Resenha: Os Testamentos (O Conto da Aia, Vol. 2) - Margaret Atwood

segunda-feira, março 23, 2020


Os Testamentos, Margaret Atwood, Rio de Janeiro: Rocco, 2019, 448 págs.
Tradução: Simone Campos
COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

Saudações Leitores!
Os Testamentos (The Testaments, 2019) é a mais esperada sequência do aclamado O Conto da Aia (The Handmaid's Tale, 1985) da escritora canadense Margaret Atwood que, após 34 anos, resolveu responder algumas perguntas de seus leitores, sobretudo, surgidas após a adaptação pela Hulu, do livro para série de TV.

Os Testamentostrata-se de um spin-off que se passa 15 anos depois dos acontecimentos de O Conto da Aia e, só posso dizer que estava ansiosa para ler este livro desde o lançamento e minhas expectativas estavam altas para "colher" algumas respostas de Atwood. Confesso que a escritora não me decepcionou em nada, pelo contrário, surpreendeu-me.


... estou ciente do risco que corro: escrever pode ser perigoso. Que traições, e então que acusações, podem estar à minha espera? Há muita gente em Ardua Hall que adoraria se apoderar dessas páginas.


A narrativa é estruturada da mesma forma que o primeiro volume, ou seja, através de registros do passado. Enquanto no primeiro livro temos as transcrições das gravações da Aia chamada Offred, em Os Testamentos temos três registros: o diário de Tia Lydia (que já era personagem em O Conto da Aia) e dois depoimentos, um da testemunha 369A e outro da testemunha 369B.

Você me pediu para contar como foi crescer em Gilead. Você diz que isso vai ajudar, e eu quero ajudar, é claro. Imagino que você esteja esperando apenas horrores, mas a verdade é que muitas crianças eram amadas e queridas, assim em Gilead como em todo lugar, e muitos adultos eram bondosos, mas falíveis, assim em Gilead como em todo lugar.

Devo alertá-lo leitor que, por mais que eu tenha gostado de Os Testamentos, ainda assim senti uma grande dificuldade no começo do livro para me situar e me "adaptar" a narrativa, mas vencido esse percalço inicial consegui ter uma leitura bastante imersiva que, à propósito, recomendo ser feita só se você tiver lido O Conto da Aia, caso contrário, não creio que o livro flua bem e agrade para quem não conhece a essência do enredo.


Tia Vidala dizia que essa história de melhor amiga levava a sussurros, tramoias e segredos, e tramoias e segredos levavam a desobedecer a Deus, e desobediência levava à rebelião, e meninas rebeldes se tornavam mulheres rebeldes, e uma mulher rebelde era ainda pior do que um homem rebelde porque o homem rebelde virava traidor, mas as mulheres rebeldes viravam adúlteras.

Então, em Os Testamentos vamos acompanhar esses três registros de forma bem alternada entre as personagens e isso é bem interessante, porque enquanto vamos acompanhando o registro de Tia Lydia, ficamos a par de muita coisa e "podre" do governo de Gilead, bem como de seu real pensamento e suas regressões ao passado e como se deu o "nascimento" de Gilead, bem como seu papel nessa estrutura. Vemos a sagacidade e inteligência de Tia Lydia e isso impressiona bastante.

Por outro lado também acompanhamos os depoimentos da testemunha 369A que foi criada em Gilead, é filha de comandante e, é através desse relato que conhecemos mais sobre o que é esperado das mulheres que são criadas em Gilead, qual o projeto de vida traçado para elas pelos "governantes" e o que acontece caso alguma mulher queira fugir do padrão dessa sociedade. Esse relato também impressiona e nos deixa cheios de medo, nojo, raiva... enfim é um misto de sentimentos.

O normal é como olhar pela janela de um carro. As coisas vão passando, isso e aquilo e aquilo outro, sem muito significado. Você não registra essas horas; elas são habituais, feito escovar os dentes.


