Resenha: “Paisagem com Dromedário” de Carola Saavedra

Saudações Leitores!
Essa é o primeiro livro que li da Carola Saavedra, até um tempo atrás eu nem sequer conhecia essa escritora, mas a conheci quando a Nana, uma garota que sigo no skoob [que tem os mesmos gostos que eu], adicionou, leu esse livro e comentou que ele era muito bom e que indicava o livro para quem gosta de Clarice Lispector, não bastou outra indicação. Solicitei o livro para a Companhia das Letras e quero agradecer muito a editora por ter me enviado para eu poder resenhar para vocês, confiram!


Paisagem com Dromedário, Carola Saavedra, São Paulo: Companhia das Letras, 2010, 168 pág.

Paisagem com Dromedário escrito pela escritora e tradutora chilena Carola Saavedra, radicada no Brasil, pois aos três anos de idade veio para o país. Atualmente vive no Rio de Janeiro, mas já morou na Espanha, França e Alemanha. Ao todo já publicou quatro livros: Do Lado de Fora (2005), Toda Terça (2007), Flores Azuis (2008) – prêmio APCA de melhor romance – e Paisagem com Dromedário (2010) – prêmio Rachel de Queiroz, categoria jovem autor. A autora também já ficou entre os finalistas dos prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti. Carola também teve dois de seus romances publicados no exterior e já participou de várias antologias.
O livro é narrado em primeira pessoa, pela personagem Érika que está numa ilha vulcânica não identificada. A narrativa acontece toda através de gravações que Érika faz para Alex, um artista plástico com o qual vivia um triângulo amoroso entre ela, Karen e, claro, Alex. Na verdade o leitor nem chega a saber se as gravações chegam até Alex ou não. Podem caracterizar-se apenas como um monólogo e um desabafo de Érika para Alex sem a pretensão de que ele os ouvisse.

"[...] o ruim de falar em vez de escrever é isso, a gente fala e logo em seguida esquece o que disse, então o que a gente diz é sempre novo, desconectado de qualquer lógica anterior, de qualquer contexto. É como se escrevêssemos com uma das mãos, e com a outra fôssemos imediatamente apagando o escrito. E o que a gente diz passa a não fazer muito sentido." (p.12)

No decorrer da narrativa e das divagações de Érica nas gravações sabemos que ela viajou para essa ilha, para ficar na casa de seus amigos Vanessa e Bruno apenas para fugir da realidade imutável que era a doença e morte de sua amiga e amante de Alex: Karen. Logo que Karen diz que está com câncer Érika não aceita bem a notícia e passa a fugir, se esconder e negligenciar tudo o que tivesse a ver com Alex e Karen.
Ela se auto exila e as gravações nada mais são do que uma tentativa de tentar descobrir a si mesma e aos outros e não como uma extensão de Alex. Aparentemente todos os amigos nunca a tratam como ela, mas apenas Alex e Érika, como se ela fosse uma extensão dele.

"Agora, penso, já percebeu que são justamente esses momentos, quando tudo parece perfeito, que antecedem os acontecimentos mais assustadores, as piores tragédias? Talvez toda felicidade tenha um fundo falso, uma tonalidade artificial, e esteja ali apenas para contrastar com o que está por vir." (p.32)

O livro traz vários questionamentos sobre vida e morte e questões existenciais e sobre o amor. Paisagem com Dromedários é uma ficção que mostra o quanto as pessoas são atormentadas por seus questionamentos quando realmente param para pensar sobre eles.
Érika me cativou pela sua honestidade, por abrir-se de corpo e alma ao que sentia e mostrar-se arrependida e ao mesmo tempo não esconder seu egoísmo e medos. O livro tem uma narrativa monológica e não há diálogos a não ser partes de conversas que Érika recordava, há toda uma descrição teatral e mágica nas gravações.

