Resenha: "A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata" de Mary Ann Shatfer e Annie Barrows

A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata, Mary Ann Shaffer e Annie Barrows, Rio de Janeiro: Rocco, 2009, 304 pág.
Tradução: Léa Viveiros de Castro
COMPRAR: Amazon

Saudações Leitores!
A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata (The Guernsey Literary and Potato Peel Pie Society, 2008) foi escrito pelas norte-americanas: Mary Ann Shaffer e sua sobrinha Annie Barrows. Na realidade, o livro foi publicado postumamente, após a morte de Mary Ann e como o livro não tinha sido finalizado, sua sobrinha, Annie Barrows, tornou-se uma co-autora finalizando-o e preparando-o para a publicação.

Confesso que antes do lançamento do filme pela Netflix, com o mesmo título,  eu nunca tinha ouvido falar do livro, mesmo ele tendo sido traduzido para o Brasil há anos atrás. Vi muitos bons comentários a respeito do filme e decidi que queria conferi-lo apenas depois de ler o livro, não demorei muito para adquirir o e-book e o devorar!

"Talvez haja algum instinto secreto nos livros que os leve a seus leitores perfeitos. Se isso fosse verdade, seria encantador."
A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata é um romance epistolar, onde, através das cartas, vamos acompanhando o desenrolar dos fatos e memórias dos personagens. Deixem-me explicar melhor: Estamos vivendo o pós-guerra e todos estão tendo que se acostumar com as perdas e os traumas, é nesse contexto que uma carta vinda da Ilha de Guernsey chega às mãos da nossa querida escritora Juliet Ashton cujo remetente é um homem chamado Dawsey Adams que entrou em contato pois tinha conseguido um livro de Charlie Lamb que havia pertencido a Juliet e ele queria saber se Juliet conhecia outros livros do autor.

É aí que os dois começam a trocar cartas principalmente porque Juliet ficou curiosa a respeito da Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata  mencionada por Dawsey em sua carta, então ela, que tinha um artigo para escrever ao Times, pergunta se pode escrever sobre a Sociedade Literária e, assim, também, começa a trocar cartas com os integrantes da Sociedade, e todos acabam formando um laço muito íntimo e descortinando os fatos da criação, mistérios, desenrolar e reuniões da Sociedade Literária durante a ocupação Alemã. É através dessas cartas que "xeretamos" a vida de todos os personagens, pois as cartas se tornam bem íntimas e envolvem confissões sobre relacionamentos, perdas, necessidades de todos os personagens.
Através dessas cartas, conhecemos cada integrante da Sociedade Literária, o Editor de Juliet: Sidney; a irmã do editor e melhor amiga de Juliet: Sophie; e o namorado de Juliet: Markham Reynolds, entre outros que trocam cartas e/ou telegramas. É fascinante acabarmos encantados com os personagens apenas acompanhando a leitura das correspondências, mas é impossível não se apaixonar por cada um e por todos. Através dos relatos sofremos, rimos e nos emocionamos junto com os personagens e tudo o que eles passaram durante a guerra, a ocupação alemã e os traumas, medos e dúvidas que estão tentando superar no pós-guerra.

Nós, leitores, pensamos que não podemos ficar mais envolvidos com a estória e mais emocionados, mas aí vem o momento em que Juliet viaja para a Ilha de Guernsey a fim de conhecer, pessoalmente, a sociedade e seus integrantes, é através das cartas trocadas entre ela e o editor e a melhor amiga: Sophie que sabemos de toda a experiência incrível vivenciada por ela na Ilha.
"É isso que amo na leitura: uma pequena coisa o interessa num livro, e essa pequena coisa o leva a outro livro, e um pedacinho que você lê nele o leva a um terceiro. Isso vai, em progressão geométrica - sem nenhuma finalidade em vista, e unicamente por prazer."
Eu finalizei A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata com um quentinho bem gostoso no meu coração, sabe? É um livro que fala da guerra, mas que acontece no pós-guerra e está todo mundo meio traumatizado, esperançoso e cheio de dúvidas, mas são as experiências individuais e coletivas que tornam os dias melhores e esse sentimento de comunidade e solidariedade que o livro inteiro exala nas cartas. 

Em resumo, achei esse livro inteiramente encantado, uma leitura deliciosa que aquece a gente e para quem ama ler livros esse livro que fala de pessoas que amam e escrevem livros é uma experiência surreal de gostosa, nos salientando o quanto os livros e as leituras servem para aproximar e unir as pessoas,por mais diferentes e distantes que sejam, afinal, poe experiência própria: já me senti conectada com pessoas que nunca vi só pelo fato de as ter visto lendo o mesmo livro que já li e poder falar sobre livros com outras pessoas que leem. A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata é um livro adorável e já estou ansiosa para conferir o filme.
"Líamos livros, falávamos sobre livros, debatíamos livros e nos tornamos cada vez mais amigos."

4 comentários:

  1. Acabei de ver o filme estou encantada e ja louca pra ler o livro.
    I ♥ Ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um pouco diferente filme e livro, mas ambos são extremamente bons.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. Ahh amei a resenha, quero assistir :)

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro e o filme são ótimos, apesar de ligeiramente diferentes.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!