Resenha: “Dois Garotos Se Beijando” de David Levithan

Saudações Leitores!
Tem coisa melhor do que receber livro de surpresa? Dois Garotos Se Beijando* foi um livro que encheu meus olhos, porque já conheço a escrita do David e poder ter em mãos outro livro dele foi simplesmente tentador e mais um furou a fila de leitura. O livro me envolveu tanto que o li em um único dia, venham saber mais um pouco dessa minha experiência literária na resenha. Detalhe, o li já faz um tempinho, mas só agora estou conseguindo postar a resenha. (^.^) sorry.



Dois Garotos Se Beijando, David Levithan, Rio de Janeiro: Galera Record, 2015, 224 pág.
Traduzido por Regiane Winarski

Two Boys Kissing (2013), no Brasil Dois Garotos Se Beijando, foi escrito pelo autor best-seller David Levithan, autor dos livros Todo Dia e Will & Will, já resenhados aqui no blog. David Levithan é um dos autores norte-americanos muito popular por escrever contos e livros cujos personagens são homossexuais.

"Sonhar e amar e transar. Nenhuma dessas coisas é uma identidade. Talvez quando as outras pessoas olham para nós, mas não para nós mesmos. Somos muito mais complicados do que isso." (p.12)

Em Dois Garotos Se Beijando, como o próprio título já nos faz refletir trata-se de um livro que traz personagens homossexuais, garotos, mas não é apenas dois garotos se beijando, o livro é mais que isso, ele traz muitos outros garotos se beijando, mas também poderia ser duas garotas, uma garota e um garoto, não é o sexo, mas o sentimento, a realidade maior que esta sendo exposta no livro.
Harry e Craig, já foram namorados, mas agora são apenas amigos e se propõem baterem o record de maior tempo se beijando, ou seja, mais de 32 horas se beijando sem parar. A questão é que eles estão ali não só para quebrar o record, mas para quebrar preconceitos e tabus de uma sociedade que mesmo sabendo da existência de gays e lésbicas agem como se eles não existissem e quando admitem sua existência, os tratam de forma preconceituosa.

"O amor é tão doloroso; como podemos desejar para alguém? E o amor é tão essencial; como podemos atrapalhar o progresso dele?" (p.15)

Nesse ínterim, ou seja, entremeada a história de Harry e Craig, temos a história de Tariq; Neil e Peter, que são namorados; Cooper; Avery e Ryan, que estão se conhecendo. Todos são gays e tem histórias similares, viveram preconceitos, violências, injustiças, medo, angústia e frustação, mas alguns deles têm o apoio incondicional de sua família e amigos, outros ainda escondem sua sexualidade (estão dentro do armário), mas no final da história percebemos que todos eles estão se conhecendo, descobrindo seu amor.
David Levithan tem uma forma encantadora de mostrar e narrar fatos cruéis da sociedade para com os homossexuais e nos fazer refletir sobre nossos preconceitos, ele mostra que todos são seres humanos e merecem respeito, tem direito de amar e serem amados. David Levithan fala de amor, isso deixa a história mais envolvente e sensível.

"Mas segredo aberto é uma mentira que gostamos de contar para nós mesmos. É uma mentira que contávamos para nós mesmos com frequência, tanto na doença quanto na saúde. Não funciona, porque se você sente que ainda tem um segredo, não tem como ele ser realmente aberto." (p.146)

Li Dois Garotos Se Beijando de um fôlego só, é uma leitura muito rápida e como já sou fã do autor já sabia que isso iria acontecer. Acredito que esse é o tipo de livro que todas as pessoas deveriam ler para quebrarem seus preconceitos e aprenderem a respeitar o outro, tem muito amor envolvido nessas páginas e eu gostaria muito de compartilhá-las com todos vocês, espero que após esta resenha sintam-se motivados a lerem.
 

*Esse livro foi cortesia da editora Galera Record, para saber mais sobre o mesmo clique AQUI.

2 comentários:

  1. Oi,Mila!
    Eu nem sei o quanto me odeio por ainda não ter comprado esse livro. Sou tão fã do Levithan, acho seus livros tão inspiradores que adoraria que pelo menos um por cento de suas histórias pudessem se transportar para a realidade. Em tempos de tanta intolerância e preconceito um livro como este deveria ser leitura obrigatória. Se cada um encarasse a opção sexual do outro como um simples gesto de amor não teríamos tanta coisa ruim acontecendo. Sempre que leio algum de seus livros recebo uma injeção de amor e esperança. E filosofo desordenadamente..hahaha...Desculpa a empolgação. Sei que vou amar o livro e que muito provavelmente será mais um dos meus favoritos.
    Amei!!
    Bjs e bom fim de semana,linda!

    Zilda Peixoto
    http://www.cacholaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Zilda,
      Como seu comentário traduziu tão bem meus pensamentos, fico sem palavras para dizer. Muito feliz de ler tudo o que você escreveu, porque eu de fato concordo, acho que Levithan escreve o amor na sua pura forma, despretensioso, corajoso, puro.

      xoxo
      Mila F.

      Excluir

Muito obrigada pelo Comentário!!!!