Resenha: "Três Metros Acima do Céu" de Federico Moccia

Saudações Leitores!
Fazia anos que eu queria ler Três Metros Acima do Céu, porque minha amiga sempre falou muito bem dele e comecei uma procura ferrenha por um exemplar, mas não consegui porque não existem mais e quem o tem não troca e nem, por um decreto, vende. Então o desejo de ler Moccia era tão grande que – mesmo com tantos livros na minha estante para serem lidos – que pedi o exemplar da minha amiga emprestado. Foi lindo!
No entanto, confesso que minha amiga exaltou tanto esse livro que fui ler morrendo de medo de não gostar, mas EU AMEI: 1 A história é team; 2 Foge aos clichês; 3 Os personagens são de tirar o fôlego; 4 Um romance lindo de fazer suspirar e desejar um igual; 5 Arrancou-me sorrisos e lágrimas. Com estes ingrediente não tinha como o livro ser ruim. Agora preciso ler TODOS os livros do Federico Moccia. Confiram minha resenha/desabafo:


Três Metros Acima do Céu, Federico Moccia, Rio de Janeiro: Rocco, 2005, 359 pág.
Tradução de Mario Fondelli

Tre Metri Sopra il Cielo (1992) foi escrito pelo italiano Federico Moccia que além de escritor [fodástico] é roteirista e realizador [seja lá o que isso for]. Três Metros Acima do Céu (3MAC) foi publicado no Brasil em 2004 pela Rocco, e a edição desse livro encontra-se profundamente esgotada [infelizmente], detalhe esse livro tem duas adaptações cinematográficas uma italiana (Tre Metri Sopra il Cielo – 2004) e uma espalhola (Paixão sem Limites – 2010). Federico é autor de outros livros publicados pela Planeta Brasil [obrigadaaaaa editora]: Sou Louco Por Você (2006) (continuação de 3MAC), Desculpa se te chamo de amor (2007), Desculpa quero me casar contigo (2009) e Carolina se apaixona (2008).
Em Três Metros Acima do Céu somos apresentados a Babi, uma adolescente, 16 anos, que vive uma vida agradável é uma aluna exemplar, que tem uma família estruturada e muito doidinha, sua irmã mais nova, Daniela, é uma graça e ao invés de se espelhar na mãe se espelha na irmã como se ela fosse a heroína. Também conhecemos Pallina, melhor amiga de Babi, que é uma graça, além de doida e aventureira sempre acha as piores coisas naturais.

“O pãozinho se quebra em suas mãos enquanto alguma outra coisa se quebra dentro dela. Lembranças, emoções, momentos lindos, doces frases murmuradas começam a voltar à mente de Babi num atropelo de ilusão.
Uma lágrima ingênua escorre pelo seu rosto. Pára um momento no queixo, indecisa. Então, empurrada pela dor, dá um pulo no vazio.” (p.129)

A vida de Babi vai correndo como o normal, até ela cruzar com Step (Stefano) e Pollo. Babi tenta resistir a paixão que começa a nascer por Step. Step é o bad boy gostoso e gato e tesudo e maravilhosamente lindo, literalmente: se envolve em brigas, corridas de motos perigosas, inconsequente e perdeu a noção do certo e errado. Não existe um casal mais improvável do que Step e Babi.
Durante toda a leitura ficamos numa dicotomia em relação a Step: é uma relação de amor e ódio – literalmente – é impossível não se apaixonar por Step, e entender seus muitos motivos de rebeldia, mas é impossível não perceber o quando ele quebra o nosso paradigma de certo e errado e o quanto ele pode ser inconsequente e irresponsável.

"_Por quê? Não se divertiu?
_Muito! Eu dou uma de cinturada todos os dias. Sempre sou perseguida pela polícia, pulo de motos em movimento bem no meio do nada, fujo de cães raivosos e, como toque final, mergulho no estrume, fico um tempinho aproveitando o banho de beleza e depois volto para casa de calcinha e sutiã." (p.174)

Um dos pontos altos desse romance é que Moccia soube criar muito bem seus personagens Babi é irritante, mas é exatamente o que se espera de uma menina que sempre teve tudo na vida e que quer se rebelar, suas atitudes são especialmente peculiares a de qualquer adolescente frente a seu primeiro amor. Step, sem palavras para descrever que esse personagem é construindo através de todo um processo psicológico que o tornou como ele é e mesmo assim parece não perder a essência.
É terrível esse sentimento de impotência porque eu ficava desejando que o amor de Babi e Step se concretizasse e ficava dizendo “Cai fora Babi, esse cara é a maior roubada”, eu fiquei torcendo para que Step mudasse, mas ao contrário dos livros clichês em que duas pessoas se apaixonam e mudam da água para o vinho por causa desse amor, isso não acontece. No plano real isso não acontece, é muito difícil alguém mudar outra pessoa, principalmente quando a pessoa não está aberta a mudanças, por isso o dilema e drama de Babi também foram os meus: continuar apaixonada por Step ou deixá-lo?

