Resenha: “Primavera” de Oskar Luts

Saudações Leitores!
Quando li a sinopse de Primavera* fiquei realmente interessada em ler esse livro logo falava que ele trazia muito da cultura estoniana e eu amo conhecer culturas novas, por isso minha curiosidade foi atiçada, entretanto o livro pecou em vários pontos, você pode conferir no decorrer da resenha:

Primavera, Oskar Luts, São Paulo: Biruta, 2014, 432 pág. 
Tradução de Paulo Chagas de Souza
Ilustração de Sandra Jávera

Primavera é um dos primeiros livros do escritor e dramaturgo estoniano Oskar Luts, ele vem a ressaltar muito a cultura da Estônia ainda quando ela estava sob o domínio soviético.
Este livro vem a contar a história de um grupo de crianças que estudam e alguns vivem na escola  paroquial rural, e conta o quanto essas crianças são danadas e fazem estripulias das mais variadas formas, no geral acompanhamos as histórias de Arno, Teele e Toots, que vivem a fazer peraltices e a irritar o sacristão mais rígido que já conheci.
De uma maneira interessante, podemos observar que todos as crianças/alunos estão numa fase de crescimento e descobertas da vida, sentimentos, amizade, ética e o que é certo e errado. Sabemos que as crianças estão numa constante fase de descobertas e Primavera mostra perfeitamente esta fase rebelde, engraça e inocente.
Entretanto, apesar de reconhecer o valor da obra e exaltar a cultura estoniana em especial a cultura rural e as particularidades da educação, família e religiosidade da época, este obra não passa de uma narrativa tão somente sobre as peraltices infantis. 
No princípio, é muito divertido ver as estripulias das crianças e é engraçado a forma inocente que elas agem e acabam errando, mas no decorrer das páginas isso vai ficando monótono, é uma encrenca atrás da outra - algumas engraçadas, outras nem tanto - mas por ser algo repetitivo se torna monótono e enfadonho, isto é, quando terminamos uma peraltice já sabemos que outra já está por vir e assim sucessivamente.
Não vou dizer que o livro é ruim, porque não é, mas é cansativo e me deu muita preguiça de continuar lendo quando vi que depois de uma peraltice vinha outra e outra e outra... ficou previsível e me desmotivou a leitura, acredito que as mais de 400 páginas foram um terrível exagero, dava para ter reduzido a narrativa para umas 250 [ou menos] e a história não sairia no prejuízo, não, pelo contrário: teria sido até agradável.
Sobre a diagramação e o cuidado do livro: ele, sem sombra de dúvida, é lindo, encantador e cheio de ilustrações maravilhosas, mas a história me deixou a desejar. Se você tiver curiosidade de ler: fique a vontade, sempre achei que todo livro é válido.

*Este livro foi cortesia da Editora Biruta, para saber mais sobre ele clique AQUI.

8 comentários:

  1. Sério?
    Achei a sinopse tão interessante quando li, mas a sua resenha me deixou meio balançada... se o livro é cansativo acho que não teria pique para ler mais de 400 páginas!

    Beijos, flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ju,
      Sinceramente Eu achei cansativo, mas estava olhando em outros blogs e em muitas resenhas vi que gostaram do livro... então, embora minha resenha não tenha sido 100% positiva, apontei coisas que gostei e é sempre bom notar que opiniões são diferentes, em outras palavras, eu não gostei tanto, mas isso não quer dizer que outras pessoas e você também não gostem. Acho que você poderia ariscar pedir emprestado de alguém que já tenha e se gostar comprar para seguir a leitura.
      Obrigada pela visitinha e comentário.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. Olá Mila,
    Que livro lindo!!!! Amo livros com essas travessuras infantis, acho que crianças se identificam e quem tem filhos pode se identificar também, tipo comparar as travessuras... mesmo com os pontos negativos que você apontou, acredito que se eu tiver oportunidade de lê-lo eu não irei dispensar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Adélia,
      Acho válido seu argumento, com certeza muitas crianças iriam se identificar com as travessuras encontradas aí, mas tem algumas cenas de alcoolismo infantil que me deixam em dúvida se é uma leitura tão adequada para a criançada, mas vale ressaltar que é uma outra cultura e lá, parece-me que não é algo tão anormal... Então se isso for esclarecido, acho que é válido a leitura.

      Obrigada pela visita e comentário.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  3. Que ilustrações lindas! Que capa linda e quantas páginas!!!!
    Fiquei curiosa, mas não tanto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As ilustrações são muito lindas e todo o trabalho gráfico da Biruta também, uma riqueza!!!

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  4. Oi!
    O livro parece lindo mesmo e a cultura estoniana é tão pouco falada que gera uma curiosidade quase instantânea. Mas confesso que não estou na minha melhor fase de livros e realmente não preciso adicionar mais um livro cansativo a pilha :/

    bjos,
    Bianca

    www.blogsomaisum.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bianca,

      Então fui ler pela curiosidade, nunca tinha lido nada estoneano, não que eu saiba... então acho que tb devo ter ir com sede demais ao pote.

      obrigada pela visita e comentário

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!