Resenha: “Colin Fischer” de Ashley Edward Miller e Zack Stentz

Saudações Leitores!
Assim que li a sinopse de Colin Fischer* fiquei muito curiosa, pois parecia ser um mistério incrível, portanto assim que o livro chegou fui correndo ler até porque eu o achei tão lindo e com uma diagramação tão perfeita que não resisti, mas somente agora estou postando a resenha, pois como vocês já devem ter me visto comentar no twitter estou cheia de resenhas acumuladas, enfim, agora vocês podem conferir qual opinião formei sobre este livro - não deixem de comentar a resenha [façam-me uma blogueira feliz].


Colin Fischer, Ashley Edward Miller e Zack Stentz, Ribeirão Preto, SP: Novo Conceito, 2014, 176 pág.
Traduzido por Henrique Amat Rêgo Monteiro

Colin Fischer (2012) escrito por Ashley Edward Miller e Zack Stentz que se conheceram pela internet e provaram com este livro terem uma química muito boa em ligar ideias e criar uma narrativa misteriosa e cheia de referências a outros livros, filmes, séries e cientistas.
Colin Fischer é um adolescente, 14 anos, que tem Síndrome de Aspenger que é uma “condição neurológica relacionada ao autismo”, portanto, o personagem principal tem muitas peculiaridades proveniente da síndrome e apesar de ser muito inteligente com um QI acima de 150, Colin é recluso e afastado de todos além de não conseguir ler expressões faciais a não ser que consulte seu caderno com as muitas expressões e informações já registradas por Colin. Além disso Colin não gosta de ser tocado, não fala sobre seus sentimentos, não gosta de azul e é minuciosamente observador.

"Meu nome é Colin Fischer. Tenho 14 anos e peso 55 quilos. Hoje é meu primeiro dia no colegial. Tenho 1.365 dias até o fim." (p.07)

Colin, por suas peculiaridades sofre bullying e é excluído do contexto social de sua escola, em que todos estão cientes das condições de Colin, mas a indiferença rola solta e ninguém faz nada para evitar o preconceito e a não aceitação do diferente. Confesso que esse ponto me deixou irritada, porque todos eram indiferentes embora soubessem que Colin tinha Síndrome de Aspenger, isto é, professores, diretores e alunos seguiam sua vida e agiam de forma preconceituosa e excludente.
Continuando: na comemoração de aniversário de Melissa, na cantina do colégio, um tiro e uma arma deixam todos em polvorosa e Colin é a testemunha ocular, mas todos estão colocando como suspeito Wayne Cornelly e apesar de Colin o considerar uma pessoa ruim e ele mesmo já ter sofrido bastante nas mãos de Wayne, Colin, sabe que não é ele o dono da arma e nem quem atirou, há muitas evidencias que ninguém mais viu, apenas Colin, desse modo, Colin se compromete a solucionar o mistério da arma.

"Meus pais dizem que é difícil saber em que estou pensando, porque a maior parte do tempo mantenho um expressão muito impassível. Isso não é algo que eu tente fazer, é apenas a maneira como sou. Meu pai brinca dizendo que eu "jogo com as minhas cartas muito bem escondidas" - mas isso não é verdade. Trata-se apenas do meu rosto, mesmo que estivesse ou não jogando baralho, ou qualquer outro jogo competitivo.
Como se vê, porém, a expressão facial mais difícil para outro ser humano interpretar é um rosto perfeitamente impassível."(p.35)

O enredo em si é de muita genialidade e muito fofo também, o fato de Colin ter Síndrome de Aspenger apenas nos coloca diante de uma doença real e do quanto não estamos agindo de forma consciente diante do problema do outro, achei até mesmo a família de Colin uma família bem superficial e que ao mesmo tempo em que incentiva a autonomia de Colin e compreende seu problema, as vezes negligencia o sofrimento e os preconceitos pelos quais o filho passa. Tem Danny, o irmão de Colin que também não ajuda em nada na situação.

