Resenha: "Um Verão Para Recomeçar" de Morgan Matson

Um Verão Para Recomeçar, Morgan Matson, Ribeirão Preto, SP: Novo Conceito, 2017, 352 pág.
Tradução: Maria Angela Amorim De Pachoal
COMPRAR: Amazon

Saudações Leitores!
Second Chance Summer (2012), foi finalmente publicado no Brasil e meu coração saiu os pulos de alegria, pois há muito tempo queria ler, escrito pela norte americana Morgan Matson, trata-se do segundo livro escrito pela autora e é um ganhador do California State Book Award, no Brasil recebeu o título de Um Verão Para Recomeçar

Há um tempo atrás vi no instagram alguém falando desse livro e quando li a sinopse fiquei tipo: Quero. Mas como só havia em inglês e o preço estava muito salgado fui adiando a comprar para quando eu tivesse coragem, só que recentemente descobri que o livro foi publicado no Brasil pela Novo Conceito. Não pensei duas vezes e já comecei a ler.

Em Um Verão Para Recomeçar vamos acompanhar a história de Taylor, uma jovem de 17 anos que vê seu mundo desmoronar quando seu pai é diagnosticado com câncer e está completamente desenganado, isto é, tem apenas alguns meses de vida. 
"... deixar algo para trás não queria dizer que esse algo tivesse deixado de existir."
O pai querendo ter uma vida normal e acima de tudo, aproveitar seus últimos meses com sua família combina com sua esposa e seus filhos: Taylor, Gelsey e Warren de passarem o verão no Lago Phoenix, lugar em que todos costumavam passar o verão até 5 anos atrás.
Taylor relembra do tempo em que tinha 12 anos (5 anos atrás) e o motivo dela não ter querido voltar mais para o Lago Phoenix, pois foi lá que ela conheceu seu primeiro amor: Henry, um amor que ficou meio não resolvido com a fuga de Taylor - que costuma fugir quando vê o menor dos problemas - e foi lá, também, que se afastou de umas de suas melhores amigas: Lucy.

No decorrer da narrativa ficamos sabendo dos motivos que afastaram Taylor do Lago Phoenix por 5 longos anos, também percebemos que o crush por Henry continua forte e até mesmo Um Verão Para Recomeçar deixa a impressão de que vai ser um romance clichê, OK, ele tem seus clichês, mas tem todo um contexto e vários pontos reflexivos como o fato de Taylor sempre fugir quando tem um problema, as relações de amizade e como ela e a família estão encarando os últimos dias com o pai.
"Ao olhar para a água, me toquei que não tinha para onde fugir, nenhum lugar para ir. E eu só tinha de permanecer ali, enfrentar essa verdade terrível. Sentia, quanto mais as lágrimas caíam, como estava exausta, um cansaço que não tinha nada a ver com o horário. Estava cansada de fugir do assunto, cansada de não contar às pessoas, cansada de não falar a respeito, cansada de fingir que as coisas estavam bem quando elas nunca estiveram tão mal."
Entre esse turbilhão de sentimentos ter uma vida normal é complicado para Taylor e seus irmãos, além disso ver o pai definhar e a mãe sofrer também não é algo que qualquer jovem possa lidar. Como leitora, consegui me envolver completamente com a estória e os personagens, obviamente, alguns eu gostei mais que outros, mas é um livro que me deixou completamente envolvida, Morgan Matson soube dosar bem a atmosfera que quis passar para os leitores: algo ensolarado, mas com um sentimento triste.
"É que as pessoas só se machucam... se machucam de verdade... quando tentam ficar seguras. É assim que as pessoas se machucam, quando elas dão para trás no último instante porque estão com medo. Elas se machucam e machucam outras pessoas."
Foi completamente impossível ler Um Verão Para Recomeçar e não lembrar de outros livros que trazem a mesma atmosfera, ou alguns fatos semelhantes (contados de forma diferente, claro!) como: A Última Música (Nicholas Sparks), Nosso Último Verão (Ann Brashares) e Vinte Garotos no Verão (Sarah Ockler), então já aproveito para deixar estas sugestões de leituras.

Para finalizar, Um Verão Para Recomeçar, traz um tema triste, mas profundo e muito reflexivo como a nossa fragilidade e o fato de que de uma hora para outra o mundo pode desmoronar, mas mostra uma forma de ser forte e aprender a lidar com estes problemas da melhor forma possível. Um livro cheio de recomeços. Amei em todos os aspectos.
"Desejei que houvesse algo que eu pudesse fazer para ajudá-lo. Mas tudo que eu podia fazer era ficar deitada ali, ouvindo cada respiração ofegante, e entrecortada, contando cada uma dela. Estava ciente de que não haveria muitas mais e, de certo modo, não prestar atenção a cada uma delas seria um grande ato de indiferença. Então fiquei ali deitada, só ouvindo, sabendo que cada suspiro era mais um momento em que ele ainda estava ali e, ao mesmo tempo, significava que ele estava mais um passo próximo do fim."

0 comentários:

Deixe seu comentário

Muito obrigada pelo Comentário!!!!