Por fim, temos o relato da testemunha 369B que é a mais nova e que foi criada fora de Gilead, mostrando a visão superficial que ela tinha a respeito daquela sociedade totalitária e, até negligenciando e não querendo pensar ou saber nada das pessoas que viviam naquele país até sua vida entrar em colapso e ela precisar entrar em contato direto com Gilead. Essa personagem é genial de inúmeras maneiras porque nos faz refletir o "saber" do outro quando não se está inserido dentro da mesma sociedade e cultura, como muitas vezes não nos importamos com o que acontece em outros lugares até que aquilo nos afete de alguma forma e percebamos que temos papel fundamental para a solução de problemas coletivos, entre várias outras reflexões que ele relato nos motiva.

.. e, no fim das contas, quanta crença não nasce por causa de anseios?

Atwood não foi de nenhuma maneira leviana ao nos colocar essas três visões, principalmente ao mostrar - durante a maior parte do livro - os desdobramentos da história dessas personagens de forma individual, nos mostrando de forma ampla os contextos de vida, as posições sociais e ideologias de cada uma; e, apenas depois, fazendo com que essas personagens apresentassem ligações e tivessem que unir forças para "o bem maior".

Você ficaria surpreso em saber como a mente se deteriora na ausência de outras pessoas. Uma pessoa sozinha não é uma pessoa inteira: existimos na relação com os outros. Eu era uma pessoa: perigava me tornar nenhuma.


No entanto, vale salientar que, mesmo Os Testamentos trazendo estas histórias e nos lançando luz a alguns fatos e novas situações, o volume não chega a nos "contar" nada de novo a respeito de Gilead, de modo que aquele desconforto que sentimos ao ler O Conto da Aia ao perceber o governo totalitário, o tratamento às mulheres, etc., não chega a ser o ponto alto deste volume, nesse volume o trabalho da autora não deixa de ser impressionante e nos impactar em inúmeros graus, mas as reflexões, ao meu ver, giram mais em torno de sentimentos, ideologias, empatia, decisões e ações que podem mudar tudo.

A maior parte do tempo, é assim que nós sentimos aqui, longe da guerra, no coração inerte do tornado tão pacíficas, as ruas, tão tranquilas, tão organizadas; ainda assim, sobre a superfície enganosamente plácida, um tremor, com aquele próximo a linhas de alta voltagem. Estamos no limite da tensão, todos nós, vibramos; estremecemos, estamos sempre alerta. Reinado de terror, como costumavam dizer, mas o terror não reina, não exatamente. Ele paralisa. Daí essa calmaria anormal.

Antes de concluir essa crítica, gostaria de mencionar o "tom" da narrativa, pois é impossível não percebermos uma atualização dele em comparação com o volume anterior, desse modo, fica bastante perceptível que há uma atualização na forma de narrar de Atwood o que é bem natural pois além da escritora ter bem mais habilidade, experiência com escrita e estar vivendo em uma conjuntura contemporânea, Os Testamentos foi escrito 34 anos depois de O Conto da Aia esquisito seria se a escritora não tivesse evoluído, amadurecido e melhorado ainda mais sua escrita, para completar é inegável não percebemos que o novo volume apresenta vários resquícios oriundos da série televisiva The Handmaid's Tale.

A memória é uma coisa cruel. Não conseguimos lembrar do que foi que esquecemos. Do que nos obrigaram a esquecer. Do que tivemos que esquecer, para poder fingir que vivemos aqui com alguma normalidade

Para finalizar, volto a frisar que Os Testamentosi é um livro que "cai melhor" para quem já leu O Conto da Aia ou pelo menos assistiu a série, pois conseguirá acompanhar melhor os fatos e os personagens mais profundamente. Mas, sem sombra de dúvida, pessoalmente esse livro já entrou na minha lista de favoritos da vida e um dos melhores que já li este ano de 2020.

A memória coletiva é famosa por suas limitações, e boa parte do passado simplesmente naufraga no oceano do tempo e se afoga de vez; porém, muito raramente, as águas se abrem, permitindo -nos vislumbrar algum tesouro oculto, mesmo que por um momento.

COMPRAR: Amazon | Outras Lojas

  • Share:

You Might Also Like

2 comentários

  1. eu que adoro o conto da aia com certeza quero ler esse livro tbm, adorei o post e saber suas impressões sobre ele

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      Fico muito feliz por você ter gostado da review, e mais feliz ainda por saber que gostamos de O Conto da Aia, o que me leva a crer que você tem 99% de chances de amar Os Testamentos (livro que amei e já favoritei).

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!