sinopses de livros notará que O Começo do Adeus tem uma sinopse bem interessante e que a proposta do livro é tentadora, aparentemente ele vai ser quase um drama e quem gosta desse tipo de livro [no caso eu] vai ficar curioso. Ledo engano!
A narrativa acontece toda em primeira pessoa e temos o narrador personagem chamado Aaron, que por uma fatalidade do destino perde a sua esposa, Dorothy, em um acidente. A partir desse momento o homem se torna antissocial, amargurado e tenta se esconder e esconder seus sentimentos de todas as pessoas. O que é compreensível, dado a situação. Entretanto ela, a esposa morta, começa a aparecer para ele. O que estraga tudo é que as aparições não tem sentido algum a não ser atormentar o pobre do já atormentado Aaron, o fantasma da mulher simplesmente começa a jogar coisas na cara dele e desaparece sem deixá-lo se defender.

"Mas agora eu queria as dores e as delícias de uma vida normal. Queria que minhas consoantes interrompessem minhas vogais ao falar, meus pés tocando os dela durante um abraço, meu nariz cutucando o dela durante um beijo. Eu queria a realidade, mesmo que fosse imperfeita e repleta de falhas." (p.163)

Mas quando Aaron começa a destrinchar sua história, não consegui ver nenhum sentimento avassalador entre ele e a esposa que justificasse a atitude aversiva que ele estava tendo, pelo contrário eu considero a união dos dois como um escape da solidão e não um sentimento verdadeiro. Principalmente quando ele começa a falar de Dorothy e ficamos conhecendo-a um pouco, percebemos que ela era uma mulher sem graça e até certo ponto egoísta demais e cheia de defeitos irritantes [essa parte é legal, já que ninguém é perfeito], mas por que Aaron estava sofrendo tanto? Na narrativa não dá pra sentir nenhum sentimento entre eles. Só frieza. Indiferença. Daí me surpreende o fato de tanto sofrimento da parte de Aaron.

"De certa maneira, é como se a dor tivesse sido coberta por um tipo de cobertor. Ainda está ali, mas as pontas mais afiadas estão... acolchoadas, ou algo assim. Então, às vezes, eu levanto uma ponta do cobertor, só para checar e - uau! É como se fosse uma faca! Não sei se isso vai mudar um dia." (p.142)

Além disso, aparentemente todo mundo ao redor de Aaron era atencioso e carinhoso com ele, mas ele ignorava a todos e os tratava mal, mas essa é a perspectiva do próprio Aaron, já que é ele que narra a história. É por isso que não consigo entender: como todos gostavam dele se ele destratava todo mundo? Inconcebível. Além disso era irritante o fato de todos tratarem ele, um homem de 36 anos como um bebê.
Em suma, a narrativa não conseguiu me envolver, o enredo fraco para mim se tornou sem sentido, entretanto confesso que teve um final razoável e interessante. Isso foi surpreendente afinal o livro todo foi muito cansativo e me deparar com um final bem elaborado foi surpreendente.

"Às vezes, parece que os momentos mais recentes aconteceram há tanto, tanto, tempo!" (p.44)

Simplesmente acho que se você, caro leitor, quiser ler vai ser por seu próprio risco. Eu particularmente, não apreciei a leitura, não sei se por não estar preparada para uma leitura tão depressiva, ou por não ter conseguido ver sentimento em nenhuma das palavras do livro. Uma leitura que definitivamente não transpirou emoção alguma para mim e que beirou ao monótono. Passo longe de uma futura releitura.

Camila Márcia

Ps.: Apesar de ter achado a capa desse livro bonita, para mim, ela não tem NADA a ver com a história.

4 comentários:

  1. Por incrível que pareça, O Começo do Adeus não foi uma leitura cansativa. Li mais rápido do que imaginava. Ainda assim, concordo com todos os pontos citados. Ouvi tantos elogios sobre a autora que confesso que esperava mais, mas em breve a Novo Conceito vai lançar um novo livro e eu espero me surpreender.

    Beijos, Mila!
    Ricardo - www.blogovershock.com.br

    ResponderExcluir
  2. a sinopse dele, realmente, é tentadora, mas já li váááárias resenhas dele dizendo que não é bom, e que a sinopse é um engano mesmo :P

    ResponderExcluir
  3. não sei de onde tiraram essa sinopse... quando resenhei esse livro, até procurei outra que realmente parecesse do livro, mas só achei essa. oO
    eu, particularmente, gostei do livro. Achei a história bonita e o fato de Aaron ser tão rabugento me divertiu bastante. >< acho que esse livro é o tipo do tipo que cada leitor vê de um jeito, dependendo do modo como vê a própria vida. foi a impressão que eu tive. ^_^

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oieeeee!!

    Vim aqui te convidar para o Book Tour que estou realizando no meu blog, com o livro "A culpa e das estrelas". Caso se interesse, ou para saber mais, e so dar uma olhada nesse link:

    http://stormofbooks.blogspot.com.br/2013/01/book-tour-culpa-e-das-estrelas.html

    Beijos!

    Máh - Storm of Books.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!