Resenha: "Princesa de Papel - Série The Royals - Livro 1" de Erin Watt

Princesa de Papel - Série The Royals - Livro 1, Erin Watt, 
São Paulo: Planeta/Essência, 2017, 368 pág.
Tradução: Regiane Winarski
COMPRAR: Amazon, Saraiva

Saudações Leitores!
Paper Princess (2016) chamou minha atenção antes mesmo de ser publicado no Brasil, no entanto, não consegui adquirir a edição em inglês, portanto, li somente agora, o exemplar nacional. Princesa de Papel foi escrito por Erin Watt que nada mais é do que o pseudônimo de duas escritoras best-seller: Elle Kennedy e Jen Frederick, trata-se também do primeiro volume da Série Royal precedido por Broken Prince e Twisted Palace ainda não traduzidos e publicados no Brasil.

Se você já foi fisgado pela proposta desse livro, mas ainda não o adquiriu, quero deixar uma dica para economizar na compra: usem cupom de desconto do site Cupom Válido e comprem o exemplar com um precinho mais em conta e com o desconto vão juntando para comprar outro livro desejado.

Aqui iremos acompanhar uma narrativa em primeira pessoa, na voz da principal Ella Harper que é uma jovem órfã e está lutando diariamente para continuar estudando, se formar e cursar uma faculdade, para isso, após o falecimento de sua mãe ela seguiu a profissão da mesma: dançarina de striptease a fim de poder viver sozinha já que nunca soube quem era seu pai.
"O destino é para os fracos, pessoas que não têm poder ou força para moldar a vida como precisam que seja. Ainda não cheguei lá. Não tenho poder suficiente, mas terei um dia." (p.45)
Por jogo do destino, seu pai também morre em um trágico acidente, não sem antes ter recebido uma carta da mãe de Ella lhe informando da filha, após Callum Royal, melhor amigo do pai de Ella (Steve) ter conhecimento do fato ele vai em busca de Ella para ser seu tutor.

É aqui que a verdadeira ação do livro começa, pois aos trancos e barrancos Ella vai morar na mansão do poderoso Royal que incrivelmente é um viúvo lindo e mega milionário com cinco filhos homens incrivelmente tesudos (Gideon, Reed, Easton e os gêmeos Sebastian e Sawyer) que passam a implicar com Ella e a tornarem sua vida um verdadeiro inferno. 
Devo admitir que achei os filhos de Callum uns sacanas, mas com o desenrolar da história você consegue ver os motivos: sempre tiveram tudo o que quiseram e que o dinheiro podia comprar, as meninas todas abaixavam a calcinha por eles e eram órfãos com sérias mágoas pela morte da mãe. Era quase natural os cinco deuses da beleza se tornarem machistas extremistas, no entanto o mundo deles vira de cabeça para baixo quando passam a morar com Ella e a garota lhes mostra todo o poder feminino, a independência, a audácia e a perseverança de uma mulher.

Só que Ella é jovem e morar com vários homens bonitos mexe com sua líbido e ela acaba se apaixonando por Reed, o mais cruel dos irmão e o que é o líder da picaretagem, esse relacionamento não é destinado a ser um mar de rosas, pelo contrário é um campo de guerra e cheio de jogos de sedução.
"Aquilo foi a coisa mais sexy que vi em muito tempo. Vocês duas rolando no chão daquele jeito... Caramba. Tenho material pra descabelar o palhaço durante anos. | Que nojo. Não quero saber sobre você descabelando o palhaço." (p.167)
Princesa de Papel me deixou de queixo caído pois foi muito melhor do que eu esperava e amo quando essa sensação acontece, e mesmo não gostando muito de YA's porque geralmente carecem de ensinamentos ou de uma narrativa elaborada e personagens com carácter verdadeiros, este aqui tem tudo isso é.muito mais, sobretudo quando levado em conta que Erin Watt conseguiu trabalhar a história central bem como a de cada um dos personagens dando uma visão panorâmica daquilo que estamos conhecendo e os sentimentos e medos dos mesmos.

Simplesmente fiquei empolgadíssima lendo esse livro desde a primeira página me tornei fã da irreverência de Ella, da mente aberta e estruturada de uma adolescente que já passou por tanta coisa que teve que amadurecer precocemente, prova disso é que a garota não tem mínimo e mesmo quando está sofrendo ela não se vê como vítima, não leva desaforo para casa. Adorei a personagem.
Princesa de Papel é um.livro incrível e além da história viciante traz assuntos relevantes a tona: o uso de drogas e álcool, relações sexuais, violência sexual, machismo e uma série de outros temas que geram discussão.

Confesso que não sei se consigo esperar a publicação nacional do segundo volume porque o final de Princesa de Papel me destruiu, preciso saber o que vai acontecer o quanto antes.
Pra finalizar, fica a dica de leitura se você gosta de YA's, se gosta de romances picantes, se gosta de livros que trazem temas para serem discutidos. Aqui tem tudo isso, divirta-se!
"Minha maior habilidade, se é que tenho alga, não é dançar. É minha capacidade de acreditar que amanhã pode ser um dia melhor. Não sei de onde tirei esse otimismo. Talvez tenha sido da mamãe. Em algum momento, comecei a pensar que, ao superar uma experiência ou um dia ruim, eu sairia uma pessoa melhor, mais interessante, renovada." (p.176)

0 comentários:

Deixe seu comentário

Muito obrigada pelo Comentário!!!!