Resenha: “A Sombra do Vento” de Carlos Ruiz Zafón

Saudações Leitores!
Depois de mais de um mês - quase dois - enrolada nessa leitura trago a resenha para vocês, lembro-me que logo que os livros foram lançados aqui no Brasil eu desejei bastante lê-los, em parte porque li muitas resenhas positivas dele, mas infelizmente achei-o maçante, portanto, se você leu A Sombra do Vento e gostou, que ótimo e por favor, não me condene, todo mundo tem sentimentos diferentes acerca de determinados livros: é normal. E se você está perguntando o motivo de eu ter insistido e terminado a leitura, bem, a resposta é simples: era a leitura do Clube do Livro Floreios & Borrões - do qual faço parte -  e a história é bacana, mas... enfim, se quer saber mais sobre os detalhes, leia a resenha:


A Sombra do Vento, Carlos Ruiz Zafón, Rio de Janeiro: Suma de Letras (Objetiva), 2007, 400 pág.
Traduzido por Marcia Ribas

La Sombra Del Viento (2001) ou A Sombra do Vento é o primeiro livro da trilogia O Cemitério dos Livros Esquecidos, escrita por Carlos Ruiz Zafón, este livro antecede O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu, entretanto os três livros podem ser lido de forma aleatória, isto é, não necessita ser lido na sequência que mencionei. Zafón é um escritor espanhol bastante conhecido e premiado.
O que falar de A Sombra do Vento? Após tantas resenhas superpositivas é claro que desejei ler este livro com todas as minhas forças, não obstante, ele não foi absolutamente nada do que eu esperava. Passei mais de um mês para ler 400 páginas e isso é um absurdo, porque sou uma leitora voraz e, de acordo com meu vício é possível ler essa mesma quantidade de páginas em um ou dois dias, mas isso não aconteceu com este livro.
A Sombra do Vento traz a história de Daniel Sempere, na Barcelona de 1945, que logo após ser levado por seu pai ao Cemitério dos Livros Esquecidos e descobrir um exemplar de A Sombra do Vento, de Julián Carax, intriga-se com o exemplar e sua história misteriosa, além disso, todos os livros de Carax, segundo Daniel descobriu, foram ou eram comprados e queimados. Alguém estava determinado a apagar o nome de Carax da história, fazer com que seu autor fosse morbidamente esquecido.
O desenrolar da história é lento e isso pode ser notado pelo fato de Daniel ter conhecido o livro em 1945 e só vir a descobrir os mistérios em torno do escritor, Julián Carax, apenas em 1955. De pré-adolescente Daniel passa para adulto na saga das investigações e colhendo todas as informações possíveis, nesse ínterim Daniel encontra aliados para o auxiliarem na investigação. Durante a narrativa acontecem muitas coisas – de maneira lenta e paulatina – e muitos perigos, vingança, amor e ódio fazem parte da história de Julián Carax e, sobretudo, de Daniel Sempere, ambos tem muito em comum. O fato de Daniel buscar o autor Carax e o fato de Carax ter se personificado em seu próprio livro e suas histórias mirabolantes e góticas, fazem com que a narrativa esteja constantemente sob um manto sombrio e misterioso, sem dúvida, A Sombra do Vento, é um livro cheio de mistérios e dramas.
Contudo, no meu ponto de vista, apesar de não desmerecer a história, porque lá pela página 300 ela começa a se desenrolar, porque até a 299 era um emaranhado e uma enorme enrolação, o pior foi a narrativa lenta, minuciosa e arrastada de Zafón; por várias vezes eu pensei em abandonar a leitura, mas não o fiz por conta do mistério que me deixou muito curiosa, eu precisava saber o que diabos tinha acontecido com Carax e o que iria acontecer com Daniel, no fim, o desenrolar foi surpreendente e convincente, pra falar a verdade, eu já até suspeitava de acordo com as ‘dicas’ que Zafón foi deixando durante a história.
Não ouso dizer que não lerei mais Zafón, porque ainda tenho vontade, apesar da narrativa cansativa o autor escreve bem e elaborou uma boa história, apenas eu não consegui ser cativada por ela e isso me entristece: meu primeiro contato com o autor me deixou um pouco apavorada, vai levar um tempo para eu ter vontade de voltar a ler Carlos Ruiz Zafón novamente, mesmo eu já tendo em mãos os outros dois livros dessa trilogia.

