Resenha: “Se Eu Ficar” de Gayle Forman

Saudações Leitores!
Não é segredo que eu amo quando um livro é adaptado ao cinema, gosto de comparar qual é o melhor, então quando a NC lançou Se Eu Ficar* e sabendo que o lançamento do filme seria no princípio de setembro eu não pestanejei em ler o livro antes do filme [embora eu esteja postando a resenha só agora, o li antes do lançamento do filme] e o que posso dizer é que apesar de ter amado o livro, tenho quase certeza que vou gostar mais do filme por conta de todas as sensações que o livro me proporcionou e isso tende a se multiplicar ao assistir o filme.

Se Eu Ficar, Gayle Forman, Ribeirão Preto, SP: Novo Conceito, 2014, 224 pág.
Traduzido por Amanda Moura

If I Stay (2009) no Brasil Se eu Ficar foi escrito pela americana Gayle Forman ganhadora de vários prêmios por conta desse best-seller, inclusive Se eu Ficar ganhou as telonas recentemente com o mesmo nome do livro. Detalhe o livro tem continuação com Para Onde Ela Foi (2011) e, acredito, terá filme também.
Se eu Ficar conta a história de Mia uma adolescente que está na flor da idade e tem sua vida drasticamente mudada quando um acidente devastador acontece com ela e toda sua família: pai, mãe e seu irmão Teddy. A narrativa é em primeira pessoa: Mia conta o que lhe acontece depois do acidente em que ela fica em coma e tem uma experiência extracorpórea, assim sendo, vê tudo o que se passa com ela.
Mia e sua família tinham o relacionamento mais incrível do mundo: filha de pai músico, mãe compreensiva e um irmão que amava, num dia de neve decidem passear e nesse passeio o carro em que estão bate num caminhão e seus pais morrem na hora, Teddy logo em seguida, mas Mia sai de seu corpo logo após o acidente e percebe e acompanha a tragédia de sua vida. Está em coma.
"Hoje de manhã, saí com a minha família para um passeio de carro. E agora estou aqui, mais sozinha do que nunca. Tenho dezessete anos. As coisas não deveriam ter acontecido dessa forma. Não é isso que deveria ter acontecido com a minha vida." (p.136)

A noite Mia tinha planos de ir ao show da banda de seu namorado Adam em Portland, mas o acidente que acontece de manhã destroem todos os planos e as incertezas irão acompanhar os dias. Mia tinha o sonho de se tornar musicista, ela tocava violoncelo como se ele fosse um ser humano.
Se eu Ficar é um livro que aborda o sofrimento e as escolhas difíceis da vida. Mia, mesmo em coma, consegue relembrar de várias partes de sua vida: como se apaixonou pelo violoncelo aos seis anos, como conheceu Adam, o nascimento de seu irmão e o quanto seus pais se amavam e amavam os filhos. Ela se vê em conflito com todos os sentimentos: ela quer partir, mas não sabe o que fazer – se isso seria o que os pais gostariam – pois tem todos os motivos para não querer viver, entretanto reconhece que há tantos motivos para ficar: avós fantásticos, uma amiga fabulosa, Kim, um namorado que amam incondicionalmente e a música – motor propulsor de sua vida – então ela começa a avaliar toda a vida.
Quando Adam aparece no hospital tudo parece leva-la a querer ficar, mas algo diz que tem que partir, que não pode aceitar fazê-lo sofrer tanto, que motivos teria para ficar quando toda a sua família foi destroçada? Adam não suporta ver sua amada morrendo, sofre, mas não a quer deixar ir, não pode perdê-la e a coloca diante de todos os motivos certos para ficar.

"_Às vezes você faz escolhas na vida e outras, as escolhas vêm até você. Faz sentido para você?
Pensei sobre o violoncelo. E em como, por vezes, eu não entendia como tinha sido atraída para ele, e em como, às vezes, parecia que o instrumento é que tinha me escolhido." (p.159)

Não vou dizer que a narrativa seja completamente incrível, pelo menos não senti aquela ânsia pelo livro, mas isso não quer dizer que seja ruim, trata-se de um bom livro e com uma história fabulosa, com personagens bem criados e trabalhados, com uma reflexão incrível sobre a vida e a morte.
Além de vários pontos positivos o que mais me agradou foi o fato dele ser muito musical, Mia é uma musicista clássica [violoncelista] e seu pai era um roqueiro, além de Adam também fazer parte deste estilo musical, assim, o livro tem várias referencias musicais: desde clássicas à punk rock. Confesso que a referencia que mais me encantou foi a de Yo Yo Ma, com a música “Le Grand Tango” – sim, quando larguei o livro fui correndo no Youtube conferir algumas músicas e me emocionei, chorei muito, pois a música tornou o livro real, na minha mente a história de Se Eu Ficar aconteceu porque a música a tornou real, mostrou-me os sentimentos e as identidades dos personagens.
Uma música, uma letra mostra muito de uma pessoa e foi exatamente isso que aconteceu neste livro: os personagens se materializaram quando escutei a música. Além disso, se pararmos para pensar, quantas Mias existem no mundo? Os fatos do livro não são originais, pois conhecemos/lemos/assistimos muitas histórias semelhantes, mas o diferencial foi a forma como Gayle contou a história, a forma delicada como trabalhou as personagens e os sentimentos através dos flashbacks e das músicas. 
Se Eu Ficar é uma leitura agradável e rápida, além do mais a forma como foi contada encanta muito e no final do livro ainda somos presenteados uma a entrevista com os atores que fizeram o papel de Mia e Adam, trata-se de uma entrevista incrível! Não tenho dúvida de que irei amar o filme tanto quando amei o livro, provavelmente até mais! Vale a pena conferir!


*Este livro foi cortesia da Editora Novo Conceito, para saber mais clique AQUI.

4 comentários:

  1. Olá Mila!
    Você já assistiu ao filme?
    Estou louca para ler antes de assistir... Assisti só ao trailer e fiquei encantada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Adélia, ainda não assisti, mas pretendo! Também assisti ao trailer e fiquei encantada, como estava prevendo alguns spoilers depois do filme, resolvi ler o livro antes da estreia do filme. Agora posso saber dos spoilers e assistir filme sossegada. rsrsrs

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. A cada resenha que leio desse livro, com mais vontade eu fico, gostei da resenha do livro a história árece ser muito bonita.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise,
      Obrigada pelo comentário, a história é bem legal e contada de modo cativante, estou empolgada para ler o segundo volume. Embora não seja de todo original, tem uma delicadeza na história... e puxa, qual livro não fica ainda melhor quando envolve música.... boa música? (*.*)

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!