Resenha: “A Esperança - JV” de Suzanne Collins

Saudações Leitores!
Li A Esperança no final de dezembro, mas somente agora consegui postar a resenha. Que trágico! Mas peço que entendam que minha sweet life está um verdadeiro caos e por vezes tem sido muito difícil concentrar-me em escrever e postar resenhas, na verdade, tem sido difícil encontrar tempo até para ler, mas é questão de me acostumar com minha nova rotina... Sem mais papo, confiram a resenha e comentem - vale lembrar que esta resenha tem spoiler, afinal trata-se de uma continuação:


A Esperança. Suzanne Collins. Rio de Janeiro: Rocco, 2011, 421 pág.
Tradução de Alexandre D’elia.


O terceiro livro da aclamada trilogia Hunger Games – Mockingjay (Jogos Vorazes – A Esperança), vem a finalizar e concluir a trilogia de uma maneira completamente aceitável e realista, apesar de ser ficção (Resenhas anteriores: Jogos Vorazes; Em Chamas).
Após os acontecimentos de Em Chamas, Katniss é transportada para o Distrito 13, onde tem que servir como Tordo, para liderar as manifestações rebeldes contra a capital. Katniss sofre por todas as catástrofes que aconteceram com seus amigos e todas as mortes, sem contar com a destruição do Distrito 12. Contudo neste livro Katniss tem uma maior aproximação com Gale e sua família. Novos personagens aparecem e alguns personagens antigos tem um ‘papel’ mais preponderante.
Durante toda a leitura de A Esperança há aquela atmosfera de guerra e terror, além de muitos conflitos internos por parte de Katniss, descobertas devastadoras e muitos mistérios e mentiras se matem dominante.

"Não aguento mais pessoas mentindo para mim pelo meu próprio bem. Porque, na realidade, elas fazem isso principalmente pelo bem delas próprias." (p.131)
O ritmo da narrativa se inicia lento e de certa forma – para mim – maçante, pois devem ser passadas aos leitores diversas informações e isso se torna um pouco cansativo, mas ao mesmo tempo necessário.
A Esperança, para mim, teve altos e baixos, mas, sem sombra de dúvida, é louvável a qualidade da história e seu final é primoroso, no sentido de que a autora não quis encontrar uma solução para todos os problemas da humanidade e muito menos criar uma espécie bizarra de 'felizes para sempre'.

Suzanne Collins foi além do previsível e criou um desfecho razoável e bastante real dentro da ficção. Como sempre, fiquei embargada de sentimentos contraditórios e inúmeras emoções me abraçaram no decorrer das páginas.
Novamente Collins dividiu o livro em três partes: Parte I: As Cinzas; Parte II: O Assalto; Parte III: A Assassina, o que, de forma preliminar, prepara o leitor para o que vai ser exposto em cada parte.
Para quem acompanha a trilogia é imprescindível a leitura de A Esperança, mas para os que ainda não conhecem a trilogia fica minha humilde dica de leitura: acredito que esta é umas das melhores trilogias que já li, para cada coisa dita em cada linha do livro há uma infinidade que se resguardam nas entrelinhas. Fabulosa história de uma humanidade perdida que busca se encontrar!

Camila Márcia
 

4 comentários:

  1. estou louca para ler os livros *-*
    vi o filme e adorei a história... não pensava que iria gostar tanto assim *-*

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Tem um selinho pra você no meu blog.
    Passa lá e veja!
    Bjos
    Lu
    http://vergostarler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li acredita? Tô muito curiosa.
    Bjs, Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  4. Já li a trilogia e gostei muito mesmo, acredito que o último livro foi o mais cansativo, mas isso se deve as descrições necessárias e a atmosfera trágica.

    Sua resenha ficou ótima.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!