Resenha: "Umbigo sem Fundo" de Dash Shaw

Saudações Leitores?
Umbigo Sem Fundo foi uma cortesia da Editora Companhia das Letras (mais sobre o livro AQUI) que solicitei por pura curiosidade ao ler coisas incríveis sobre o trabalho de Dash Shaw, então conferi e quero dizer para vocês o que achei dessa leitura diferentona de todos os Graphic Novels que já li. 


Umbigo sem Fundo, Dash Shaw, São Paulo: Companhia das Letras 
(Quadrinhos na Cia), 2009, 720 pág.
Traduzido por Érico Assis

Umbigo Sem Fundo (Bottomless Belly Button, título original) é uma Graphic Novel publicada pelo quadrinista norte americano Dash Shaw que é ganhador de diversos prêmios e bastante renomado no "mundo" dos comics.


A Graphic Novel é dividida em três partes e a proposta e recomendação do autor logo na primeira página do livro é que o leitor faça uma pausa entre cada parte. É uma proposta maravilhosa, pois proporcionaria uma reflexão ao que foi exposto na parte lida, no entanto, o difícil é conseguir pausar a leitura, pois cada quadrinho tem uma cadência tão fluída que lemos tudo num piscar de olhos sem ao menos sentir.


Li de um fôlego só, mas quando fui reler fiz como o autor sugeriu e li uma parte por dia. Foi bem interessante seguir a experiência. Vale a pena frisar que Umbigo Sem Fundo não é um quadrinho infantil, pelo contrário, é uma Graphic Novel cujo público alvo é o adulto.

Umbigo Sem Fundo tem como trama a reunião da família Loony após os patriarcas, Maggie e David, anunciarem o divórcio após 40 anos de casados. Todos estão numa casa de praia e vão lidar com o anúncio de separação das mais variadas formas, no entanto são formas individualistas e egocêntricas e não é possível em momento algum notar a união familiar, porque todos os membros da família se sentem deslocados ao conviverem juntos. Dash Shaw vem trabalhar muito bem a personalidade e os problemas familiares de cada um dos membros da família, sobre tudo dos três filhos do casal: Denis, Claire e Peter.


É impressionante poder ver como cada um dos filhos encarou a separação dos pais de forma bem diferente. O que mais entrou em choque foi Denis (o filho mais velho, que já tem uma família), ele começa a vasculhar baús antigos, cartas dos pais para tentar entender porque após 40 anos de casados seus pais decidiram se separar.

Para mim, Denis é o personagem mais paranoico em relação a situação e eu achei um pouco exagerado as ações e atitudes do personagem, sobretudo por ele já ser um homem maduro e ter a própria família. Confesso que isso me deixou um pouco chateada, mas depois eu fiquei imaginando: Denis tem o direito de sofrer com a situação e tem o direito de lidar com ela de sua forma. Foi isso que o personagem fez. Ele não entendia, apenas queria entender. Achei-o cheio de insegurança e talvez com medo de que o mesmo destino estivesse sondando sua família (esposa e filho).


Também temos a filha do meio, Claire, que não vê muito problema na separação dos pais - age de forma indiferente - até porque ela própria é separada do marido e está bem mais preocupada com sua filha adolescente, Jill, do que com os problemas de seus pais.

Por fim tem o filho caçula, Peter, que também já é um homem formado, mas age como um adolescente inseguro e isolado de tal forma que não se sente parte da família Loony, é como se ele vivesse em seu próprio mundo e não está nem aí para a separação de seus pais, de tal forma que a própria representação do personagem pelo quadrinista foi feita com um rosto de sapo, como Peter fosse de outra raça, outra espécie e não um Loony.


Na minha primeira leitura de Umbigo Sem Fundo fiquei mesmo incomodada com algumas das atitudes dos personagens, mas na leitura posterior - e pausada - pude visualizar que, como personalidades diferentes, independente da idade e do sexo, eles embora fazendo parte da mesma família tiveram uma vida e uma criação diferente e muito individual, sem muito carinho e aproximação, portanto cada um deles tem seus traumas e a notícia da separação dos pais foi o estopim para uma infinidade de sentimento.  


Sem dúvida alguma, Umbigo Sem Fundo, foi uma leitura impressionante e, diferente de outros quadrinhos que já li, ele só pode ser melhor compreendido numa segunda leitura, fazendo pausas e refletindo sobre cada parte. Na verdade, esta Graphic Novel é surpreendente não só pelo que está escrito/desenhado, mas muito pelo não dito e exposto.

4 comentários:

  1. Mila,

    Desde a primeira vez que olhei pra esse livro me deu vontade de lê-lo. Nunca li quadrinhos e tua empolgação me deixa ainda mais ansiosa pra ter essa experiência! Adorei a resenha e as fotos, ficou tudo lindo!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei minha Ana, vi sua carinha e seus olhos brilhandooooooo...


      Se quiser eu te empresto para tu ler, vai gostar tanto....

      xoxo
      Mila F.

      Excluir
  2. Milaaaaa você está caprichando nas fotos, parabéns!

    Confesso que fiquei bem curiosa para ler.... E é da Companhia das Letras, deve ser bom, é uma das melhores editoras no Brasil com seleção de autores absurdamente competentes.

    abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Juh...


      aiiiiiiiiiiii obrigada (*.*) fico toda orgulhosa quando dizem que as fotinhas estão caprichadas.... e a minha intenção é melhorar cada vez mais.

      Confira Umbigo Sem Fundo, é uma GN bastante diferente e gostosa de se ler.

      Fã da Companhia das Letras? Me too...

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!