Resenha: “Bom de Briga” de Markus Zusak

Saudações Leitores!
Já faz algum tempo que li o primeiro livro da trilogia dos Irmãos Wolfe e como O Azarão ficou muito aquém das minhas expectativas criei um certo receio em lei a continuação Bom de Briga, mas após superá-lo li o segundo volume e tive uma feliz surpresa, vem conferir:  

Bom de Briga, Markus Zusak, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013, 208 pág.
Traduzido por Ana Resende

Fighting Ruben Wolfe foi publicado originalmente em 2000, no Brasil tem o título Bom de Briga, e é o segundo livro da trilogia dos Irmãos Wolfe, precedido por O Azarão escrito por Markus Zusak, o autor best-seller de A Menina que Roubava Livros.
Já tem algum tempo que li O Azarão, mas o fato que se deu foi: não gostei do livro, achei de certo bobo, ou melhor, depositei muitas esperanças e me frustrei loucamente, logo eu tinha lido A Menina que Roubava Livros e achei tão genial que achei que essa trilogia seguiria o mesmo nível, embora tivesse sido escrito primeiro, foi aí que me frustrei.

"Sabe, fica fácil se livrar de alguém que a gente simplesmente detesta. O problema é que quando você gosta da pessoa, aí fica difícil de controlar. Com um pouco de simpatia, tudo pode acontecer. É uma combinação mortal." (p.49)

Acho que já vim mais preparada para o que viesse em Bom de Briga, e foi aqui que me surpreendi, porque o livro superou, e muito, minhas expectativas, a narrativa ficou muito mais envolvente, os personagens também chamaram mais atenção e o rumo que a história tomou foi bem mais interessante que o volume 1 da trilogia.
Neste segundo volume, após os acontecimentos do primeiro livro as coisas não andam tão bem para a família Wolfe, e novamente ficamos sabendo das dificuldades encontradas por todos os integrantes da família: o pai está desempregado desde o acidente, a mãe tem dado muito duro nos trabalhos para poder manter a casa, o irmão mais velho está saindo de casa, a irmã está sem rumo após ter sido largada pelo namorado, Rube e Cameron continuam um pouco inconsequentes, mas mais adultos.

"Você não acha engraçado como o tempo parece fazer um monte de coisas? Ele voa, ele diz e, o pior de tudo, ele acaba." (p.94)

Na escola os amigos de Rube e Cam começam a soltar piadas para os dois a respeito do pai desempregando e da irmã que se tornou vadia, Rube não aguenta e quebra a cara da criatura que o provocou. A Fama de Rube se espalha e daí surge uma oportunidade, desse modo a brincadeira (que vimos no livro anterior) dos irmãos Wolfe ficarem lutando com apenas uma luva de boxe no quintal acaba se tornando algo sério.
Perry, um homem que faz apostas em lutas e promove um campeonato de lutas clandestinas propõe que Rube e Cam lutem para ele, pois é uma forma de ganhar dinheiro. De fato os irmãos abraçam essa oportunidade e é a partir daí que eles se veem em conflito também: quando mais lutam mais se tornam conhecidos, ganham dinheiro, não obstante, também perdem suas essências. Desse modo Bom de Briga é um litro intenso que mostra o interior dos irmãos: os medos, anseios, é o livro em que eles tentam se descobrir e até mesmo lutarem contra si mesmos.

"_Não perca o seu coração, Rude.
_Não estou tentando perder, Cam. Estou tentando encontrar." (p.137)

Entre os capítulos, ao invés dos sonhos completamente sem noção de Cameron que tínhamos no primeiro livro, em Bom De Briga temos os diálogos entre Cam e Rube, o que nos proporciona um melhor conhecimento dos personagens. Também pude perceber que este volume focou mais em Rube do quem em Cam, mas, é claro não deixou nenhum integrante Wolfe para trás, porque à medida que a narrativa se aprofundava também sabíamos o que acontecia com os demais integrantes da família.
Para mim, este livro foi fantástico e absolutamente melhor que O Azarão, me fez voltar a apreciar o escrito. O livro que não é volumoso e teve a capacidade de mexer com meus sentimentos! Em algumas horas dá para lê-lo e, sem dúvida alguma, vale a pena a leitura.

"Mas nenhum de nós sabe, porque uma luta não vale nada se você sabe desde o início que vai ganhar. São as lutas no meio disso que põem você à prova. São as que trazem perguntas com elas.
Um lutador pode ser um vencedor, mas isso não faz de um vencedor um lutador." (p.180)

6 comentários:

  1. Ótima resenha!
    Ainda não li nenhum livro desse autor, mas fiquei com vontade de ler O Azarão e esse tb.
    SUA ESTANTE
    Gatita&Cia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tati,

      Que bom que a resenha te despertou interesse, espero que tenha oportunidade de ler, mas comece por A Menina Que Roubava Livros, é fantástico. Infelizmente, quando o li não tinha o blog e portanto, não tem resenha aqui, mas o livro é ótimo.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. Oi,Mila!
    A minha única experiência com SUzak foi através do livro A menina que roubava livros que, até hoje, se mantém intacto como o primeiro livro favorito da minha estante. Lmbro-me que na época fiquei encantada com sua escrita e pela história tão forte, densa. Eu sempre quis conhecer essa série, mas o meu receio é tão grande que sempre acabo desistindo. Não gostaria de me decepcionar porque ainda não estou preparada para retirá-lo do pedestal, entende? De qualquer maneira eu irei dar uma chance sim, pois acredito em suas palavras. E o cara é humano, comete erros, pode vacilar entre uma história e outra, né? Normal.
    Bjs!

    Zilda Peixoto
    http://www.cacholaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Zilda,

      A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS está entre meus livros favoritos também, achei genial tudo! Perfeito.
      Compreendo o que você quer dizer, mas acho que vale lembrar que essa trilogia faz parte dos primeiros livros do autor, então, já é bom ler com o pé atrás, mas sem dúvida o segundo livro deu um UP, o primeiro (O Azarão) foi monótono, para mim, mas é essencial e agora eu entendo isso, sabe? serviu até para o próprio autor ir amadurecendo na sua escrita.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  3. Só conheço o trabalho do autor por seu livro mais famoso (um dos melhores, por sinal), mas tenho muito interesse em ler essa trilogia. Já vi resenhas bem variadas em relação a todos os livros, um verdadeiro misto de amor e ódio, por isso não dá para criar muitas expectativas e acho que isso pode contribuir para uma boa experiência de leitura. ;) Aliás que bom saber que esse livro surpreendeu positivamente, diferente do anterior.
    A única coisa que não gosto é de a trilogia não ter sido lançada inteiramente pela mesma editora. :x

    Beijos, Mila!
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rick!!!!!!

      Pois eh, infelizmente o último livro não foi publicado pela Bertrand e isso faz com que ele tenha mudado o padrão de capa e o tamanho do formado do livro, acho que eles deveriam ter ao menos seguido a proporção dos outros livros, mas enfim, pelo menos foi publicado no Brasil.
      Por serem os primeiros livros escritos pelo autor que ficou consagrado pelo fabuloso A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS é natural que haja proporções diferenciadas de opinião. Na verdade criamos expectativas e são elas as piores vilãs.... como li o segundo sem expectativa alta, foi uma surpresa deliciosa e aproveitei a narrativa e a história que deu uma levantada.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!