Resenha: "A Menina Submersa: Memórias" de Caitlín R. Kiernan

Saudações Leitores!
Li A Menina Submersa: Memórias mês passado (junho) e foi uma leitura bem louca. Esse livro foi o primeiro que comprei da Editora Darkside Books e comprei em pré-venda, mas fui adiando a leitura até o mês passado. Esse foi um dos livros que comprei pela capa e por essas folhas rosas (sim, sou dessas) e apesar de ter sido bem confusa, foi uma leitura boa, desse modo, segue abaixo a minha péssima tentativa de resenhar um livro tão complexo:


A Menina Submersa: Memórias, Caitlín R. Kiernan, São Paulo: Darkside Books, 2014, 320 pág.
Traduzido por Ana Resende

The Drowning Girl: a memoir (2012) foi escrito pela irlandesa Caitlín R. Kiernan, autora de ficção científica e fantasia dark. Kiernan já escreveu dez romances, dezenas de quadrinhos, mais de 200 contos e novelas.

Nenhuma história tem começo e nenhuma história tem fim. Começos e fins podem ser entendidos como algo que serve a um propósito, a uma intenção momentânea e provisória, mas são, em sua natureza fundamental, arbitrários e existem apenas como uma ideia conveniente na mente humana. As vidas são confusas e, quando começamos a relacioná-las, ou relacionar partes delas, não podemos mais discernir os momentos precisos e objetivos de quando certo evento começou. Todos os começos são arbitrários. (p.17)


Simplesmente não sei como começar a escrever a resenha de A Menina Submersa: Memórias, porque, definitivamente, esse foi o livro mais louco que já li na minha vida. Isso é um ponto positivo. Mas a sensação que ficou quando virei a última página foi de que ia precisar de um bom tempo para assimilar a história, pois seria necessário refletir muito antes de conseguir falar sobre este livro.


Ainda estou pensando sobre o que li, mas decidi que precisava desabafar, então lá vamos nós: India Morgan Phelps (Imp) é esquizofrênica e decidiu escrever suas memórias (o que faz desse livro um livro dentro do livro)  que é como se fosse esse livro que temos nas mãos. Ela se propõe a contar uma história sofre fantasmas. E que história louca!

Essa é outra forma de ser assombrada: começar algo e nunca terminar. Não deixo pinturas inacabadas. Se começo a ler um livro, tenho de terminar, mesmo que eu o odeie. Não desperdiço comida. Quando decido dar uma volta e planejo que caminho seguir, insisto em caminhar até o fim, mesmo se começar a nevar ou chover. Caso contrário, tendo a brigar com a coisa inacabada que fica me assombrando. (p.38)


Como Imp é esquizofrênica e a narrativa de A Menina Submersa: Memórias é feita em primeira pessoa isso vai gerar uma terrível falta de linearidade e coerência pois a esquizofrenia é uma doença mental bastante perturbadora em que pode alterar completamente a percepção da realidade do indivíduo e muitas vezes o indivíduo com essa doença se vê em terceira pessoa, como alguém fora de si mesmo. Dito isso, acredito que vocês já podem ter uma ideia sobre como é perturbadora e confusa a narrativa de uma personagem esquizofrênica. 

O fato é que o leitor começa a acompanhar uma história que é contada através de várias histórias, porque Imp costuma começar uma coisa e terminar com outras, mas no final tudo está ligado de uma forma confusa mais coerente até determinado ponto. No entanto, o leitor, se vê em contante desespero por não saber se pode ou não confiar em Imp, pois sua doença a torna uma narradora não confiável e você, de fato, não sabe se tudo o que ela está contando realmente aconteceu, se são ilusões mentais ou mesmo um surto psicótico.

A própria Imp confessa que não sabe se o que ela está escrevendo é real ou ficção, mas a prática da escrita é uma forma de exorcizar os fantasmas, uma tentativa, fugaz, de tentar separar o real do imaginário.


Fantasmas são essas lembranças fortes demais para serem esquecida, ecoando ao longo dos anos e se recusando a serem apagadas pelo tempo. (p.23)

Sem dúvida alguma esse foi o livro mais doido, incrível, confuso, perturbador, curioso, assustador que já li. Conseguir entrar na cabeça de Imp, ou seja, de um "serumaninho" esquizofrênico é assustador e fantástico ao mesmo tempo.

Outro ponto bastante interessante é que esse foi o primeiro livro que li que tem uma personagem transexual e que é homossexual (Abalyn e Imp) que foi trabalhado de uma forma livre de preconceito e bem real, sem dar uma atenção exacerbada ao fato da transexualidade e homossexualidade, foi tudo trabalhado de uma maneira bem natural. 


Para finalizar gostaria de dizer que A Menina Submersa: Memórias é um livro extremamente original e diferente, tão diferente do que estamos acostumados que pode ser que não agrade a todos os leitores, mas fica a dica para quem vai lê-lo: procure conhecer e pesquisar sobre esquizofrenia, pois só assim se é capaz de compreender melhor o livro e a narrativa confusa.

Também vale frisar que A Menina Submersa: Memórias, além de ser um pouco confuso, tem uma narrativa lenta e em alguns pontos maçante, no entanto, se observarmos bem, isso tudo tem um sentido dentro da história e vale a pena o leitor insistir e se desafiar a lê-lo completamente. Um livro bem escrito já vale o mérito da leitura e A Menina Submersa: Memórias é merecedor. 


Sempre há um canto de uma sereia que te seduz para o naufrágio. Alguns de nós podem ser mais suscetíveis que outros, mas sempre há uma sereia. Ela pode estar conosco durante toda a vida ou pode estar aí há muitos anos ou décadas antes de nós a encontrarmos ou de ela nos encontrar. (p.107)

6 comentários:

  1. Achei essa capa maravilhosa e só isso ja fez com que ele fosse para minha lista, agora com a resenha estou com mais vontade ainda de ler!
    http://no-universo-dos-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luana,

      então não só a capa é bonitona, toda a edição é perfeita e caprichada... só é um livro difícil de ler, mas é muito bacana quando analisamos como um todo a experiência de leitura.

      xoxo
      MilaF.

      Excluir
  2. Olá, Mila!

    Já tinha ouvido falar desse livro, mas, coo não sou muito chegada em histórias com fantasmas, nem dei muita bola. Não sabia que o liro também falava sobre transsexualidade, isso contou uns pontos positivos para mim! Quem sabe eu não saio da minha zona de conforto por ele :) Até porque, essas páginas rosas ficaram mesmo lindas <3

    Abraços,
    Elisa~
    The Fat Unicorn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elisa,

      O livro é incrivelmente lindo. A história não é tão viciante, mas o conjunto (a análise como o todo) é fabuloso. Eu gostei.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  3. Impressão minha ou a capa lembra uma sepultura?.... Já unha ouvido falar desse livro, mas não tinha idéia sobre o que se tratava....excelente resumo querida...bjs e tudo de bom e

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Daniele,

      muito obrigada.

      Agora que você falou, sabe que dá uma lembrada mesmo com uma sepultura!

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!