“Desiludida, sozinha, da mesma forma como sozinha se iludiu. Fica com um copo vazio entre as mãos e com algo mais difícil de preencher por dentro. Ela, um mero adubo daquela planta que, aos poucos, floresce sobre um túmulo de um amor que murchou. Aquela planta rara à qual damos o nome de felicidade." (p.221)

Não duvidei por nenhum segundo que Step se apaixonou perdidamente por Babi, não duvidei do amor de Babi por Step, mas desde o começo do livro vi a incompatibilidade e sofri até a última página que foi uma surpresa porque um leitor não perde as esperanças até chegar a última página e por isso agora eu preciso da continuação Sou Louco Por Você.
Sinceramente, eu não faço a menor ideia de como vocês podem conseguir esse livro, mas de uma coisa eu sei: precisam ler. No começo ele pode não ser o que você espera porque Moccia escreve de uma forma intensa e cheia de fragmentos e entrelinhas, mas ao se adaptar com a escrita a leitura se torna viciante, a não ser que você faça como eu: leia página a página e fique poupando para não ver o livro acabar e ficar órfã. Só sei que saí lendo as páginas e deixando partes do meu coração nesse livro junto com algumas lágrimas que se precipitaram de meus olhos
Ai meu Deus eu preciso mais e mais e mais do Step... meninos maus e irresponsáveis não são boas opções, mas são tão sexys e sedutores que me vejo a suspirar... tô aqui tentando imaginar a gostosura de ver Stefano na minha frente, acho que até infartava.

"E, lá em cima, inalcançável, onde só os amantes podem chegar, está escrito: "Eu e você... três metros acima do céu."" (p.329)

Sabe, não entendo porque tudo o que é lindo tem que trazer um pouquinho de tristeza junto. Esse livro é simplesmente perfeito: doce, lírico, trágico e é no fim a gente explode de felicidade e de tristeza. Como pode alguém chegar a três metros acima do céu e, de repente, cair e perder aquilo que te mantêm de pé? Sério, estou sofrendo, chorando e sinto que queria poder ajudar, mas nem todos os personagens de livros podem ser ajudados, né, Step?

6 comentários:

  1. Eu acho que esse final triste deu um quê a mais de realismo num romance adolescente do qual não espera-se muito. Sinceramente, um dos melhores romances que já li, inclusive com a melhor adaptação(a espanhola de 2010). Muito lindo mesmo. Espero que venha mais um livro por aí, porque o dois me decepcionou

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Misty, que comentário lindo e verdadeiro, dá gosto de ler!!!
      Obrigada.

      Concordo plenamente com você sobre o final, é realmente assim os romances adolescentes, mas a gente sempre espera que os livros tenham finais felizes... contudo eu não mudaria nada - absolutamente nada - nesse livro, achei genial do começo ao fim: a falta de preocupação peculiar dos jovens, a vontade de mostrar-se corajosos em todas as situações, a descoberta do amor, a ilusão, a perda, a esperança... a juventude/adolescência/vida está repleto disso.

      Não posso dizer que não tinha muita expectativa sobre esse livro, pois várias das minhas amigas falaram tão bem dele que acabei ficando com medo de ler e me decepcionar, fui ler com doses extras de cautela e me surpreendi.

      Realmente a adaptação espanhola desse livro está muito boa e de arrancar suspiros, falei sobre ela em uma postagem aqui no blog....

      Também me decepcionei um pouco com o segundo livro, mas essa é outra história que contar numa próxima resenha que em breve postarei aqui no blog, mas se tiver e vier um terceiro livro ele será tão bem vindo tão amado por mim... rsrsrsrs

      xoxo
      MilaF.

      Excluir
  2. adorei a sua resenha. Já li em pdf pelo celular e não acho o físico de jeito nenhum :(
    gosto mais do filme, mas o livro, claro, é completo e tem várias partes que explicam algumas coisas deixadas para trás no filme.
    quatroestacoes.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Danny,

      seja bem-vinda.
      Realmente o livro físico é uma obra rara, é muito difícil encontrar... a não ser de pessoas particulares que não o queiram mais... Ok, mas é fácil encontrar a versão em PDF (graças a Deus)
      O filme realmente é muito bom, mas o livro - como vc mesma salientou - é bem mais completo, acho que vale a pena conferir ambos.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  3. Oi meninas, vi os filmes e estou louca atras dos livros, o segundo eu achei, mas o primeiro não acho nem por decreto... alguma sugestão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi...

      queria que você tivesse disponibilizado um e-mail para eu lhe responder, no entanto, sendo otimista e acreditando que voltará aqui vou responder por aqui.
      Realmente o primeiro livro é uma edição rara e não existe a venda em lugar algum no país... você ainda poderá encontrar essa versão em Português de Portugal, Espanhol, Italiano, mas o português do Brasil é muito difícil...
      Passei anos para conseguir meu exemplar físico, foi cerca de 3 anos tentando achar em sebos, lojas, ou fazer troca com quem queria 'se desfazer' do livro, até que um dia encontrei alguém que não quis trocar, nem vender, mas me deu o livro (ele está bem velhinho) mas tem toda essa história em que consegui realizar o sonho de possuí-lo.
      A opção para quem não encontra o livro físico é baixar em PDF...

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!