Resenha: “A Escolha” de Kiera Cass

Saudações Leitores!
Segurei por quase um mês minha ansiedade de ler A Escolha*, se a espera compensou: claro, já que acompanho a trilogia desde o primeiro volume e todos os anos esperava com ansiedade a continuação e os contos serem publicados. Meu sentimento agora? Saudade, tristeza... eu vou sentir saudade de America, Maxon e Aspen, por três anos eles estão no meu coração e me desapegar deles vai se doloroso. Sobre a resenha vai ser bem sentimental e creio que não deixei spoiler, portanto, sossegue e leia me desabafo... desabafem comigo nos comentários! Ah, já faz um tempinho que li esse livro e escrevi a resenha, mas somente agora tô postando... sorry :-)

A Escolha, Kiera Cass, São Paulo: Seguinte, 2014, 352 pág.
Traduzido por Critian Clemente

The One (2014) no Brasil A Escolha é o último livro da trilogia A Seleção escrita por Kiera Cass, que foi precedido por A Seleção (2012), A Elite (2013) e um livro extra chamado Contos da Seleção: O Príncipe e O Guarda (2014). Sem dúvida, para quem acompanha a trilogia, A Escolha, era um dos livros mais esperados deste ano de 2014.
Antes de tudo preciso dizer que America Singer mudou bastante neste terceiro volume, primeiro porque ela – apesar de continuar com alguns mimimis – está mais decidida sobre seus sentimentos e o principal: disposta a lutar por eles. Ela continua tendo algumas atitudes realmente duvidosas e desnecessárias, mas no geral se mantém firme e forte, logo e tem a proteção de Maxon que desde que a conheceu ficou escandalosamente apaixonado. Entretanto, devo salientar minha revolta pelo fato de America ter simplesmente passado a ser um pouco superficial em seus sentimentos e relacionamentos familiares. A família que ela sempre colou em primeiro plano simplesmente não faz mais sentido, fiquei chocada com sua atitude em um momento de dor e o quanto foi superficial, parecia mais uma pedra ao invés da America que conheci em A Seleção, senti falta daquela America (mesmo cheia de mimimis ela parecia ser mais real).

"Eu precisava resolver essa situação de algum jeito. Não podia imaginar minha vida sem Aspen. Mesmo naquele momento, em que esperava ser escolhida por Maxon, um mundo sem Aspen parecia inconcebível." (p.9)

Maxon, America e Aspen estão próximos em A Escolha, por conta dos conflitos rebeldes, mas ao mesmo tempo afastados, aparentemente, conseguimos perceber a dúvida que a autora, Kiera, sentiu ao escrever este livro, não obstante, desde o começo ela entrega o jogo e a escolha fica óbvia, embora tenha algumas reviravoltas durante a narrativa.

O que mais me agradou neste livro foi o fato de as quatro finalista: Celeste, Kriss, Elise e America terem suas desavenças, mas mesmo assim se aproximarem uma da outra. Por conta da aproximação de Meri com as outras participantes – e o livro ser narrado em primeira pessoa – também nos aproximamos das outras participantes. Confesso que passei a gostar de Celeste, em parte porque saber da história dela nos faz entender o motivo de ela ser como é, e também porque ela provou que poderia ser melhor do que o que era, só não gostei do desfecho de sua história, achei cruel. De maneira geral, as outras participantes, no meu modo de ver, eram bem superficiais e nunca chegaram a ser um trunfo nas mãos de Kiera Cass, nem mesmo Kriss que se sobressaiu bastante em A Elite.

"Quando ele me apertou um pouco mais forte, senti que todos os erros haviam sido apagados e restara apenas a essência da nossa relação. Éramos amigos que tinham percebido que não queriam ficar longe um do outro. Éramos diferentes em diversos sentidos, mas, ao mesmo tempo, muito parecidos. Não dava para dizer que nossa relação era obra do destino, mas ela parecia mais forte do que qualquer coisa que eu já tinha vivido antes." (p.94)

Em A Escolha também me surpreendi com o desenrolar do rei Clarkson e da rainha Amberly, certos pontos eu compreendi perfeitamente e achei completamente plausíveis, mas em outros eu não compreendi, principalmente o fato da rainha ser tão apaixonada (ou submissa) ao rei, quando ela era inteligente e independente o suficiente para mudar as coisas.

