Resenha: "Suzy e as Águas-Vivas" de Ali Benjamin

Suzy e as Águas-Vivas, Ali Benjamin, São Paulo: Verus, 2016, 223, pág
Traduzido por Cecília Camargo Bartalotti
Comprar: Amazon, Saraiva, Submarino, Americanas

Saudações Leitores!
The Thing About Jellyfish no Brasil intitulado Suzy e as Águas-Vivas é o romance de estreia da norte-americana Ali Benjamin e foi um dos finalistas do National Book Award for Young People's Literature de 2015.

Em Suzy e as Águas-Vivas, um romance todo narrado em primeira pessoa, pela voz de uma criança - de Suzy - que esta sofrendo uma grande perda, pois sua melhor amiga (e única) morreu afogada em quanto estava de férias e Suzy fica sem chão. 
A narrativa é toda delicada e o enredo se resume no fato de que Suzy acredita que, por sua melhor amiga, Franny, ser uma excelente nadadora deve ter havido algum motivo por trás do afogamento, então ela se convence que a culpa foi de uma espécie de água-viva que solta um tipo de veneno paralisante, a partir dessa teoria ela começa uma pesquisa para provar que foi, de fato, isso que aconteceu.

Por trás de toda essa pesquisa de Suzy, também ficamos a par da vida que ela levou com Franny, e que na época em que morreu a amizade das duas estava bastante fragmentada, embora Suzy fizesse de tudo para restaurar a amizade.
Também acompanhamos a história no presente, sobre as pesquisas de Suzy e sobre todo o sofrimento interior que a menina passa pela perda, além de ser bastante isolada na escola, não ter amigos e sofrer bullying. Durante toda a narrativa somos apresentados a uma série de ensinamentos que poderemos carregar para fora das páginas, para nossa vida. Esse sempre é o diferencial de livros narrados por crianças: essa esperança diante das piores coisas, essa persistência de encontrar respostas.
"O truque para qualquer coisa é acreditar que ela é possível. Quando você acredita em sua própria habilidade para fazer algo, mesmo que seja algo assustador, isso lhe dá um poder quase mágico. A autoconfiança é mágica. Permite que você enfrente tudo." (p.187)
Confesso que eu não esperava grande coisa de Suzy e as Águas-Vivas e o livro me deixou bastante comovida, emocionada e sensibilizada, porque apesar de ser ficção, podemos tirar ensinamentos tão lindos. Para completar todo esse conjunto: conteúdo, personagem e narrativas perfeitos, encontramos um trabalho gráfico belíssimo, dá gosto folhear, ler e ter este livro. 

Caso eu fosse traduzir esse livro em uma única palavra, creio que esta seria: Adorável. Resume tudo e tenho certeza que é um livro que merece atenção, que é feito para todas as idades e que tem potencial para fazer qualquer tipo de leitor: dos mais calouros aos veteranos se encantarem, se apaixonarem.
"Todo esse tempo, eu tinha achado que a nossa história fosse isto: a nossa história. Mas acontece que você tinha sua própria história e eu a minha. Nossas histórias podem ter se cruzado por alguns anos, o suficiente para que até parecessem ser a mesma história. Mas eram diferentes. E isso me fez perceber o seguinte: a história de cada pessoa é diferente, o tempo todo. Ninguém está com ninguém de verdade, mesmo que às vezes pareça estar." (p.18)

2 comentários:

  1. Oi Mila, eu estou de olho nesse livro já faz tempo e toda vez que vejo uma resenha dele, a vontade só aumenta. Quero saber como a Suzy vai lidar com a perda da amiga. Perder alguém que a gente gosta nunca é fácil né.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Priscila,

      Esse livro foi uma belezura que parou em minhas mãos e estou encantada ainda com essa leitura. É daqueles livro que a gente ama falar e queria que todas as amigas lessem.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!