Camila Márcia

Quotes 

"Cada livro, cada volume que você vê, tem alma. A alma de quem o escreveu, e a alma dos que o leram, que viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro troca de mãos, cada vez que alguém passa os olhos pelas suas páginas, seu espírito cresce e a pessoa se fortalece.
Na loja, nós os vendemos e compramos, mas na verdade os livros não têm dono. Cada livro que você vê aqui foi o melhor amigo de um homem." (p.9)

"[...] poucas coisas marcam tanto um leitor como o primeiro livro que realmente abre caminho ao seu coração. As primeiras imagens, o eco dessas palavras que pensamos ter deixado para trás, nos acompanham por toda a vida e esculpem um palácio em nossa memória ao qual mais cedo ou mais tarde - não importa os livros que leiamos, os mundos que descubramos, o quanto aprendamos ou nos esqueçamos - iremos retornar." (p.11)

"Nunca uma história me seduziu e me envolveu tanto como aquela que narrava o livro [...] Até então para mim as leituras eram uma obrigação, uma espécie de multa a pagar a professores e tutores sem se saber muito bem para quê. Eu não conhecia o prazer de ler, de explorar portas que se abrem na nossa alma, de abandonar-se à imaginação, à beleza e ao mistério da ficção e da linguagem. Tudo isso para mim começou com aquele livro." (p.26)

8 comentários:

  1. Oi Camila! Eu ainda não li nenhum livro do Zafón, mas tenho bastante curiosidade! Acho que em breve poderei lê-lo! Gostei do enredo, espero poder desfrutar da leitura! :)

    http://livros-nerdices-tudomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bianca,
      Pois eh, Zafón é muito conceituado, embora não tenha gostado da leitura eu não vou detonar o autor ele tem o mérito de ter criado uma história muito boa, só não me cativou na forma de contar a história... acontece, não é? Ainda pretendo dar uma nova chance ao autor porque pode ser que eu tenha lido o livro dele na hora errada e isso influenciou na minha opinião... há bons livros que são lidos em momentos errados, vai que foi esse o caso?!

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. Oi Camila! Como vai?

    Não acredito que você não amou Zafón! :(((
    Ele é, de longe, um dos melhores escritores comtemporâneos para mim! Lembro que, quando li A sombra do Vento, não demorei nem 24 horas. Me tornei uma anti social na véspera de um Ano Novo por causa desse livro.

    Por favor, não desista de Zafón. Leia Marina! Pode ser que você goste mais, é um livro mais curto que esse e muito bom. Talvez você goste mais da narrativa.

    Estava com saudades do blog! Fiquei um tempo afastada, sem visitar.

    Beijos!

    Máh - Storm of Books (http://stormofbooks.blogspot.com.br/).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Mah....
      Estou me sentindo péssima por não ter gostado de Zafón [biquinho] eu sei que todo mundo amou esse livro, será que o problema sou eu? Começo a pensar que talvez eu o tenha lido numa hora errada e por conta disso eu não fui capaz de gostar da leitura... pretendo dar uma nova oportunidade ao escritor por conta disso, mas não vai ser logo... preciso me recuperar... quero lê-lo novamente quando eu olhar pro livro dele e me der aquela louca vontade de abri-lo... Acredite, esse não é meu sentimento agora.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  3. Infelizmente ainda não li nenhuma obra do Zafón, mas a minha curiosidade é comparada com a quantidade de resenhas positivas que já li até hoje. Por isso a minha surpresa com a sua resenha, o que também posso considerar muito bacana, já que me dá outras visões sobre um autor tão comentado.
    Fato é que uma blogueira amiga é apaixonada pelo autor e seus comentários frequentes me deixaram muito empolgado, não apenas para conhecer essa trilogia, como todos os demais livros. Como minha experiência com a literatura espanhola sempre foi bacana, espero que isso volte a acontecer e que eu goste mais do que você, claro. :x

    Beijos, Mila!
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rick,
      Infelizmente minha experiência com Zafón foi meio traumática, mas - sem dúvida - ele escreve bem e criou uma história cheia de fios que se ligam, mistérios, amor e segredos. Não desmereço o autor ele é muito bom, só que me cansou... não tem como gostar de um livro que não me envolveu... Foi tipo isso que aconteceu... quem sabe uma próxima leitura do autor me faça mudar de ideia, mas vai demorar!

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  4. Puxa que pena que você não gostara do livro,mas gosto é assim mesmo, eu entrei no seu blog pela busca de resenhas desse livro do Zafón e acabei parando aqui, uma feliz coincidência, gostei muito do seu blog, e sou novata na blosfera portanto todos os blogs me interessam, Parabéns seu blog é uma graça!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lilian,

      fico feliz por você ter vindo parar no DLL, seja bem-vida sempre!
      Pois eh, eu tenho sérios comentários sobre A Sombra do Vento, pontos que me incomodaram e que também levam o mérito por ser muito bons. Enfim, gosto é gosto, e pode ser que eu o tenha lido num momento inoportuno. Não sei.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!