Resenha: "Harry Potter and the Cursed Child" de J.K. Rowling, John Tiffany & Jack Thorne

Saudações Leitores!
Dá para imaginar como uma fã de Harry Potter ficou emocionada com a publicação de Harry Potter and the Cursed Child? É claro que não tinha condição de eu esperar pelo lançamento nacional e já corri para adquirir e ler a versão em inglês.

Harry Potter and the Cursed Child, J.K. Rowling, John Tiffany & Jack Thorne,
 Scholastic, 2016, 320 pág.

Harry Potter and the Cursed Child é a oitava história da série Harry Potter criada por J. K. Rowling, no entanto, desta vez a história é "contada" de uma forma diferente, isto é, através do roteiro da peça com o mesmo título, além disso a peça foi escrita através da história original de Rowling com a participação de John Tiffany e Jack Thorne. O livro ainda não foi publicado no Brasil, mas a previsão já é para o final de outubro e o título brasileiro é Harry Potter e a Criança Amaldiçoada.


"Harry, there is never a perfect answer in this messy, emotional world. Perfection is beyond the reach of humankind, beyond the reach os magic. In every shining moment of happiness is that drop os poison: the knowledge that pain will come again. Be honest to those you love, show your pain. To suffer is a human as to breathe." (p.258)

Aqui vamos acompanhar a história de Harry Potter pai de três filhos em idade escolar, ministro da magia e cheio de responsabilidades e preocupações. Acompanhamos mais de perto a relação conturbada que Harry tem com seu filho Albus, que é tudo ao contrário do que Harry esperava. É difícil ver que Harry e Albus não conseguem se entender e, como leitora apaixonada por Harry, isso me deixou abalada, mas é interessante ver que Harry também erra e não tem uma vida perfeita. Porque ninguém tem.


Albus vai para Hogwarts com altas expectativas, já que seus irmão, seus pais e tios sempre lhe falaram bem da escola, mas o garoto terá que lidar com algo maior: as expectativas e os olhares dos demais alunos por ele ser filho do famoso Harry Potter, o menino que sobreviveu. Aparentemente as qualidades de Albus não vão de encontro com as expectativas em geral e ele acaba se afastando de todos e cultivando apenas uma amizade que nem é bem vista: Scorpius Malfoy.

"Albus Severus, you were named after two headmasters of Hogwarts. One of them was a Slytherin and he was probably the bravest man I ever knew." (p.11)


A inconformação de Albus por não ser o que seu pai e os outros esperam vai fazê-lo tomar algumas decisões e fazer coisas que podem resultar em algo terrível ou mesmo proporcionar que as trevas voltem a cobrir o reino mágico, nisso Scorpius tenta alertar Albus, mas o garoto é teimoso, então Scorpius segue o amigo.

Ah, gente, posso dizer que amei Scorpius Malfoy, mesmo odiando o pai dele, Draco? Eu simplesmente vi em Scorpius uma Hermione da vida e alguém cheio de amor para dar e Albus foi o único que abraçou esse sentimento. Albus e Scorpius se converteram no meu Bromance preferido EVER.

"How to distract Scorpius from difficult emocional issues. Take him to a library." (p.81)


Adorei poder ver Hermione, Rony como um casa e pais. Amei ver o relacionamento entre Harry e Ginny, Gostei de ver Draco alguém mais evoluído e alguns outros personagens conhecidos da série. É sempre bom voltar para meu mundo mágico favorito. Sinto-me em casa. Como faz para J.K. Rowling continuar escrevendo sobre a série... Há toda uma geração de novos leitores que precisam conhecer o que é a ansiedade de esperarem um lançamento do livro e o lerem até em inglês porque não tem paciência de esperar a tradução.

"Draco: My father thought he was protecting me. Most of the time. I think you have to make a choice - at a cetain point - of the man you want to be. And I tell you that a that time you need a parent or a friend. And if you've learnt to hate your parent by then and you have no friends... then you're all alone. And being alone - that's so hard. I was alone. And it sent me to a truly dark place. For a long time. Tom Riddle was also a lonely child. You may not understand that, Harry, but I do - and I think Ginny does too." (p.136)


É importante frisar que alguns leitores podem sentir um estranhamento com a maneira que a história é contada: através de atos e cenas e conterem muitos diálogos (alguns profundo e outros mais rasos) e pouca descrição de ambiente, mas é bom lembrar que é uma peça de teatro, então é assim que peças são escritas. Apesar de ser apenas as falas dos personagens e algumas descrições de ações e cenas dá para compreender bem o desenrolar da história (contudo, não pude evitar de ficar imaginando o quanto seria emocionante se fosse um romance como os demais livros da série). 

Enfim, ao terminar a leitura de Harry Potter and the Cursed Child não consigo encontrar palavras para dizer o quanto gostei e me emocionei lendo, juro que ficava toda arrepiada. Como disse, li em inglês, mas a intenção é conferir também a versão traduzida quando ela chegar nas terras brasileiras.

"I know. But the thing that scares me most, Albus Severus Potter, is being a dad to you. Because I'm operating without wires here. Most people at least have a dad to base themselves on - and either try to be or try not to be. I've got nothing - or very little. So I'm learning, okay? And I'm going to try with everything I've got - to be a good dad for you" (p.306)

2 comentários:

  1. Tão bom quem lê em inglês, infelizmente não tenho essa experiência, então tenho que esperar até o final desse mês (comprei em pré-venda)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos,

      Eu também comprei o português em pré-venda e estou ansiosa para que ele chegue, mas eu não consegui esperar o lançamento e comprei o inglês também! Amei, amei, amei...

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!