Em Colin Fischer temos uma história interessante e cujo final deixa uma porta aberta para uma continuação [ainda não confirmada], mas que – em minha opinião – não deveria existir, o livro já é genial e apesar do final vago ele condiz com a vida de Colin e a sua descoberta. Acredito que uma continuação iria dar respostas que nem agradariam a todos e que até chegaria a quebrar a genialidade do livro. Não vou dizer que o livro é fabuloso, porque não é, trata de uma história bem juvenil e interessante.
Ashley Edward Miller e Zack Stentz escreveram um livro fofo cujo personagem não é nada cativante exatamente porque ele não demonstra emoção e isso foi uma sacada bacana por parte dos autores, entretanto, achei absurdamente irritante as muitas e extensas notas de rodapés, e uma grande maioria delas [para não dizer todas] eram extremamente desnecessárias. Indico esta leitura para ser realizada de maneira despretensiosa e como um bom passatempo.

Camila Márcia

*Este livro é cortesia da Editora Novo Conceito

10 comentários:

  1. Oie Camila! Confesso que estou muito curiosa pra ler esse livro, primeiro que essa capa me chamou bastante atenção, há também o fato da obra trabalhar com a síndrome de Asperger, que é como você afirmou nos coloca cara a cara com este problema. Só fiquei um pouco desanimada com as notas de rodapés, eu sou bem impaciente e fico irritada com muita nota de rodapé, mas ainda assim pretendo ler esse livro.

    Beijos!

    Meu Diário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju,

      Não desanime não flor, o livro é bem interessante a história é inteligente e qualquer coisa você pode ignorar as notas de rodapés, elas são desnecessárias. Como leitor, temos todo o direito de desistir de um livro pela metade, pular páginas - parágrafos - falas e ignorar as notas de roda pé. Simples assim.... Temos que ler por prazer e aquilo que gostamos se as notas desagradam minha dica é que não leia. Eu mesma no começo estava lendo, depois percebi o quanto eram inúteis e deixei de ler... lia só quando algo despertava minha curiosidade.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. Também li esse livro recentemente e gostei bastante! È legalzinho...bom para passar o tempo.
    Curti a resenha e principalmente as ilustrações.
    Bloody Kisses
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paloma!
      Tudo bem flor? Obrigada pela visita e comentário.
      É um livro bem inteligente e um ótimo passa tempo, mas não diria que seja viciante ou algo do tipo, apenas é bom lê-lo sem expectativas de que ele seja a melhor história. É uma diversão e uma forma de conhecer um pouco mais sobre Aspenger, pra mim, foi interessante porque por conta desse livro fiquei curiosa para descobrir mais sobre essa condição neurológica até porque faço psicopedagogia e num ambiente clínico ou institucional sempre poderei me deparar com indivíduos com aspenger...

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  3. Desde que li uma sinopse do livro já fiquei bem interessada na história. Espero conseguir lê-lo em breve! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carol!
      Obrigada pela visita e comentário fofa.
      Ainnnn estou torcendo para que você consiga lê-lo é um bom livro e se você gosta de mistério e uma história fofinha que não vai marcar muito, mas vai ser bem interessante este é um ótimo livro! Eu me diverti o lendo e espero que quem o leia se divirta também.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  4. Olá Camila, tudo bom? Confesso que o livro não tinha chamado minha atenção, mas, após essa resenha fiquei super curiosa! Mas, se eu ler, vou tentar evitar essas notas de rodapé desnecessárias... porque sei que se for ler com as notas vou acabar desistindo =/ ótima resenha !

    Beijos!
    @PollyanaCampos
    Entre Livros e Personagens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pollyanna!
      Realmente tenho que te dizer que as notas de rodapé me incomodaram bastante e se eu tivesse continuada a lê-las teria desistido do livro, teria me cansado ou teria escrito uma resenha completamente negativa por causa dessa experiência torturante, mas como eu ignorei a maioria das notas posso dizer que a leitura é boa e divertida.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  5. Oi,Mila!
    Ahh...como eu adorei esse livro! Tão fofo e genial, né?
    Eu fiquei completamente apaixonada pelo enredo e pela criatividade dos autores. Só o final que poderia ser melhor. Estou bem confiante numa possível, porém remota, continuação. Acho que na verdade os autores queriam é tirar um sarro com a nossa cara mesmo após aquele final. Gênios, intelectuais, nerds nunca repetem histórias..rs

    Bjs!
    Zilda Peixoto
    http://www.cacholaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Zilda,

      Esse é um livro fofo. E eu gostei do final... bem nerd e não estou torcendo por uma continuação, acho que foi legal a forma que acabou porque deixa os leitores a imaginar: atitude nerd e a fazer perguntas que é nerdice total. Amo isso.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!