Quanto a Maxon ele me surpreendeu porque teve coragem de enfrentar o desconhecido e lutar por aquilo que ele acreditava mesmo que ficasse contra o rei. Contudo, Maxon não fugiu da minha ira, teve um determinado momento em que eu simplesmente o achei um adolescente mimado, incompreensível e ciumento (Ah, como tive vontade de bater no príncipe!). Aspen também me surpreendeu no livro, principalmente por ele ter achado seu caminho (sempre achei ele meio perdido) e embora o romance e o sentimento dele por Meri fosse jogado constantemente nas páginas, percebemos que ele mudou e conseguiu ter opções. Seria difícil se a escolha fosse apenas de Maxon e Meri, acabou que a escolha também foi de Aspen (depois que li o conto O Guarda, fiquei com uma quedinha por ele).

"... quero tudo com você, America. Quero os feriados e os aniversários, as épocas corridas e os finais de semana preguiçosos. Quero manchas feitas de dedos sujos de creme de amendoim na minha mesa de trabalho. Quero piadas internas, brigas e todo o resto. Quero uma vida com você." (p.297)

Confesso que achei tudo meio corrido, não em relação a escolha da futura esposa de Maxon, mas no quesito de Kiera tentar solucionar os mistérios dos rebeldes do norte e do sul, além do envolvimento de pessoas que jamais seriamos capazes de imaginar nesse complô. O problema maior foi que Kiera Cass quis solucionar e fechar com a distopia também e não apenas com a escolha do príncipe, que no final das costas teve que escolher não só a esposa, mas o rumo que seu reino iria tomar. Em resumo, este livro foi repleto de escolhas em todos os sentidos e para todos os personagens e isso não quer dizer que todos fizeram a melhor escolha, mas no fim, no desfecho do livro tudo se encaixou de modo a agradar a todos os leitores, certamente.

"Você disse que, para acertar as coisas, um de nós dois teria que dar um salto de fé. Acho que encontrei o abismo que devo saltar, e espero encontrar você à minha espera do outro lado." (p.310)

Uma coisa todos os fãs terão que concordar, sejam team Maxon ou team Aspen, não havia outra possibilidade para o final, não depois que a narrativa enveredou por aquele rumo. Desse modo, acredito que A Escolha teve um final coerente e que será capaz de agradar a maioria dos que acompanham a trilogia. Para finalizar só tenho a dizer que essa trilogia foi uma das mais lindas que li nestes três anos e que foi impossível não me envolver com todos os personagens e a narrativa, torci, chorei, briguei e agora sinto que valeu a pena a espera. Vou sentir saudade, mas Kiera Cass não vai nos deixar tão órfãos ela – segundo vi na internet – vai escrever uma espécie de prequel com a rainha Amberly.


Camila Márcia


*Livro cortesia da Editora Seguinte.

6 comentários:

  1. Tô doida pra ler essa triologia, ela foi tão comentada que deve ter algum motivo para esse sucesso *oo*
    Espero gostar ^^
    Sorriso Espontâneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Betânia,
      Então... eu não encontro palavras para descrever essa trilogia, pra mim ela tem uma magia peculiar que a gente só vê nos contos de fadas, mas ao mesmo tempo tem um lance bem moderno... mais a ver sabe? Os personagens deixam-nos em conflito, o romance é cheio de mimimis e é fabuloso poder ser uma 'plebeia' infiltrada na realeza. Se você tiver oportunidade de ler aproveite, vale a pena!

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. Já li a trilogia, menos "Contos da Seleção. Gostei muito dos livros embora America fosse tão indecisa a ponto que eu me deixasse com raiva rs embora eu nem possa muito reclamar das indecisões dela. O livro que mais gostei foi o último A Escolha, gostei também da aproximação das 4 finalistas, da Celeste "amiga" embora não tenha gostado do "seu fim". Agora vou esperar por The Queen :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Isa!
      Ai, suspiros, essa trilogia é muito amor, né? O meu livro favorito ainda é A Seleção, tenho um carinho especial... não sei... acredita que fui ler esse primeiro livro fazendo cara feia e sem dar nada por ele, mas bastou a primeira página e não consegui mais soltá-lo.... Foi amor... É amor....
      Agora eu fico aguardando ansiosa A Rainha.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  3. Quero muuuuuuuuito ler esses livros! Só que tenho uma preguiça tão grande de ler séries ):
    Essas capas são tão lindas! *-*


    Bjs cá :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bia,
      sou suspeita para falar, pois acompanho essa trilogia desde o principio e sempre amei... então só digo: leia e se vicie....

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!