Seja o Autor da Vez

Saudações Leitores!
Vim divulgar um concurso que a Editora Biruta, parceira aqui do De Livro em Livro, juntamente com Ciência Hoje das Crianças estão realizando e o ganhador vai ganhar presente especial da Editora Biruta.
Em que consiste este concurso? O autor Cesar Cardoso foi convidado pela editora para dar largada/início a história que se chama Do Tamanho do Maracanã em que os participantes devem continuá-la, vejam as regrinhas abaixo:
  • A continuação da história deve ter entre 2000 e 2500 caracteres, com espaço;
  • Envie seu texto para blog@blogbirutagaivota.com.br;
  • Especifique no assunto o nome da seção (Autor da Vez) e o nome do autor que você vai continuar a história (Cesar Cardoso);
  • É permitido o envio de um texto por pessoa;
  • O prazo para envio é de um mês a partir da data do post – aceitaremos as continuações até o dia 21 de Abril
  • O(a) autor(a) da história escolhida levará para casa o livro Você não vai abrir?, escrito pelo Cesar Cardoso; além de uma assinatura digital da revista Ciência Hoje das Crianças. 

DO TAMANHO DO MARACANÃ

Nem era meu aniversário, mas o pai trouxe uns panos todos coloridos e disse pra mãe fazer uma camisa, um calção e uma bandeira pra mim. Tinha verde, amarelo, azul e branco, e eu perguntei se não podia ser tudo azul. O pai berrou pra eu largar de ser besta, azul era a cor da Argentina, que era o inimigo. Eu não sabia e até perguntei pro pai por que a Argentina era o inimigo, mas o pai não ouviu. Ele não gosta muito de ouvir, prefere é falar. E falou: te prepara porque você vai na final, na final. Lá no Maracanã.
No Maracanã!
A mãe foi logo pra máquina de costura e depois me chamou pra experimentar a roupa nova com aquelas cores todas. Eu perguntei pra ela como é que a gente se prepara para ir na final, mas a mãe só disse que o Maracanã era enorme e que eu não podia largar a mão do pai de jeito nenhum.
E passou o tempo todo repetindo: de jeito nenhum, de jeito nenhum.
A mana veio me espiar e ficou falando que aquilo era roupa de palhaço e que eu era palhaço. Eu expliquei que não era nada disso e eu até quis a roupa toda azul mas é que azul é a cor do inimigo, que é a Argentina. Ela disse que a Argentina não era inimigo coisa nenhuma e que eu só pensava isso porque era palhaço. E repetiu: “palhaço, palhaço!”. Eu comecei a brigar com ela, mas aí o pai chegou, perguntou logo se a gente queria dormir quente e mandou nós dois pra cama.
Foi uma dificuldade pra eu dormir. Só ficava tentando adivinhar qual seria o tamanho do Maracanã, onde o pai ia me levar. O pai já me levou no cinema, na lanchonete e na praia, mas nunca nesse Maracanã, que era enorme. Antes de ir pra cama, eu me escondi atrás da porta do quarto do pai e ouvi a mãe perguntando pra ele se não era perigoso porque era final. E repetia “final, final”. Eu ainda pensei – será que o Maracanã ia acabar? O pai falou que não tinha perigo nenhum, mas a mãe achou que eu podia me perder.
E se eu me perdesse, será que o dono do Maracanã me trazia de volta?
Cesar Cardoso

Então, já estão com a cabecinha de vocês fervilhando de ideias? Participem, queridos, concursos assimalé de divertidos, são bem legais e ainda vão ganhar prêmios!!!! Caso vocês tenham alguma dúvida, acessem o blog da editora e vejam os detalhes: AQUI.

2 comentários:

  1. olá Camila, adorei seu blog, estou te seguindo!
    Também gostei do post, gostei do início da história e me veio umas neuras rsrsrs vou ver se escrevo e participo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo concurso, estimula e incentiva a escrita, seria legal se concursos assim existissem dentro das salas de aulas... ou melhor que os professores indicassem esse concurso para seus alunos participarem... poderia ser até crianças, não seria ótimo?

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!