"A gente quer tantas coisas, ou acha que quer tantas coisas, e, quando chega a hora, percebe que não queria tanto assim, ou que não era bem aquilo, ou que na realidade quer justamente o contrário. O querer me parece algo tão misterioso." (p.148)

Outro ponto que me chamou atenção foi a capa do livro que apesar de simples mostra a delicadeza e a originalidade do que será mostrado no conteúdo da obra. Apesar de este ser meu primeiro contato com a obra de Carola, vejo seu potencial como escritora e desbravadora dos sentimentos e da alma do ser humano.
Em suma, Paisagem com Dromedário é um livro encantador e na medida em que a narrativa-monólogo egocêntrica da narradora personagem avança vão surgindo questionamentos e curiosidades sobre a vida da enigmática Érika e sua relação conturbada com Alex e Karen, além de nos fazer refletir sobre nossas próprias relações sociais, o quanto doamos ou não doamos aos outros.

"É que as relações só existem assim. A três. É sempre necessário um terceiro, que, ao ser excluído, possa, através da sua ausência, estabelecer um elo entre os outros dois. Sempre alguém tinha que ser excluído." (p.36)


Camila Márcia

12 comentários:

  1. Ótima resenha, Mila! Parece ser um livro interessante... Amei os trechos da obra, realmente conseguem questionar/mostrar o que passa no interior humano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é excelente Corrinha e de leitura bem rápida!
      De verdade, super indico, acho que você iria amar.
      bjs.

      Excluir
  2. Olá Camila!

    Não conhecia a autora e nem o livro mas gostei muito do livro pela forma que você apresentou, está na wishlist!

    Beijos,
    Nathália
    Novo post em Livroterapias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha se interessado pelo livro Nath, realmente eu também não o conhecia, mas estou encantada desde que o conheci. Faz a gente refletir tanto!
      bjs.

      Excluir
  3. Olá, Camila!

    Nunca li nenhum livro da Clarice. Li alguns trechos e pequenos contos.
    E por ser para uem gosta da Clarice, acho que não seria pra mim.
    Confesso que não me atraiu muito, mas adorei a sua resenha e os trechos que foram colocados. =D

    http://feliciity-unjourdepluie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrs
      Feliciity, eu tenho uma relação de amor e ódio com a Clarice, tem livros dela que simplesmente não consegui entender e tem outros que eu simplesmente amei, e achei o estilo de escrita da Carola bem parecida com o da Clarice, achei fantástico... tem poesia e conflito nas palavras... aquele mesmo conflito e poesia que tem nas obras da Clarice e que por mais você não compreenda você se encanta?
      Carola eu compreendi e amei e Clarice... bem... ela sempre terá minha segunda, terceira, quarta, quinta chance... não desisto dela e pretendo ler muito outros livros dela.
      bjs.

      Excluir
  4. Amo suas resenhas Mila! Sempre corro para conferir, porque gosto muito de ouvir sua opinião.
    Pera, eu não conhecia esse livro, nem a autora, mas claro que conheço Clarice Lispector e saber que é uma escrita parecida com a dela me deixou bem curiosa. Você despertou meu interesse sobretudo com esses quotes.
    Abraços. JU.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju, muito obrigada pelo elogio, encanta-me!
      Então, flor, não espere mais, tente conseguir um exemplar urgente p/ ler, você vai gostar a história é linda!
      bjs.

      Excluir
  5. Vishi Camila, eu não tinha ouvido falar desse livro, mas me parece ser bem legal. Até entendi a Érika ter se isolado para refletir sobre suas perdas. Estou bem curiosa, vou lê-lo com certeza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Adélia, quando ler e se quiser voltar aqui p/ comentar qualquer coisa fique a vontade, ok?
      bjs.

      Excluir

  6. não conhecia e vou procurar saber. Amei muuuuuuuuito!
    com certeza vai pros próximos. bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aêeee Mona, espero que quando o leia goste. Sei que você é muito, muito,muito fã da Clarice e acho que você irá gostar da Carola. Conte-me depois sua experiência,ok?
      bjs.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!