Resenha: “Encontros no Parque” de Hilary Boyd

Saudações Leitores!
O que posso dizer de Encontros no Parque*? Foi paixão a primeira vista por essa capa, depois eu imaginei que seria uma leitura engraçada, mas não foi, no entanto isso não tornou o livro ruim, pelo contrário chamou minha atenção a seriedade e a delicadeza com que os assuntos foram abordados e, confesso, este foi um dos livros que nada tem a ver com o estilo de livros que comumente leio, entendam o motivo:


Encontros no Parque, Hilary Boyd, Rio de Janeiro: Record, 2014, 336 pág.
Tradução de Eliane Fraga

O título original é Thursdays In The Park (2011) que na tradução literal seria “Quintas-feiras no parque”, mas na versão brasileira recebeu um título que, a meu ver, ficou bem charmoso Encontros no Parque. O livro foi escrito pela britânica Hilary Boyd que se tornou uma escritora best-seller, que antes de se tornar famosa recebeu muitos “não” em particular por Encontros no Parque. A escritora é conhecida por trazer em seus livros personagens mais maduros e mostrar que o amor chega a todas as idades.
No livro acompanhamos a história de Jeanie, uma mulher com 59 anos e que no decorrer da narrativa completa 60 anos de idade. Ela vive um casamento frio e vazio com George, há 10 anos o casal não dorme mais no mesmo quarto, não fazem amor e não conversam sobre suas intimidades e sentimentos. É um relacionamento sufocante, mas que teve um fruto: a filha do casal também já é casada e tem uma filha.
Jeanie até aprendeu a ‘rebolar’ conforme a música tocada no decorrer de seu casamento, afinal ela trabalha em sua loja e ama o que faz, além do mais tem a neta com quem passa todas as quintas-feiras no parque (por isso o título original do livro). É por causa de sua neta que Jeanie conhece Ray no mesmo parque que frequentam, ele também está ali com o seu neto. Ambas as crianças passam a brincar juntas e os avós começam uma amizade.
No decorrer do tempo Ray se mostra ser exatamente o que George não é e, nesse ínterim, Jeanie percebe estar se apaixonando por ele. O pior, ou melhor: aos 60 anos de idade não é um risco se apaixonar? E seu casamento? São muitos os conflitos psicológicos que são abordados nesse romance: valores, conceitos, sentimentos, felicidade, infidelidade. Tudo isso é um novo mundo para Ray, Jeanie e George.
Hilary Boyd consegue, durante a narrativa, mostrar tudo o que levou cada personagem da obra (incluindo a filha de Jeanie e seu marido) a serem quem são. Na verdade, o leitor se vê diante de seus próprios conceitos éticos e a vontade de desmoronar: torcer para que Jeanie e George se reconciliem ou que Jeanie fique com Ray...
Encontros no Parque mexeu com aquilo que considero certo e errado e me fez perceber como é tênue essa linha e quão facilmente ela pode ser partida, não posso dizer que o livro é de tirar o fôlego, porque não é e até mesmo a narrativa não chega a ser viciante. Mas o que me chamou atenção foi o fato dos personagens serem maduros e cativarem tanto, geralmente nós, jovens, temos a ilusão de achar que o amor é jovem e que os idosos não sentem, mas neste livro percebemos o contrário e até mesmo reflexões sobre o passar do tempo.
Se você está cansado de ler romances com personagens adolescentes ou parcialmente jovens e inconsequentes e cheios de mimimis, com certeza você precisa ler Encontros no Parque, você vai se chocar o quanto um relacionamento maduro e decidido pode ser especialmente lindo, mas leia esse livro com pés no chão ele é bem real, não existem loucuras amorosas ou frases de efeito, mas é tudo uma questão de decisão para o amor acontecer. Tão real!


*Este livro foi cortesia da Editora Record, para saber mais sobre ele clique AQUI.

2 comentários:

  1. A capa do livro é fofa e parece até ser uma história legal, mas não é algo que estou procurando ler no momento ainda mais que a narrativa é lenta. Ah...personagens sempre podem mudar nossa visão sobre um livro.
    Beijos!
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paloma,

      A capa é um encanto, mas o livro também tem uma história linda e singela, a narrativa lenta combina com o estilo do livro e o deixou charmoso... acho que vale a pena ler se você procura uma história diferente das que estão na moda e cujos personagens são sempre adolescentes imaturas e cheias de mimimis...

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!